terça-feira, 5 de julho de 2016

Alemanha bate recordes na produção de energia renovável





A Alemanha é a líder quando se trata da captação de energia solar, uma fonte totalmente sustentável e barata. A energia eólica (aquela produzida pelos ventos) também não fica atrás. Toda essa energia renovável gera uma produção muito satisfatória e eficiente, tanto que o excesso bateu recordes e fez a conta de luz chegar em números negativos.

O fato aconteceu em um domingo, no início da tarde, quando o clima favoreceu sol e ventos fortes, chegando a um número impressionante de energia renovável e limpa de 55 GW. Isso fora os tradicionais de produção hidrelétrica e biomassa de 63 GW. Ou seja, aconteceu a geração de um pico de energia jamais visto naquele país atualmente.

Com muita oferta e baixo consumo da população, o valor da conta de luz chegou a números negativos, com o gerenciador do sistema ‘pagando’ para a energia ser utilizada. É como se em algumas horas do dia você pudesse gastar o quanto quiser sem ser cobrado por isso. Imagina só!?

Embora esse fenômeno tenha sido muito comemorado, expôs alguns problemas que precisam ser ajustados para otimizar ainda mais a produção de energia sustentável. O fato principal é que muitas indústrias ainda não estão preparadas para lidar com essa oscilação, sem conseguir reduzir ou interromper o gasto com a energia comum mesmo nesses picos. Com isso, é como se a produção da eólica e solar fossem ‘desperdiçadas’. Outra coisa para se preocupar é que o efeito dessa oscilação ainda foi muito pequeno para o usuário comum.

Agora, segundo especialistas, o desafio dos alemães é encontrar maneiras de otimizar a oferta de energia renovável a ponto de abaixar drasticamente o consumo de recursos naturais. Atualmente, 33% da eletricidade consumida no país veio de fontes limpas, com uma queda média de 10% no preço do quilowatt/hora. A meta do governo é que 100% da energia seja renovável até 2050.

Via Blog de Engenharia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são bem vindos.
Desde que não sejam comentários anônimos.