quinta-feira, 30 de novembro de 2017

ZUtA é uma impressora portátil



Já pensou em formas de modernizar impressoras? Isso parecia quase impossível, mas uma impressora pequena, moderna e portátil conseguiu fazer isso. A ZUtA Labs imprime entre 1 a 1,5 por minuto e funciona durante uma hora antes de precisar ter sua bateria recarregada.

Ela é desenvolvida pela startup israelense ZUtA Labs e está em fase de pré-venda. De acordo com o fabricante, um cartucho é capaz de imprimir mais de cem páginas e o gadget pode se conectar a PCs, tablets e smartphones por internet sem fio. Por enquanto ela só imprime na cor preta. Vale o Clique!

Via zupi

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Uma casa em uma vaga de carro







Aqui está a TIKKU, uma casa funcional, ecológica e que cabe no espaço de um estacionamento para veículos. Um conceito de arquitetura pensado para responder ao problema de espaço encontrado nas cidades, mas também para reduzir a importância dada aos carros nas cidades modernas.

Apesar do pouco espaço ocupado no solo, a casa TIKKU tem três andares, espaços funcionais e uma varanda. Para ser auto suficiente se falado sobre energia, a casa é equipada com banheiros secos e painéis solares.

O projeto é do estúdio finlandês Casagrande Laboratory e foi apresentado durante a Helsinki Design Week. Confira!




Via zupi

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Financiamento coletivo viabiliza calendário ilustrado por Athos Bulcão

Famoso por mesclar suas obras à arquitetura, Athos Bulcão é um artista múltiplo que trabalhou em diversos suportes, entre eles, claro, os azulejos. São de autoria de Bulcão, murais, painéis e relevos para os edifícios do Congresso Nacional, Palácio do Itamaraty, Palácio do Jaburu e a Capela do Palácio da Alvorada, por exemplo.

Carioca, Athos mudou-se para Brasília em 1958 para colaborar com a construção da cidade, e lá se tornou famoso por estampar e ressaltar o concreto das construções da capital federal, aonde viveu até a sua morte em 2008.

Este ano, em homenagem ao centenário do artista e a sua rica obra, a Fundação Athos Bulcão lançou uma campanha de financiamento coletivo para a realização do Calendário Ilustrado 2018. O projeto gráfico, que completa 20 anos de existência, terá uma edição especial, com 10.000 exemplares, e fará parte de um conjunto extenso de ações realizadas pela Fundação. Vale o Clique!

Via Casa Vogue

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Fotografo transforma casais em miniaturas criativas






As fotos de Ekkachai Saelow são hiper criativas e diferentes do que estamos acostumados a ver. Com técnicas digitais ele transformou os noivos em miniaturas. Um trabalho super bacana que, Vale o Clique!



Via Assuntos Criativos


domingo, 26 de novembro de 2017

Dropbox tem maior mudança de design em 10 anos



O Dropbox anunciou esta semana uma das maiores modificações de design e posicionamento de marca da empresa. O serviço ganhou uma mudança de identidade visual completa, passando a adotar um novo logo e a exibir novas ilustrações.

A alteração na identidade visual foi concebida para marcar uma nova fase. O Dropbox não quer ser mais conhecido apenas como um serviço para guardar arquivos na internet. A companhia, que completa dez anos em 2017, que ser lembrada como um espaço para o compartilhamento de criatividade e colaboração.

“O Dropbox não é apenas um lugar para armazenar seus arquivos. Somos um espaço de trabalho vivo onde pessoas e idéias se juntam”, explicou em um post no blog  Carolyn Feinstein, CMO da empresa. “O design reflete nossa paixão: construir ferramentas que ajudem as equipes a encontrar foco, manter seu fluxo e liberar sua energia criativa”, detalha.

No logotipo, sai a box com abas flexíveis e entra uma nova caixa, agora composta por um conjunto de losangos uniformes. Também entra uma nova tipografia,  em preto e não mais em azul. Agora a marca utiliza a fonte da família Sharp Grotesk, com diferentes pesos e estilos, o que torna o logotipo mais adaptável.

A nova paleta de cores aposta em contrastes pouco convencionais. As novas ilustrações foram pensadas a partir do primeiro conjunto de desenhos criados pela empresa com traços simples feitos a mão, mesclando formas coloridas e abstratas.

A nova identidade visual foi criada por um conjunto de estúdios. Além da equipe própria do Dropbox, participaram da concepção do projeto as agências Collins, Instrument, XXIX, Sharp Type, e Animade. Vale o Clique!

Via B9

sábado, 25 de novembro de 2017

O homem que apareceu na capa do disco Abbey Road, dos Beatles







Não é por acaso que os Beatles são a banda mais estudada e pesquisada da história da música popular: para um beatlemaníaco, ou mesmo para alguém realmente interessado na música e na cultura do século XX, qualquer personagem que tenha minimamente se aproximado e feito parte da história da mais importante banda de todos os tempos merece atenção e curiosidade.
E uma questão frequentes surgiu a partir de setembro de 1969, quando Abbey Road, o último disco gravado pela banda, foi lançado, é: quem é afinal o homem na calçada, ao fundo à direita, olhando para os quatro músicos atravessando a rua na icônica foto da capa do disco?

A resposta surgiu cerca de um ano depois do lançamento do disco, quando o inglês Paul Cole olhou a capa do álbum em sua casa, enquanto sua esposa estudava ao piano a canção “Something”, de
George Harrison, presente no disco, e foi tomado por espanto: aquela pessoa ao fundo da foto era ninguém menos que ele mesmo.

Cole estava com sua esposa na manhã do dia 8 de agosto de 1969, passeando pela rua onde a foto foi tirada, e decidiu descansar por ali enquanto ela seguia seu passeio por Londres. Ao parar para papear com um policial em uma viatura estacionada, ele reparou na foto sendo tirada. Mal sabia ele que passaria a constar em uma das mais memoráveis fotos e capas de disco da história.

“Aconteceu de eu levantar os olhos e ver aqueles caras atravessando a rua, como uma linha de patos”, afirmou Cole. “Um bando de malucos, eu os chamei assim, porque eles tinham um visual bem radical para a época. Não se andava em Londres com os pés descalços.” Cole não era um fã da banda, mas sua imagem, porém, estará para sempre atrelada aos Beatles, especialmente depois das mais de 30 milhões de cópias – e consequentemente da foto, tirada por Ian Macmillan – vendidas de Abbey Road.

Como tudo que diz respeito à banda, porém, há diversas teorias por trás de cada mínima história, e no caso de Cole não seria diferente. Diversos pesquisadores afirmam que a história de Cole é simplesmente uma invenção, criada por ele e reproduzida pela imprensa, e que o homem na capa do disco permanece um mistério.

Resolver tal dilema, porém, não é tarefa fácil, especialmente considerando que Paul Cole faleceu em 2008, aos 96 anos – ainda sem maiores admirações pela música dos Beatles, mas tendo realizado o maior photobomb da história. Vale o Clique!

Via Hypeness 

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Edifício com floresta vertical será construído em Toronto




Se a construção de prédios é uma realidade irreversível para acomodar a crescente população das grandes cidades, nada melhor que encontrar soluções para tornar tais moradias mais ecológicas. Exemplo disso, é o edifício cercado por verde projetado para a cidade de Toronto, no Canadá.

Com unidades modulares pré-fabricadas, cada apartamento possuirá uma fachada de madeira e amplas varandas para serem cultivadas espécies de todos os tipos. A intenção é criar um refúgio verde em meio à loucura da maior cidade canadense.

A torre foi desenvolvida pelo escritório de arquitetura Penda, especializado em projetos ecológicos, com a empresa canadense Timber. Chamado de “Toronto Tree Tower”, trata-se de um prédio de uso misto com 18 andares. A maioria dos apartamentos é residencial, mas há uma parte comercial com café, creche e até espaços de oficina para seus moradores.

A madeira é o elemento principal da construção. Ela está presente desde a estrutura até em forma de painéis no revestimento da fachada. Já as plantas oferecem diversos benefícios, como isolamento de ruídos, melhora na qualidade do ar, além de proporcionar uma temperatura mais agradável. Essa combinação foi pensada para que os módulos imitem ramos de árvore.

“Nossas cidades são uma montagem de aço, concreto e vidro. Se você percorrer a cidade e de repente ver uma torre de madeira e plantas, isso vai criar um contraste interessante”, afirma Chris Precht, arquiteto da Penda. “Isso pode ser um modelo para um desenvolvimento ambiental amigável e extensões sustentáveis de nossa paisagem urbana”, acredita ele. Vale o Clique!

Via Ciclo Vivo

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Deriva do Bem 2017, Cidade de Goiás




Derivantes, infelizmente tivemos que adiar nossa Deriva do Bem na Cidade de Goiás, edição 2017. Nossa agenda acabou sendo comprometida com a previsão do tempo chuvoso e outras demandas que não conseguimos otimizar a tempo. Provavelmente faremos a Deriva do Bem na Cidade de Goiás ainda no primeiro semestre de 2018, evitando o período chuvoso. Agradecemos a participação de todos na Deriva do Bem 2017, e aproveitamos para desejar um novo ano bacana, de vida, saúde e paz.

Abraço nosso!
Equipe Deriva do Bem

Pesquisadores desenvolvem concreto que resiste a terremotos



Pesquisadores da University of British Columbia desenvolveram um novo tratamento de concreto reforçado com fibra que pode "aumentar drasticamente a resistência contra terremotos de estruturas sismicamente vulneráveis".

Chamado EDCC (eco-friendly ductile cementitious composite), o material é projetado no nível molecular para reagir de forma semelhante ao aço - com alta resistência, ductilidade e maleabilidade. Quando pulverizado na superfície de paredes internas de concreto, ele torna-se um reforço contra intensidades sísmicas tão altas como o tremor de magnitude 9.0-9.1 que atingiu Tohoku, Japão em 2011.

"Nós pulverizamos várias paredes com uma camada de EDCC de 10 milímetros de espessura, o que é suficiente para reforçar a maioria das paredes interiores contra abalos sísmicos", diz Salman Soleimani-Dashtaki, candidato a doutorado no departamento de engenharia civil da UBC. "Então nós os submetemos a terremotos de nível de Tohoku e outros tipos e intensidades de terremotos - e não conseguimos rompê-las".

Combinando cimento, fibras à base de polímeros, cinzas volantes e outros aditivos industriais, EDCC também é surpreendentemente sustentável para o meio ambiente - quase 70 por cento do cimento necessário em fórmulas tradicionais é substituído por cinzas volantes, um produto de resíduos industriais.

"Este é um requisito bastante urgente, uma vez que uma tonelada de produção de cimento libera quase uma tonelada de dióxido de carbono para a atmosfera e a indústria de cimento produz cerca de sete por cento das emissões globais de gases de efeito estufa", comentou o professor de engenharia civil da UBC e supervisor de projeto, Nemy Banthia.

O material será usado na aplicação prática pela primeira vez neste outono, como parte de uma adaptação sísmica da Escola Primária Dr. Annie B. Jamieson, em Vancouver. As futuras aplicações incluem a renovação de uma escola em Roorkee, na região de Uttarakhand, na Índia, onde os terremotos são comuns e para construir casas resilientes em outros países. Capaz de ser aplicado a uma variedade de estruturas de concreto, os pesquisadores também preveem seu uso na construção de tubulações, pavimentos, plataformas offshore, estruturas resistentes a explosões e pisos industriais.

A pesquisa foi financiada pelo Centro de Pesquisa de Excelência IC-IMPACTS do Canadá-Índia, uma organização de pesquisa que promove a colaboração entre o Canadá e a Índia. Vale o Clique!

Via ArchDaily (http://www.archdaily.com.br/br/882345/pesquisadores-desenvolvem-concreto-que-resiste-a-terremotos)

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

As coincidências planejadas, por Denis Cherim






Como parte de sua série intitulada Coincidence Project, o fotógrafo Denis Cherim parece fazer milagres em seus registros. As fotografias são tiradas no lugar e momento exato, sempre brincando com perspectivas, escalas, e talvez até um pouco da sorte. Cherim coloca-se num ponto preciso e estratégico para fotografar.

O artista já viajou por Londres, Madri, Valência e Plovdiv, agora ele participa de uma residência por 3 meses em Taiwan no Pier-2 Art Center. Você pode acompanhar mais de seu trabalho no Instagram. Confira!

Via zupi


terça-feira, 21 de novembro de 2017

Cidade iraquiana será reconstruída com módulos em 3D




Cidade iraquiana destruída pela guerra será reconstruída com módulos em 3D feitos de escombros. Criado pelo arquiteto belga Vincent Callebaut, projeto irá abrigar desalojados em mais de 10 mil casas.

O arquiteto belga Vincent Callebaut, vencedor do Prêmio Rifat Chadirji, apresentou uma proposta sustentável para a reconstrução da cidade de Mossul, no Iraque. A competição desafiou escritórios do mundo todo a apresentarem ideias para reerguer das ruínas a cidade, que é a segunda maior do país e foi reconquistada em julho. Callebaut apresentou o projeto “The 5 Farming Bridges”, cinco pontes agrícolas que serão construídas com estruturas em 3D, impressas usando como matéria-prima os escombros da própria guerra.

As pontes serão construídas sobre as ruínas. Nelas, estarão alojamentos modulares empilhados, que poderão ser acrescentados e ter seu tamanho ajustado conforme a necessidade, fazendo uma espécie de floresta urbana. Os módulos de cada uma das casas serão impressos em 3D e, neles, a ideia é utilizar como matéria-prima as ruínas da tragédia.

Apesar de moderna, a arquitetura dos módulos foi inspirada em mugarnas, abóbadas características da arquitetura islâmica desde a época medieval. Com essa estratégia estética, Callebaut conseguiu criar casas que não apenas irão reconstruir a cidade, como respeitar sua história e sua cultura.

Entre alguns módulos de uma casa e outra, o escritório também previu espaços para a plantação de árvores que irão formar áreas agrícolas responsáveis pela alimentação dos habitantes dessas moradas. Irrigados com as águas do Rio Tigre, os pomares também irão oferecer um conforto térmico à residência, o qual também será intensificado com a presença das mugarnas e de grandes janelas que criarão um sistema de ventilação cruzado e farão o ar circular pelos espaços. Nas casas construídas nas áreas superiores, compositores de biomassa irão transformar os dejetos dos moradores em fertilizantes biológicos para os pomares. Com isso, o objetivo é criar um sistema sustentável e autossuficiente: os pomares irão alimentar os moradores, que irão produzir o que será usado como fertilizantes dos próprios pomares.

Se de fato implementado o projeto, as máquinas de 3D terão capacidade para imprimir 30 casas por dia, totalizando quase 55 mil casas em cinco anos – número que dará conta de abrigar os desalojados das 10 mil casas destruídas pela guerra. A expectativa é que sejam investidos US$ 1 bilhão. Vale o Clique!

Via Casa Vogue

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Expansão do Norton Museum terá jardim público projetado por Foster + Partners





O Norton Museum of Art em West Palm Beach, Flórida, apresentou o primeiro jardim público projetado por Foster + Partners como parte do projeto de expansão do museu que custará cerca de US$100 milhões. Com uma variedade de plantas sub-tropicais nativas e espaços de encontro, o jardim foi concebido como "um novo espaço de convívio para a população local".

"Desde o início, concebemos o projeto de expansão do Norton como uma oportunidade única para criar uma nova imagem do museu, que referencia o projeto original, proporcionando um espaço mais acolhedor e convidativo para as pessoas", comenta Sir Norman Foster.

"Em nosso masterplan, definir o sentido de lugar do Norton foi fundamental para nós - neste caso, a natureza subtropical exuberante da Flórida. Por isso, propusemos o edifício do museu dentro de um jardim, criando áreas abertas que recebem atividades artísticas e permitem que a programação do museu se estenda para foram do seu limite físico".

Inserido em um masterplan de mais de 25.000 metros quadrados, o novo complexo contará com uma série de pavilhões de inspiração Art Déco, que circundam um pátio central criando corredores sombreados que conectam os "jardins cobertos" ao longo do eixo sul do museu. A exuberante vegetação é responsável por configurar os espaços expositivos no interior dos jardins de Pamela e Robert B. Goergen, os quais irão abrigar 11 grandes obras de arte doadas à instituição pelo casal, incluindo obras contemporâneas de Keith Haring, George Rickey e Mark di Suervo.

Na área central, um grande gramado receberá a programação ao ar livre, como o"Art After Dark" entre outros eventos, apresentações e exposições. Inspirado no histórico ficus plantado na abertura do museu em 1941 (que será o elemento principal da nova entrada oeste do museu), a Foster + Partners também incluiu um "jardim maduro" com oitenta e duas árvores adultas, cujas copas irão se integrar imediatamente com a estrutura da cobertura curva da expansão. Mais detalhes, imagens e vídeos, Vale o Clique!

Via ArchDaily

domingo, 19 de novembro de 2017

LEGO lança kit com 5.923 peças para construir Taj Mahal





De longe o monumento mais conhecido da Índia, o Taj Mahal, mausoléu que data de 1658, fica situado na cidade de Agra e é considerado Patrimônio Humanidade pela UNESCO, poderá agora ser construído por qualquer um com um pouco de paciência e US$ 369,99. Isso porque a famosa marca de brinquedos LEGO acaba de relançar a versão montável do icônico edifício – um verdadeiro quebra-cabeça com exatas 5.923 peças.

O kit é uma atualização do que já foi o maior projeto produzido pela LEGO, lançado em 2008, mas descontinuado em 2010. Com praticamente a mesma aparência, o relançamento conterá apenas uma peça mais do que seu antecessor, mantendo as medidas que ressaltam cada detalhe da obra.

Com 43 cm de altura, 51 cm de largura e 51 cm de profundidade, a replica tem tamanho suficiente para ressaltar detalhes marcantes do edifício, como as esculturas intrincadas na lateral além das quatro fachadas em arco, da cúpula central e das câmaras abobadadas.

O novo kit Taj Mahal estará disponível a partir do dia 27 de novembro nas lojas LEGO e no LEGO Shop Online



Via Casa Vogue

sábado, 18 de novembro de 2017

Fotografias pela Europa inspiradas em Game of Thrones




O fotógrafo alemão Kilian Schonberger, foi em busca de lugares na Alemanha e arredores da Europa em que pudesse capturar o espírito da série de “Game of Thrones”. Nas sua busca ele encontrou castelos, ruínas, monastérios, vilarejos antigos e florestas cobertas de neve que faz te lembrar imediatamente de alguns dos episódios da série.

Muitas das fotos feitas pelo alemão realmente parecem cenas de divulgação da HBO. O curioso é que as imagens feitas por ele não correspondem os lugares usado pela equipe de produção da série. Embora muitas cenas realmente tenham sido filmadas na Europa, boa parte dos cenários vistos são de países como Espanha e Croácia, além das paisagens naturais da Islândia. Agora vale muito a pena conferir essas imagens e viajar pela série.

Confira abaixo uma amostra das fotos. O set completo está disponível no Behance do alemão Schonberger. Confira!

Via Marketing com Café


sexta-feira, 17 de novembro de 2017

SORTEIO! Workshop: Como Transformar Seguidores em Clientes

O Blog do Bráulio sorteará 01 credencial para participar do Workshop "Como Transformar Seguidores em Clientes".

São 240 minutos de muita interação, troca de conhecimento e oportunidades de melhorar a performance profissional. O Workshop "Com Transformar Seguidores em Clientes" é ferramenta ideal para quem deseja um meio de conquistar espaço no mercado, agregando conteúdo e conhecimento que ajudam no crescimento profissional e na prospecção de novos clientes.

O Sorteio acontecerá às 12h00 (Meio dia) do dia 21/11/2017. Para participar, preencha o formulário e boa sorte!

Para preencher formulário, Vale o Clique!

Workshop: Como Transformar Seguidores em Clientes

O evento é voltado para 228 profissionais da área, como arquitetos, decoradores e designers e acontecerá em Goiânia no dia 23 de novembro de 2017 no auditório do CDL.

Esses profissionais estão empenhados em como utilizar as mídias sociais para difundir o seu trabalho e conquistar clientes, além de aperfeiçoar os seus conhecimentos através de cursos, especializações e parcerias com empresas no âmbito comercial da arquitetura.

A palestrante, abordará por cerca de quatro horas, o tema "Como Transformar Seguidores em Clientes", na qual revelará estratégias do marketing digital, mídias sociais, tipos de espectadores desejados, a importância da exposição do seu negócio e diversas dicas para auxiliar na captação de clientes.

Data: 23 de novembro de 2017
Horário: 19h
Local:  Auditório do CDL, Rua 9 esquina com a Rua 8 do Setor Oeste- Goiânia GO
Organização: NANU Arquitetura & Interiores e Flávia Soares   
Patrocínio: IPOG
Realização: Aldeia Materiais de Construção
Valor do ingresso: R$ 150,00 (1 lote)
Valor para estudantes: R$ 90,00

Mais informações, Vale o Clique!

Vila cultural e ecológica em jardim japonês




A cidade norte-americana de Portland, em Oregon, tem algumas particularidades que a tornam bastante agradável e conhecida no mundo. Ela está, por exemplo, entre as cidades mais ecológicas do mundo. É lá que está o “jardim japonês mais bonito e autêntico do mundo fora do Japão” -, título concedido por ninguém menos que o ex-embaixador do Japão, Nobuo Matsunaga. O lugar que já era belo agora ganhou ainda vivacidade após a construção de uma vila cultural.

A “vila” é composta por três estruturas com telhados verdes. Com ela, o jardim de 9,1 hectares foi expandido por mais 3,4 hectares. A ideia do projeto do arquiteto japonês Kengo Kuma foi imitar as cidades que cresceram em torno de templos sagrados, chamadas de Monzenmachi.

Em conjunto com o curador do jardim, Sadafumi Uchiyama, o arquiteto colocou a natureza como ponto principal enquanto as estruturas ficaram em torno de um pátio. A ideia é de uma cidade humana integrada com o verde.

Entre os três edifícios, o maior é o “Centro de aprendizado japonês de artesanato”. Ali se concentra biblioteca, galeria, loja de presentes e uma sala de aula, que fornecem um lugar para os visitantes mergulharem nas artes e na cultura japonesa tradicional. Já o segundo edifício serve como uma espécie de casa de jardim, onde são realizadas oficinas de horticultura. Já o terceiro abriga um lugar extra para relaxar, tendo uma  bela vista para os visitantes apreciarem.

Kuma e Uchiyama introduziram centenas de novas plantas e telhados vivos para absorver a água da chuva. Para minimizar a pressão sobre o sistema de esgoto da cidade, um riacho de pedra canaliza o desperdício para um tanque de retenção, que é lentamente liberado para o esgoto. Toda a aldeia cultural é aquecida por 24 poços geotérmicos, instalados abaixo do solo, o que aumenta a eficiência energética e reduz os custos.

Mais detalhes, Vale o Clique!

Via Ciclo Vivo

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Biblioteca é projetada com inspiração nos mares para representar oceano de conhecimento






Os moradores e visitantes da cidade chinesa de Tianjin já podem mergulhar em um oceano de conhecimento. A oportunidade é uma visita à Biblioteca de Tianjin Binhai, que faz parte do projeto de um centro cultural no distrito ao lado de outros quatro edifícios desenhados por renomados arquitetos internacionais.
A construção chama a atenção por sua inspiração nos mares, com ondas de livros que emergem do piso ao topo do edifício. No coração da biblioteca, um auditório em formato de um olho esférico serve como centro e parece guiar a maneira como as estantes são dispostas dentro do espaço. Além de abrigar 1,2 milhão de livros, as estantes também servem como cadeiras e degraus para acessar os cinco níveis da construção.

O projeto foi desenhado pelos arquitetos da MVRDV em parceria com o Instituto de Design e Planejamento Urbano de Tianjin. Graças à sua estrutura inovadora, as imagens da biblioteca se tornaram virais nas redes sociais chinesas, onde foram compartilhadas milhares de vezes.

Com 33.700 m², o centro cultural já se tornou uma das principais atrações da cidade desde sua abertura, em outubro deste ano. Apesar disso, a imponente construção foi erguida em apenas três anos, um tempo recorde para um projeto desta proporção. Mesmo com tanta rapidez, as imagens da biblioteca são inspiradoras e prometem levar você a um verdadeiro mergulho no conhecimento. Vale o Clique!








Via Hypeness



quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Projeto de Lei quer tornar obrigatória a acessibilidade universal em moradias populares






Um recente Projeto de Lei (PL 6950/17) que está em tramitação na Câmara dos Deputados busca tornar obrigatório o cumprimento do desenho universal em todos os programas habitacionais públicos. O projeto propõe que os espaços possam ser utilizados pelo maior número possível de pessoas, inclusive crianças, idosos e pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

“A aplicação do desenho universal em moradias de interesse social evita a segregação da população de baixa renda no acesso a esse tipo de imóvel, atendendo à função social da propriedade”, justifica o Projeto de Lei. Proposto pelas deputadas Leandre e Mara Gabrilli, o projeto afirma que as habitações sociais devem considerar obrigatoriamente a acessibilidade como critério de construção.

Na mesma linha, Cid Torquato, secretário municipal da Pessoa com Deficiência de São Paulo, informou que nas próximas semanas a prefeitura publicará uma norma para que as calçadas e passeios atendam a requisitos mínimos de acessibilidade. Segundo Torquato, cerca de 90% das calçadas da capital paulista são de responsabilidade privada.

Via ArchDaily

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Estrutura de concreto ultra-fina e novo sistema de concretagem



Pesquisadores de materiais do Block Research Group da ETH Zurich, juntamente com os arquitetos do supermanoeuvre, divulgaram um protótipo para um sistema de cobertura sinuosa ultra-fina de concreto, com uma espessura média de apenas 5 centímetros. Usando tecnologias de projeto e fabricação digitais, a equipe pôde calcular e construir uma estrutura de casca autoportante usando o material mínimo necessário. Isso foi facilitado através do uso de um novo sistema de concretagem consistindo em uma rede de cabos de aço e um tecido de polímero tensionado em uma estrutura de andaime reutilizável.

O protótipo abrange uma área de 120 metros quadrados com uma superfície de 160 metros quadrados. A análise estrutural calculou a espessura exata do material em toda a casca, com as espessuras variando entre 3 centímetros ao longo das bordas do telhado a 12 centimetros nas superfícies de suporte cruciais.

Os pesquisadores, trabalhando no âmbito do Block Research Group, acreditam que o sistema desenvolvido para o projeto possa ser adotado rapidamente no setor de construção, pois permite um menor custo de material e uma estruturação menos invasiva - durante a concretagem da cobertura. A área abaixo permaneceu desobstruída, permitindo que o trabalho de interior continuasse simultaneamente. Em um processo de pesquisa de quatro anos, a equipe também desenvolveu uma técnica de pulverização exclusiva que permite que o concreto seja viscoso o suficiente para aderir às fôrmas enquanto permanece líquido o suficiente para ser pulverizado através de um bocal.

Esta nova tecnologia de concretagem será utilizada pela primeira vez em uma obra para uma unidade residencial planejada sobre a cobertura chamada HiLo, construída sobre o laboratório NEST em Dübendorf, na Suíça. Este projeto integrará bobinas de isolamento e aquecimento e resfriamento sobre a camada interna de concreto, sobre o qual uma segunda camada de concreto será pulverizada. A superfície superior será então revestida com uma película de células fotovoltaicas para permitir que a residência seja positiva em termos energéticos.

"Nós mostramos que é possível construir uma interessante estrutura de concha em concreto fino utilizando fôrmas leves e flexíveis, demonstrando que estruturas complexas de concreto possam ser formadas sem desperdiçar grandes quantidades de material para a construção", diz o Prof. Block, coordenador do Block Research Group. "Como desenvolvemos o sistema e construímos o protótipo passo a passo com nossos parceiros da indústria, agora sabemos que nossa abordagem funcionará em uma obra tradicional".

Mais detalhes, Vale o Clique!

Via ArchDaily

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

A 11ª Bienal de Arquitetura de São Paulo está aberta: visite as exposições





A 11ª Bienal de Arquitetura de São Paulo, que traz como tema e mote Em projeto, foi oficialmente inaugurada e conta com quatro exposições principais e outras atividades em espaços parceiros. Além da exposição o evento tem programação contínua de projetos, ações e iniciativas que tensionam as fronteiras da prática arquitetônica, promovendo o encontro entre a arte, educação, participação social e ativismo.

O evento se manifesta coerentemente com os trabalhos que compila, de modo aberto e descentralizado – tanto no espaço como no tempo –, ocupando diferentes pontos da cidade com exposições, mostras itinerantes, oficinas, intervenções e uma biblioteca.

Detalhes das exposições, locais e horários, Vale o Clique!

Via ArchDaily

sábado, 11 de novembro de 2017

Célula transparente pode transformar janelas em painéis solares




A tentativa mais recente é assinada por pesquisadores da Universidade Estadual de Michigan. Eles desenvolveram um tipo de célula solar que pode ser aplicada em janelas, vidros de carro e outros objetos. A técnica garante boa absorção dos raios solares, e pode ser tão eficiente quanto a versão mais convencional, instalada no topo das casas.

Quando posicionado em objetos vítreos, o dispositivo é capaz de gerar energia. A célula solar transparente se parece com um pedaço de vidro, e usa moléculas orgânicas desenvolvidas pelos próprios cientistas para absorver comprimentos invisíveis de luz solar. O material é ajustado para captar ondas no campo do ultravioleta e do infravermelho, convertendo depois essa energia em eletricidade, graças a pequenos filamentos de células fotovoltaicas presentes no seu interior.

É por conta disso que não há perda nenhuma de visibilidade — já que nenhum humano consegue ver acima do ultravioleta ou abaixo do infravermelho. Ou seja, você não perderá a luz do sol dentro de casa enquanto estiver produzindo energia. Além disso, veículos elétricos podem usar os novos painéis para alimentar seus equipamentos internos, e eletrônicos podem estender a vida útil de suas baterias durante as horas de sol.

De acordo com Richard Lunt, que liderou os experimentos, as células solares transparentes registraram eficiência na casa dos 5%. A efeito de comparação, a eficácia de painéis tradicionais fica entre 15 e 18%. A principal diferença entre os dois, no entanto, é a possibilidade de se aplicar a cobertura transparente em uma área maior e mais diversa. Os pesquisadores estimam que, se aplicada em todas as superfícies de vidro estimadas nos Estados Unidos, o dispositivo poderia criar energia suficiente para gerar 40% da demanda do país.

“É para isso que estamos trabalhando”, disse Lunt, em comunicado. “As aplicações de energia solar mais tradicionais foram pesquisadas durante as últimas cinco décadas, enquanto nós trabalhamos nessa nova versão há apenas cinco anos. Acreditamos que a tecnologia oferece um caminho promissor para a adoção de energia solar barata e acessível, em escala que, até agora, é completamente fora da realidade.”

Você pode ver uma dessas células solares transparentes em ação no vídeo abaixo. O estudo foi publicado no Nature Energy. Vale o Clique!

Via Exame

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Impressora 3D projetada especialmente para arquitetos

Platonics Ark: The first 3D printer for architects from Platonics on Vimeo.


Você, por acaso, já passou horas calibrando o bocal de uma impressora 3D ou preparando um arquivo para impressão, para depois descobrir que o modelo deu errado devido a uma parede sem espessura? Com isso em mente, a Platonics Ark - uma impressora 3D atualmente em desenvolvimento em Helsinque, na Finlândia - tem um objetivo simples: remover todos os processos desnecessários de configuração e técnica por meio de automação inteligente e, assim, reduzir muito o tempo que arquitetos e designers passam calibrando as impressoras ou ajustando os arquivos para exportar.

Platonics afirma reduzir o tempo de pré-processamento de horas a minutos; a própria impressora é autolimpante e auto-calibrada, com um desenho modular que "poupa o usuário da limpeza e manutenção de peças entupidas". De acordo com a empresa, passar do arquivo CAD para os arquivos STL para impressão não requer mais que quatro etapas com o software, que se conecta diretamente ao Archicad, Revit, Rhino, Vectorworks e Sketchup. Única entre outras impressoras 3D atualmente no mercado, o arquivo é enviado à impressora por meio de um aplicativo web intuitivo.

Ao se envolver com escritórios da Finlândia e outros países, a equipe da Platonics  afirma ter tido 1.027 reuniões com arquitetos durante o desenvolvimento dos protótipos da impressora Ark. Além disso, a empresa dedicou um longo período aos testes com os escritórios JKMM Architects, Lunden, Soro Arquitetos, Verstas Arquitetos e Studio Puisto. Para Samuli Woolston, do ALA Architects, "não há nada como um modelo físico para explicar uma forma". Usando a impressão 3D como ferramenta para desenvolver formas complexas por mais de uma década, "o desafio para nós é a quantidade de horas que nossa equipe gasta em manutenção e pré-processamento".

Se este dispositivo está tentando recuperar o modelo do croqui "imediato" na prática arquitetônica, ele conta com uma vantagem distinta: além de materiais convencionais de impressão, também pode trabalhar com "madeira, terracota, argila, granito, concreto, cobre e bronze."

A impressora Platonics Ark já está disponível para encomenda através da plataforma Indiegogo. De acordo com a empresa, o envio dos produtos para os apoiadores deve começar em abril de 2018, e a produção em grande escala deverá ser lançada em maio de 2018.

Via ArchDaily

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

EXPODERIVA CAMPINAS 2017 - Priscila Pires

Campinas!


Campininha das Flores, bela, resguarda o passado do presente na era digital. Desmistificada pelo flaneurismo tímido e perdido, encanta nos olhares o que há por trás de placas e outdoors. Velhos telhados, ripas e caibros o antigo em contraste com o novo. Bairro moderno, de Avenida expressa, com fios costurados uns aos outros, revela o sentido de pertencer dos moradores contadores de histórias de um antigo passado recente de uma pequena grande cidade chamada Campinas.

Priscila Pires




Novas imagens do edifício mais alto do Brooklyn são divulgadas

O edifício Brooklyn Point projetado pelo escritório Kohn Pederson Fox será em breve a torre mais alta do famoso bairro homônimo de Nova Iorque. O arranha-céu de uso misto é o último projeto do enorme empreendimento chamado City Point.

Após um período de três anos de projeto, a construção da Brooklyn Point teve início neste verão; só agora que a Extell está liberando os detalhes da torre em uma nova imagem que mostra toda a extensão da fachada.

A esquadria marcada a cada dois pavimentos forma um relevo escultórico na fachada, acentuado pela inclinação no coroamento do edifício. A luz refletida no edifício criará padrões das sombras sobre as cortinas dos espaços internos, enfatizando os quadros e a silhueta da torre.

O arranha-céu contará com 458 residências, que vão desde estúdios a apartamentos de luxo de três quartos ao longo de seus 68 pavimentos, que serão vendidos a partir de US$ 840 mil chegando a US$ 4 milhões.

Sem dar muitas informações, a Extell confirmou que os 4 mil metros quadrados de  serviços e comércios incluirão "grandes áreas de entretenimento" e "ofertas incomparáveis". O arranha-céu se localiza na 1 City Point (anteriormente 138 Willoughby Street) para que os moradores também possam desfrutar de Willoughby Square, um parque em construção nas proximidades.

Os projetos da KPF sempre ostentaram exuberância e ambição, entre os quais está a Lotte World Tower, edifício mais alto da Coréia do Sul e 5° mais alto do mundo. Outros edifícios também conquistaram títulos por seus gabaritos, entre eles o One Bayfront Plaza, torre mais alta de Miami, e o One Vanderbilt, segundo mais alta da cidade de Nova York.

Via ArchDaily

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

EXPODERIVA CAMPINAS 2017 - Bruno Miranda






Confira as belas fotografias do nosso derivante Bruno Miranda.

Se você participou e ainda não enviou, corre lá que dá tempo.

Envie-nos 5 fotografias e um breve depoimento relatando como foi a experiência com a Deriva do Bem. Nosso e-mail é: derivadobem@gmail.com




Inaugurada em Chicago a mais nova loja-conceito da Apple

Foi inaugurada a mais nova loja da Apple no coração de Chicago, a primeira de uma nova geração que está por vir. Projetada por Foster + Partners, o novo estabelecimento emprega o conceito de "Praça de Mercado" já utilizado pela gigante tecnológica, subvertendo a experiência do espaço comercial típico em favor de uma abordagem mais inclusiva.

"A primeira loja principal da Apple foi aberta justamente em Chicago em 2003, na North Michigan Avenue. De volta à cidade, a Apple está inaugurando agora a primeira de uma nova geração de lojas-conceito da Apple", disse Angela Ahrendts, vice-presidente sênior do setor comercial da Apple. "A Apple Michigan Avenue representa a nova visão da empresa, onde todos são bem-vindos para experimentar todos os nossos incríveis produtos, serviços e programas educacionais inspiradores no coração de sua cidade. Estamos ansiosos para receber as pessoas no fim de semana da abertura e então, inaugurar o 'The Chicago Series' com todos nossos incríveis parceiros na próxima segunda-feira".

A Apple desenvolveu um trabalho colaborativo com a cidade de Chicago para encontrar o local perfeito, que pudesse impactar positivamente e contribuir com a revitalização das margens do rio Chicago. Seu acesso através da histórica praça de Chicago, Pioneer Court (adjacente ao edifício Chicago Tribune), o edifício cria um novo link entre a cidade e o rio, tornando-se parte da paisagem.

"A idéia principal do projeto, desde o início, foi criar uma conexão entre as duas paisagens - conectado-as através de uma praça que desce gentilmente até a beira do rio", disse Stefan Behling, sócio executivo sênior da Foster + Partners.

Dando continuidade a linguagem arquitetônica utilizada no Auditório Steve Jobs da Apple Park, a Apple Michigan Avenue emprega um sistema de fachada extremamente transparente, desfocando a linha entre o interior eo exterior. A cobertura em forma de Macbook com pouco mais de 1000 metros quadrados foi construída em fibra de carbono, sua espessura mínima permite que ela pareça flutuar acima da fachada de vidro de 9.75 metros de altura, apoiando-se apenas nos quatro pilares interiores. Mais detalhes, Vale o Clique!

Via ArchDaily

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Quatro universidades brasileiras entre as dez melhores da América Latina

Em um recente levantamento realizado pela companhia britânica Quacquarelli Symonds, especializada em educação e pesquisa, quatro universidades brasileiras figuram entre as dez melhores da América Latina. A instituição que lidera a lista é a Pontifícia Universidade Católica do Chile.

Entre as instituições brasileiras, a melhor colocada é a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que ocupa o segundo lugar geral e pela primeira vez ultrapassou a Universidade de São Paulo (USP), classificada em terceiro lugar. A  Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) ocupa a sétima posição, enquanto que a Universidade Estadual Paulista (Unesp) ficou com o décimo lugar.

“Outras escolas de ensino superior do Brasil também ficaram mais próximas do top 10, como a Universidade Federal de Minas Gerais, que passou do 14ª para o 11ª lugar, a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, da 15ª para a 13ª, e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, da 16ª para a 14ª posição”, afirmou Ben Sowter, diretor de pesquisa da QS. As instituições brasileiras dominaram, de modo geral, o levantamento, disse Sowter, com 83 das 385 universidades analisadas.

A pesquisa da QS avalia o desempenho de cada instituição a partir de sete indicadores que incluem, entre outros, reputação acadêmica, reputação entre empregadores e citações em artigos acadêmicos.

Veja a lista completa das 10 melhores universidades da América Latina, a seguir:

1. Pontifícia Universidade Católica do Chile (UC)
2. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
3. Universidade de São Paulo (USP)
4. Universidade Nacional Autônoma do México (Unam)
5. Instituto Tecnológico de Estudos Superiores de Monterrey
6. Universidade do Chile
7. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
8. Universidade dos Andes
9. Universidade de Buenos Aires
10. Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Via archDaily