terça-feira, 10 de julho de 2018

DF inaugura prédio para ex-moradores de rua morarem

“O governo faz políticas públicas sem pensar nas pessoas. Enquanto não fizer projetos olhando para quem vem de baixo, para os próprios beneficiados, nada vai dar certo”. A frase é do educador social Rogério Soares – ou Barba, como ficou conhecido durante os vários anos em que morou na rua.

Quatro anos depois de sair das calçadas, ele dedica sua vida a prestar consultoria para órgãos responsáveis por criar e implementar políticas públicas em prol dos sem-teto. E começa a colher os primeiros frutos!

Em parceria com a Codhab (Companhia de Desenvolvimento Habitacional) do Distrito Federal, ele desenvolveu um projeto inédito na região: um prédio construído exclusivamente para abrigar ex-moradores em situação de rua. Por recomendação de Barba, o prédio fica a um quarteirão dos comércios e rotas de ônibus da região e ainda conta com um centro de apoio bem ao lado, que oferece cursos de capacitação e serviços de assistência social. Tudo para dar suporte aos moradores!

Ao todo, o prédio conta com 12 quitinetes que comportam duas pessoas cada. Casais e/ou pessoas solteiras com só um filho, que não possuem nenhuma dependência química, foram o público-alvo do projeto-piloto. O prédio, no entanto, foi propositalmente construído em uma área ainda pouco populosa do Distrito Federal. Assim, se a iniciativa for um sucesso, é possível erguer outros edifícios do tipo no local, dando forma a uma grande comunidade.

A moradia é oferecida gratuitamente aos ex-moradores em situação de rua, que após dez anos residindo no local, já estabilizados, passam a pagar o IPTU da quitinete. Caso queiram se mudar antes, o benefício é automaticamente transferido para outra pessoa que esteja na lista da Codhab. Até o momento, o órgão já mapeou 120 pessoas aptas a receber o benefício que vivem em situação de vulnerabilidade social no Distrito Federal.

Via The Greenest Post

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são bem vindos.
Desde que não sejam comentários anônimos.