domingo, 7 de outubro de 2018

Favelas: devemos continuar chamando-as assim?

Pesquisa preveem que a demanda por abrigo em ambientes urbanos continuará crescendo, talvez indefinidamente, e que até o ano de 2050, mais de dois terços da população mundial viverá nas cidades. Com isso em mente, não seria este o momento de reavaliar a maneira como falamos sobre diferentes formas de urbanização?

As conotações negativas da palavra "favela" são evidentes. Mas além do tom prescindível, o termo também é inadequado.

Ao usar termos genéricos para questões reais que resultam em assentamentos informais, perdemos a oportunidade de destacar problemas específicos de cada cidade, população e mesmo as particularidades da legislação que causam ou evitam mudanças.

O ArchDaily já empregou o termo da maneira que aqui, agora, questiona. Não seria o momento de reconsiderar o modo como falamos de assentamentos informais? Muitos profissionais já voltaram sua atenção e esforços para as "favelas" com as melhores intenções, aprofundando-se em pesquisas e projetos inspiradores. Mas tais resultados podem mesmo oferecer uma solução quando eles próprios são originados a partir de um termo impreciso e marginalizador?

Via ArchDaily

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são bem vindos.
Desde que não sejam comentários anônimos.