sábado, 24 de novembro de 2018

Desenhando na estrada: a história das viagens do jovem Le Corbusier pela Europa




Voyage Le Corbusier, de Jacob Brillhart, coleciona pela primeira vez um compêndio de croquis e aquarelas de Charles-Edouard Jeanneret - um jovem estudante que se tornaria o arquiteto modernista influente, Le Corbusier. Entre 1907 e 1911, ele viajou pela Europa e pelo Mediterrâneo carregando uma série de equipamentos de desenho e documentando tudo o que viu: ruínas clássicas, detalhes de interiores, paisagens vibrantes e as pessoas e objetos que os povoavam.

Le Corbusier era um arquiteto progressista profundamente radical, um futurista que era igualmente e fundamentalmente enraizado na história e na tradição. Ele era intensamente curioso, constantemente viajando, desenhando, pintando e escrevendo, tudo na busca de se tornar um arquiteto melhor. Como resultado, ele encontrou maneiras intelectuais para conectar seus fundamentos históricos com o que aprendeu com seus contemporâneos. Cresceu desenhando a natureza para copiar a pintura italiana do século XIV para, depois, liderar o movimento purista que influenciou grandemente a pintura e a arquitetura francesas no início dos anos 20. Todo o tempo, fazia conexões entre natureza, arte, cultura e arquitetura que eventualmente lhe deram uma base para pensar sobre projeto.

Para aprender com a pesquisa criativa de Le Corbusier e ver como ele evoluiu como arquiteto, é preciso entender onde ele começou. Ele nunca frequentou uma universidade ou se matriculou formalmente em uma escola de arquitetura. Sua formação arquitetônica foi em grande parte auto-imposta e fortemente influenciada pelos ensinamentos de seu professor de ensino secundário Charles L'Eplattenier, que lhe ensinou os fundamentos do desenho e das artes decorativas na École d'art em sua cidade natal de La Chaux- de-Fonds, na Suíça. Após a formatura de Jeanneret no ensino secundário em 1907, L'Eplattenier o encorajou a deixar para trás as paisagens rurais e ampliar sua visão de mundo fazendo uma viagem pelo norte da Itália. Essa pedagogia de aprender a desenhar e aprender através da experiência foi provavelmente influenciada pela longa tradição do Grand Tour, um rito de passagem para os aristocratas europeus. A viagem foi considerada necessária para expandir a mente e a compreensão do mundo. Arquitetos, escritores e pintores aproveitaram a ideia, seguindo um itinerário padrão pela Europa para ver monumentos, antiguidades, pinturas, paisagens pitorescas e cidades antigas.

Mais detalhes, Vale o Clique!

Via ArchDaily


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são bem vindos.
Desde que não sejam comentários anônimos.