quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Burle Marx ganha exposição no MUBE

Se existiu algum artista completo nesse país, o nome dele era Roberto Burle Marx ( ao lado de Geraldo de Barros!).  Filho de pai alemão e mãe pernambucana, ele começou a colecionar plantas quando tinha apenas sete anos de idade e formou-se  em artes plásticas e arquitetura em 1993. Foi para Berlim estudar e a saudade ajudou a aumentar ainda mais o seu interesse pela flora brasileira de forma antropófoga. Unindo arte e ciência, ele se destacou como um dos nossos maiores paisagistas contrapondo formas orgânicas abstratas à rígida geometria da arquitetura virando referência, ainda, em causas ambientais - Burle Marx criticou, por exemplo, a derrubada de árvores para a construção de estradas pelo país nos anos 1970.

Parece inevitável e coerente, então, uma mostra dedicada às suas múltiplas facetas do artista no MUBE. Vale lembrar que o museu foi idealizado como “Museu Brasileiro da Escultura e Ecologia ” e tem seu jardim projetado por Burle Marx. Quem visitar Burle Marx: arte, paisagem e botânica  poderá conferir 70 trabalhos, entre desenhos, pinturas, esculturas, tapeçarias, peças de design, projetos paisagísticos e registros de espécies botânicas e de expedições científicas que realizou ao longo da vida.

"Paulo Mendes da Rocha e Burle Marx, a quem coube a questão da ecologia do MuBE, idealizaram um museu integrado com o bairro, que já é um jardim, o Jardim Europa. Ele integra o projeto justamente com a ideia de dar conta desse aspecto que está na origem da instituição. Cidade e natureza estão em diálogo constante em sua obra", comenta o curador Cauê Alves.  De fato, sem dúvidas, a área externa no museu é um dos melhores presentes que Burle Marx deu à cidade de São Paulo e vale ver o primeiro estudo do jardim que não foi aplicado e será apresentado em tamanho real, ocupando toda a área externa do museu durante o período da exposição.

Entre os projetos particulares assinados pelo paisagista, está a casa de Ema Klabin, na frente do museu, que hoje é um espaço cultural e terá as portas abertas durante o período da exposição como uma extensão da mostra.

No núcleo de arte, é interessante ver telas que vão desde realismo figurativo à abstração informal - caso do óleo sobre tela Mangue azul (1963). Não deixe de buscar, ainda, pela pintura sobre o tecido de uma toalha de mesa e as tapeçarias de lã. Há também um núcleo de obras de artistas contemporâneos influenciados ou que dialogam com ele, como a britânica Margaret Mee, que se especializou em plantas da Amazônia, e o brasileiro Caio Reisewitz, que retrata o jardim berlinense que despertou no paisagista o olhar apurado para a flora tropical. Uma viagem imperdível.

Serviço
Burle Marx: arte, paisagem e botânica
Local: MuBe - Museu Brasileiro da Escultura e Ecologia
Abertura: 15 de dezembro, sábado, das 10h às 18h
Endereço: Rua Alemanha, 221, Jardim Europa, São Paulo
Período expositivo: 8 de dezembro a 17 de março
Visitação: de terça-feira a domingo, das 10h às 18h
Mais informações: www.mube.space

Via Casa Vogue


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são bem vindos.
Desde que não sejam comentários anônimos.