domingo, 19 de maio de 2019

Objetos desconstruidos e dispostos lado a lado

O fotógrafo canadense Todd McLellan cresceu em uma casa de técnicos e engenheiros e recebeu grandes influências para desconstruir objetos do cotidiano. Em sua série ainda em curso, “Things Come Apart”, é composta por objetos que variam de objetos que variam de bicicletas para moedores de café e câmeras e até um banheiro. Cada item é meticulosamente desconstruído e suas partes estão dispostas em um arranjo elegante, esteticamente satisfatório, criando imagens abstratas de itens técnicos. A série do fotógrafo permite que ele combine sua paixão pela imagem e ainda matar sua curiosidade de entender como as coisas funcionam de dentro. Entre seus trabalhos mais intensos envolveu um piano, que levou cinco dias para desmontar e organizar. Vale o Clique!

Via Zupi


sábado, 18 de maio de 2019

ABDI e Ministério da Indústria lançam a maior biblioteca pública BIM do mundo

Não mais o futuro, o sistema BIM já é efetivamente o presente da arquitetura e da construção civil no Brasil e no mundo. A sigla advém da expressão Building Information Modelling - ou, em português, Modelagem da Informação da Construção - e consiste em um sistema de representação digital das características físicas e funcionais de um projeto, possibilitando o "uso integrado de informações relativas a cada obra."

Muito embora o setor brasileiro da construção civil mostre ainda defasagem se comparado às industrias da Europa, sudeste asiático ou da América do Norte, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) deu um importante passo em direção a um futuro mais eficiente. Em parceria com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, lançou a Plataforma BIMbr com centenas de famílias e elementos BIM, disponíveis para variados softwares.

Gratuita, a biblioteca BIM, anunciada pela ABDI como a "maior biblioteca pública BIM do mundo", conta com elementos construtivos discriminados por categoria, subcategoria, software e outras características, e permite o download mediante inscrição no site. Além dos modelos, a plataforma disponibiliza também guias, normas e manuais relacionados ao sistema BIM, também disponíveis gratuitamente para download.

Alinhada com a Estratégia Nacional de Disseminação do BIM (Estratégia BIM BR), decretada pelo governo federal em 17 de maio de 2018, a Plataforma BIMbr busca fomentar o uso de processos BIM "por órgãos públicos, instituições, organizações privadas e profissionais da Arquitetura, Engenharia e Construção por meio de objetos condizentes com a realidade do mercado e com critérios de qualidade definidos." Mais detalhes, Vale o Clique!

Via ArchDaily

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Edifício em São Paulo é eleito um dos melhores do mundo

O edifício Forma Itaim, na Vila Nova Conceição, Zona Sul de São Paulo, aparece na lista dos melhores prédios mais altos do mundo em 2019. Ele venceu na categoria abaixo de 100 metros de altura, na eleição do Conselho de Edifícios Altos e Habitat Urbano (CTBUH, na sigla em inglês), fundado em 1969 em Chicago.

Segundo o "Daily Mail", o Forma Itaim foi "construído para satisfazer a demanda de classe média da cidade por imóveis residenciais". E sua "fachada peculiar, com revestimento de terracota e revestimento duplo de alumínio perfurado", ajudou-o a conquistar o prêmio de melhor edifício abaixo dos 100 metros. Os juízes também ficaram impressionados com a forma como o edifício estabeleceu uma "conexão significativa com o habitat urbano ao redor".

Não é a primeira vez que o Forma Itaim é premiado. No ano de sua inauguração, em 2017, vieram os Prêmios Pini na categoria Melhor Edifício Residencial, o Talento Engenharia Estrutural e o Central & South America Property Awards Development.

O primeiro projeto residencial do espanhol Fermín Vázquez, do escritório de arquitetura b720, no Brasil oferece studios de 45m², com uma vaga de garagem, ou de 1 suíte com 90 m², com duas vagas. Quem mora por lá fica próximo às avenidas Faria Lima e Juscelino Kubitschek, onde há shoppings, bares e todo um comércio instalado.

Uma enorme torre de escritórios de São Francisco foi nomeada o melhor edifício do mundo na categoria geral: a Salesforce Tower, de 326 metros de altura. O Conselho distribui os prêmios todos os anos aos edifícios que acredita terem sido projetados de forma criativa e que melhorem as cidades.

Via Casa Vogue

quinta-feira, 16 de maio de 2019

I. M. Pei morre aos 102 anos

O arquiteto Ieoh Ming Pei, conhecido como I. M. Pei, faleceu hoje, dia 16 de maio de 2019, aos 102 anos, conforme relatado pelo The New York Times.

Nascido em Suzhou, China, I.M. Pei cresceu em Hong Kong e Shanghai antes de mudar-se aos Estados Unidos para estudar arquitetura. Recebeu sua licenciatura em 1940, quando a segunda guerra chino-japonesa o obrigou a abandonar seus planos de regressar a seu país de origem. Isso o permitiu descobrir a Escola de Graduados em Projeto de Harvard, onde trabalhou com Walter Gropius e Marcel Breuer.

Pei fundou seu próprio escritório em 1955, conhecido como I.M. Pei & Associates (mudando seu nome para Pei & Partners em 1966 e finalmente para Pei Cobb Freed & Partners em 1989). Em seis décadas de trajetória, sua obra mais conhecida é provavelmente a ampliação do vidro do Louvre em Paris. Em 1990, Pei aposentou-se da prática arquitetônica em tempo integral, reduzindo progressivamente sua carga de trabalho nas décadas seguintes.

Conhecido por sua arquitetura moderna e pelo uso de formas geométricas simples, como triângulos, círculos e quadrados, Pei rejeitou as implicações do globalismo inerente ao "estilo internacional", defendendo o desenvolvimento contextual e variações de estilos. Em uma viagem à China em 1974, ele inclusive pediu aos arquitetos chineses que olhassem mais à sua tradição arquitetônica, em vez de projetar em um estilo ocidental.

Via ArchDaily

Edifício em São Francisco ganha prêmio de melhor arranha-céu do mundo

Um prédio de 326 metros e 61 andares em São Francisco, nos Estados Unidos, foi considerado o melhor arranha-céu do mundo pelo Conselho de Edifícios Altos e Habitat Urbano (CTBUH). O Salesforce Tower, da Pelli Clarke Pelli Architects, foi reconhecido pelas suas iniciativas sustentáveis, eficiência estrutural e um nível significativo de integração com o habitat urbano circundante. A premiação ocorreu em Shenzhen, na China.

Outros 20 prédios foram premiados em categorias individuais, que contemplavam diferentes faixas de altura. Na categoria dos prédios com menos de 100 metros, ganhou o brasileiro Forma Itaim, localizado  na Vila Nova Conceição, Zona Sul de São Paulo, que “destaca-se por sua variedade de tratamentos de fachada, com um revestimento de terracota revestido com cores vibrantes e um revestimento duplo de alumínio perfurado.”

Os juízes também ficaram impressionados com a forma como o edifício paulistano estabeleceu uma "conexão significativa com o habitat urbano ao redor".

O primeiro projeto residencial do espanhol Fermín Vázquez, do escritório de arquitetura b720, no Brasil oferece studios de 45m², com uma vaga de garagem, ou de 1 suíte com 90 m², com duas vagas.

Quem mora por lá fica próximo às avenidas Faria Lima e Juscelino Kubitschek, onde há shoppings, bares e todo um comércio instalado.

Além dele, também foram premiados edifícios nas categorias de 100 a 199 metros; 200-299 metros; 300-399 metros, e com mais de 400 metros.

Via Casa Vogue

quarta-feira, 15 de maio de 2019

Concurso de Ideias – Vale do Rio Jundiaí – SP

Concurso de Nacional de Ideias com o objetivo de selecionar a melhor ideia urbanística, paisagística, arquitetônica e infraestrutural para o Vale do Rio Jundiaí, no trecho mais urbanizado do município de Jundiaí / São Paulo.

Podem participar: Profissionais, nos termos do regulamento.

29/06/2019 – Prazo final para inscrições e envio das propostas
15/07 a 02/08/2019 – Julgamento
05/08/2019 – Resultado

Para mais detalhes sobre o concurso, premiações e inscrições, Confira!

Via Concursos de Projeto

Renzo Piano projeta hospital em Uganda com paredes de taipa de pilão

O escritório Renzo Piano Building Workshop divulgou novas imagens da construção de seu Centro de Cirurgia Infantil Emergencial em Uganda. Desde sua concepção em 2013, o projeto procurou atender as exigências práticas do programa hospitalar com um projeto que fosse "racional, tangível, moderno, belo e firmemente ligado à tradição."

O projeto de Piano busca se tornar um símbolo da importância da promoção da saúde em Uganda e na África. Adequando-se à topografia do local, as paredes e os caminhos formam terraços sobre os quais está sendo erguido o hospital. Paredes de terra criam uma unidade entre o lago, parque e ambiente hospitalar interno, resultando em uma "continuidade espacial entre interior e exterior."

Para construir o hospital, a equipe está empregando a técnica taipa de pilão, que não apenas reutiliza o solo escavado, mas também ressignifica uma técnica que é “associada pela maioria das pessoas a um passado de pobreza que precisa ser esquecido”. A técnica usa uma mistura de terra, areia, cascalho e água que é comprimida dentro de formas de madeira ou metal. O material disponível no local dispensa o uso de cimento ou de trabalhadores especializados.

Nascido da terra, o hospital receberá sua energia do sol, com 9.800 metros quadrados de painéis fotovoltaicos garantindo que o edifício disponha de eletricidade durante todo o dia. A cobertura fotovoltaica “flutua” acima do edifício, garantindo também sombra para o hospital e caminhos descobertos.


Via ArchDaily


terça-feira, 14 de maio de 2019

Concurso de Ideias - Imagine Parque Minhocão [Projetar.org 031]

Em 2018 a Prefeitura de São Paulo sancionou a Lei 16.833, que estabelece a criação do Parque Municipal do Minhocão e, consequentemente, a gradativa desativação da função viária do Elevado João Goulart. Este ato, bem como a sucessão de acontecimentos que nele culminou, nos inspira a refletir não somente sobre o futuro da mobilidade em nossas cidades  ̶  cada vez mais sensível às questões sociais, mas principalmente sobre a demanda urgente da população por mais espaços de lazer em meio ao caos urbano contemporâneo.

Partindo desse cenário, o 31º concurso de ideias do Projetar.org convida acadêmicos e jovens profissionais a pensar como seria o Parque Minhocão  ̶  um parque linear localizado no coração da cidade de São Paulo, que ofereça pleno acesso à população durante todo o ano.

Este concurso é uma oportunidade para que cada acadêmico e jovem profissional possa refletir sobre o futuro das grandes cidades e também sobre a reutilização de estruturas urbanas que eventualmente percam seu uso inicial.

Neste concurso especial, contamos com a parceria da Associação Parque Minhocão e com o patrocínio do Bar da Dona Onça, Casa do Porco, Hot Pork e Magik JC, que, subsidiaram parte do custo das inscrições, tornando a participação mais acessível aos jovens profissionais.

Como esta discussão transcende o campo da arquitetura englobando urbanismo, paisagismo e outras frentes, podem participar do Concurso acadêmicos e recém-formados de todas as áreas, formando equipes de até 5 integrantes, sendo necessariamente o líder da equipe acadêmico ou recém-formado em arquitetura e/ou urbanismo.

Prazo final para inscrição das equipes  é 24/06/2019. Mais detalhes, Vale o Clique!

Via Projetar.org

Notre-Dame terá catedral provisória durante período de reconstrução

O reitor da catedral de Notre-Dame, Patrick Chauvet, anunciou que um templo provisório será erguido no local para receber fiéis e turistas nos próximos anos. Atingido por um incêncio de grandes proporções, o monumento histórico passará por um longo trabalho de reconstrução "que levará anos", conforme prometeu Emmanuel Macron, presidente da França.

Em entrevista à emissora francesa CB News, Patrick Chauvet revelou que, durante o período de obras, os visitantes serão recebidos em uma "catedral efêmera" de madeira, a ser construída na praça em frente ao local do incêndio. "Não será necessário dizer que a catedral ficará fechada por cinco anos", declarou.

O reitor da catedral disse ainda que busca garanir aos fiéis e turistas um "ambiente de consolo". Abrigando sacerdotes e fiéis, o templo provisório também receberá uma parte dos visitantes. "Quero um lugar agradável, um lugar que seja um pouco simbólico, que atraia", disse o religioso. A catedral de Notre-Dame costumava receber cerca de 13 milhões de turistas por ano.

Anne Hidalgo, prefeita de Paris, manifestou apoio ao projeto e concordou em disponibilizar parte da esplanada à Igreja para uma estrutura de madeira. Segundo Chauvet, as obras da catedral provisória terão início assim que a esplanada for liberada pelas autoridades.

Via Casa Vogue

segunda-feira, 13 de maio de 2019

Em breve será possível se hospedar no Rockefeller Center, em Nova York

Inaugurado em 1933, o Rockefeller Center foi concebido por John D. Rockefeller como um presente para Manhattan e seus moradores, e logo se tornou um dos complexos imobiliários mais emblemáticos de Nova York. Apesar de reunir lojas das principais grifes e apartamentos residenciais de alto padrão, o local nunca contou com hotéis e estadias dentro do próprio empreendimento, o que levou muitos turistas a se hospedarem nas ruas próximas.

Isso, no entanto, está prestes a mudar. Segundo o Wall Street Journal, o Airbnb criará 200 quartos exclusivos espalhados por 10 dos 75 andares do Rockefeller Plaza. Disponíveis para aluguel apenas no serviço de hospedagens, as acomodações ficarão nos andares mais altos do edifício.

Com o objetivo de atrair mais turistas, os quartos contarão com uma vista panorâmica para a catedral de San Patrick, o Empire State e a famosa pista de patinação do gelo, montada especialmente para as festas de fim de ano.

Feitas em parceria com a rede RXR Realty, uma das principais empresas imobiliárias de Nova York, as acomodações do estilo apartamento terão suítes de alto padrão e uma cozinha previamente abastecida. O diferencial será o modo de operação, mais próximo ao de um hotel, com lobby dedicado, bar, centro de convenções e até um novo restaurante construído no terreo do edifício.

Prazos de inauguração e mais detalhes sobre os interiores das acomodações no Rockefeller Center ainda não foram divulgados pelo Airbnb.

Via Casa Vogue

sexta-feira, 10 de maio de 2019

Projeto de habitação de interesse social em Frankfurt explora a tipologia de terraços

A recente parceria entre os holandeses do NL Architects e os arquitetos do STUDYO, escritório com sede em Colônia, acaba de render o mais novo projeto de habitação de interesse social na cidade Frankfurt. O empreendimento foi concebido para o próspero distrito de Hilgenfeld, no vale do rio Nidda, na Alemanha. Apelidado de Terrace House, o conjunto habitacional foi projetado para incentivar as trocas interpessoais e celebrar a vida em comunidade. Pensando nisso, os espaços do projeto se desenvolvem a partir de um pátio coletivo, para onde se voltam as varandas verdes e escalonadas da Terrace House.

O NL Architects em parceria com os arquitetos do STUDYO, escritório com sede em Colônia, acaba de desenvolver um projeto de habitação de interesse social na cidade Frankfurt. O empreendimento foi concebido para o próspero distrito de Hilgenfeld, no vale do rio Nidda, na Alemanha. Apelidado de Terrace House, o conjunto habitacional foi projetado para incentivar as trocas interpessoais e celebrar a vida em comunidade. Pensando nisso, os espaços do projeto se desenvolvem a partir de um pátio coletivo, para onde se voltam as varandas verdes e escalonadas da Terrace House.

A equipe de projeto definiu a sua proposta através das seguintes palavras: "ao criar estes pequenos pátios suspensos em frente a cada um dos apartamentos, o edifício deixa de ser um objeto isolado da paisagem e passa a ser uma extensão dela. Estes pequenos jardins podem ser usados para muitas finalidades, desde uma simples área de descanso até uma pequena horta, um lugar onde os moradores podem tomar seu café da manhã no verão e conversar com seus vizinhos." Além destas varandas contínuas vinculadas com o parque, o edifício conta com um acesso direto à área verde em frente. Inspirado pelo famoso projeto de Ernst May construído entre 1927 e 1929 em Frankfurt, o Siedlung Römerstadt, a Terrace House fornece à seus moradores a propriedade comum do terreno - um espaço onde eles podem se reunir ou cuidar do jardim enquanto seus filhos brincam no parque.

O programa solicitado aos arquitetos exigia uma grande variedade de tipologias de apartamentos. Diferentes arranjos que pudessem atender a uma maior variedade de composições familiares, algo que pudesse contribuir diretamente com a diversidade econômica e social das famílias residentes. Ao combinar apartamentos de diferentes metragens, todos com seus terraços individuais na fachada, o edifício se torna uma expressão de sua própria diversidade. A área de convívio dos apartamentos foi concebida como um grande espaço integrado e flexível que se extende da entrada junto à fachada leste até o terraço na fachada oeste. As áreas molhadas foram organizadas junto a um núcleo de serviço central e vertical, o qual permite organizar as unidades para um ou para o outro lado. Os apartamentos menores também contam com uma ampla área de estar, favorecendo os espaços de convívio para que as pessoas possam se reunir, contribuindo com o sentimento de pertencimento à comunidade da Terrace House.

Via ArchDaily

quinta-feira, 9 de maio de 2019

Grandes edifícios de Nova York serão obrigados a cortar 80% de suas emissões

A cidade de Nova York acabou de aprovar um projeto de lei para reduzir as emissões de carbono. A maioria esmagadora de vereadores votaram a favor de uma lei histórica, chamada de Lei de Mobilização Climática, que reduzirá as emissões de edifícios com mais de 2.322 metros quadrados em 80% nos próximos 30 anos.

A parte mais significativa do projeto exigirá que esses edifícios reduzam as emissões de carbono em 40% na próxima década. Até 2050, esses edifícios terão que reduzir as emissões em 80%, reduzindo a poluição do ar na Big Apple. Que não cumprir pode ser multado.

Edifícios desse tamanho, incluindo a Trump Tower, representam uma pequena parte da cidade, porém causam cerca de metade da poluição relacionada ao uso de edifícios.

A nova lei vem na esteira de um estudo do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que relacionou as emissões dos edifícios à mudança climática. Pesquisadores do IPCC concluíram que as emissões de carbono nos Estados Unidos cresceram mais 3% em 2018. Os grandes edifícios foram um dos principais contribuintes para o salto nas emissões, sendo assim, o estudo exigiu restrições mais rígidas no setor da construção.

A nova iniciativa da cidade de Nova York ajudará, sem dúvida, a diminuir esses números. O plano também criará empregos para milhares de nova-iorquinos. Os legisladores estimam que a lei vai colocar cerca de 20 mil pessoas para trabalhar, principalmente na indústria da construção.

“A Lei de Mobilização Climática é um pagamento inicial para o futuro da cidade de Nova York – que garante que lideremos o caminho na crescente luta contra a mudança climática”, disse Costa Constantinides, principal proponente da legislação.

Constantinides acrescentou que ele espera que a nova lei encoraje outras cidades a promulgar legislação semelhante. Além de reduzir as emissões dos edifícios, o projeto inclui medidas para aumentar a eficiência energética em centrais, incentivar telhados verdes e várias formas de energia renovável, e facilitar o recebimento de licenças para projetos eólicos.

Apesar da perspectiva positiva de reduzir as emissões de carbono, o projeto foi recebido com considerável resistência em nome de várias empresas imobiliárias na cidade.

Via Ciclo Vivo

quarta-feira, 8 de maio de 2019

Prefeito de Nova Iorque pretende proibir novos arranha-céus de vidro

O prefeito da cidade de Nova Iorque, Bill de Blasio, anunciou planos para apresentar um projeto de lei que proíbe a construção de arranha-céus de vidro, fazendo parte dos esforços para reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 30%. Revelando os planos, ele descreveu os arranha-céus de fachada de vidro como "incrivelmente ineficientes" por causa da perda de calor, segundo a NBC New York.

O prefeito identificou os prédios como a principal causa do efeito estufa em Nova Iorque. A lei também exige que os prédios de vidro existentes sejam adaptados para atender a novos padrões de emissões de carbono mais rigorosos. O "Green New Deal" da cidade também incluirá operações de energia limpa, como utilização de energia hidrelétrica canadense, reciclagem orgânica obrigatória e a diminuição gradual de carne processada e de plástico de uso único.

No início deste mês, o conselho da cidade aprovou a Lei de Mobilização Climática, um conjunto de 10 projetos que respondem às metas estabelecidas no Acordo Climático de Paris. Essencial na constituição da lei é a exigência de que muitos edifícios da cidade reduzam suas emissões de carbono a partir de 2024, diminuindo em 40% até 2030. Os telhados verdes em todos os prédios novos e menores incluirão painéis solares, mini turbinas eólicas ou combinação deles. De acordo com Grist, o plano também inclui o comissionamento de estudos de viabilidade para fechar as 24 usinas de gás e petróleo da cidade em favor das energias renováveis, e a suspensão dos planos de trazer gás da Pensilvânia para Nova Iorque.

O projeto "Dirty Buildings Bill" exigirá que 50.000 dos prédios da cidade reduzam as emissões em 40% até 2030 e 80% até 2050 por meio da instalação de novas janelas, isolamento e outros procedimentos de adaptação. A lei se aplica a prédios com mais de 2.300 metros quadrados, que correspondem à metade de todas as emissões dos prédios, apesar de representarem apenas 2% do total de edifícios na cidade.

Via ArchDaily

terça-feira, 7 de maio de 2019

Programa Minha Casa Minha Vida pode ficar sem recursos e parar a partir de junho

O programa do governo federal Minha Casa Minha Vida corre o risco de ficar sem recursos a partir do mês de junho deste ano, declarou esta semana o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto. O orçamento atual de R$ 4,17 bilhões é um dos menores desde que o projeto foi criado em 2009, durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

Sob ameaça de paralisação das obras em andamento pelas construtoras, o governo aprovou na semana passada a liberação de R$ 800 milhões adicionais, que serviram para cobrir cerca de R$ 550 milhões em reembolsos atrasados mas não afastou incertezas sobre a continuidade do programa a partir de junho deste ano, segundo informações da Folha de S. Paulo.

"A partir de junho, se não houver ampliação do nosso limite, nós estaremos inviabilizados tanto de dar continuidade às obras em execução como aos novos financiamentos”, declarou Canuto em audiência conjunta na Câmara dos Deputados em Brasília. Com o orçamento debilitado, o programa pode vir a depender do aporte de recursos suplementares. O deputado José Nelto defende a abertura do projeto a empréstimos internacionais: “O programa tem que voltar, temos que ter moradia”, defendeu.

O ministro Gustavo Canuto deve enviar uma proposta de alteração no programa Minha Casa Minha Vida até o dia 8 de junho. “Não é uma solução simples, não é rápida. Qualquer alteração do programa gera um impacto grande”, admitiu, considerando as falhas do sistema e o déficit atual de 7 milhões de moradias no país.

“Os cortes existem em todas as áreas. O programa de habitação foi preservado pela importância que tem. O fato é que não há recurso", disse o ministro durante a audiência. “Não temos orçamento e não teremos orçamento no curto prazo. Então, temos de buscar outra forma de fazer”, concluiu.

Via ArchDaily

segunda-feira, 6 de maio de 2019

Mulheres na Arquitetura e Urbanismo: CAU/BR cria Comissão de Equidade de Gênero

Conselheiros do CAU/BR aprovaram a criação de uma Comissão Temporária de Equidade de Gênero no conselho, com o objetivo de cumprir a missão de promover Arquitetura e Urbanismo para todos – sem distinção de gênero. A principal finalidade da comissão é a produção e encaminhamento de proposta de política do CAU para a equidade de gênero, a ser aprovada pelo Plenário do CAU/BR com recomendações de ações para a sua operacionalização e atualização periódica em rede, envolvendo atores em todo o território nacional. Essa política deverá atender às seguintes diretrizes: promover a profissão de arquiteto e urbanista como uma contribuição para o desenvolvimento da sociedade e para a promoção da justiça social; contribuir com a implementação da Nova Agenda Urbana da ONU, que prevê a atenção às questões etárias e de gênero de maneira transversal em todos os seus compromissos; e contribuir para com o alcance do 5º Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU: a igualdade de gênero.

Outra finalidade da Comissão de Equidade de Gênero é implementar na estrutura administrativa do CAU os princípios da plataforma Women Empowerment Principles (WEP), coordenada pelo Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU) e a ONU Mulheres. Os sete princípios são: estabelecer liderança corporativa sensível à igualdade de gênero; tratar todas as mulheres e homens de forma justa no trabalho; garantir a saúde, segurança e bem-estar de todas as mulheres e homens que trabalham na empresa; promover educação, capacitação e desenvolvimento profissional para as mulheres; apoiar empreendedorismo de mulheres e promover políticas de empoderamento das mulheres através das cadeias de suprimentos e marketing; promover a igualdade de gênero através de iniciativas voltadas à comunidade e ao ativismo social; e medir, documentar e publicar os progressos da empresa na promoção da igualdade de gênero.

Dentre os resultados esperados para as ações da comissão, estão a construção coletiva da pauta das mulheres para a superação dos desafios do exercício profissional; a realização do ciclo de debates “As mulheres na Arquitetura e a Produção da Cidade Inclusiva”, em conjunto ao Fórum de Presidentes do CAU; o mapeamento e diagnóstico da produção arquitetônica feminina nacional; e articulação com coletivos e fóruns nacionais e internacionais para realização de evento em 2020 sobre Arquitetura e Gênero, em coordenação com o 27º Congresso Mundial de Arquitetos (UIA2020RIO), que acontecerá no ano que vem no Rio de Janeiro.

Cinco arquitetas e urbanistas comporão a Comissão Temporária de Equidade de Gênero. Serão duas conselheiras titulares do CAU/BR, Nadia Somek (SP) e Josemée Gomes de Lima (AL); a conselheira suplente Cristina Evelise (PB); e duas presidentes de CAU/UF, Daniela Sarmento (CAU/SC) e Gilcinea Barbosa (CAU/BA). Poderão eventualmente ser convidados representantes de CAU/UF ou de coletivos nacionais e internacionais. Dado o caráter extraordinário da comissão, o colegiado funcionará por plataformas digitais, como reuniões em videoconferências.

Para mais detalhes e Matéria Completa, Vale o Clique!

Via ArchDaily

domingo, 5 de maio de 2019

Com usina solar a Unicamp estima economizar R$247 mil ao ano

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e A CPFL Energia entregaram neste mês a primeira fase do projeto Campus Sustentável. A parceria entre a empresa e a Universidade trará uma redução anual de mil megawatts-hora (MWh) no consumo de energia elétrica – isso equivale a uma redução de R$ 247 mil.

Com investimentos de R$ 3,2 milhões na primeira fase, além do ganho energético, as melhorias do sistema de energia da Unicamp evitarão a emissão de cerca de 100 toneladas de CO2 na atmosfera. Esse valor é o equivalente ao plantio de aproximadamente 600 novas árvores.

“Nossa relação com a Unicamp é de longa data e a universidade sempre foi parceira das iniciativas de pesquisa da Companhia. Agora, o Campus Sustentável transforma a universidade no coração deste laboratório vivo que desenvolvemos no bairro do entorno”, explica Renato Povia, gerente de inovação da CPFL Energia.

Para a segunda fase, o Campus Sustentável prevê a introdução de um ônibus elétrico que fará trajetos pela Universidade e que servirá como caso de estudo em inovação, mobilidade e uso de veículos movidos a eletricidade.

O projeto Campus Sustentável é financiado com recursos do Programa de Eficiência Energética da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Quando for 100% concluído, as descobertas alcançadas pelo estudo serão públicas, consolidando toda a experiência adquirida.

Via Engenharia É

sábado, 4 de maio de 2019

SOM projeta terminal-jardim para o Aeroporto Internacional de Kempegowda na Índia

Skidmore Owings e Merrill (SOM) revelaram seu projeto para o Terminal 2 do Aeroporto Internacional Kempegowda, em Bengaluru, na Índia. Para o novo centro de viagens aéreas da região, o escritório reinventa o aeroporto como uma experiência de transporte paisagística e serena, concebida pela comissão aeroportuária como um “terminal dentro de um jardim”. A primeira fase da obra está prevista para março de 2021, quando começará a receber anualmente 25 milhões de passageiros.

O projeto de 255.000 metros quadrados procura conectar os viajantes com a natureza em todas as oportunidades. Árvores, pequenos jardins e lagoas com espécies de plantas locais e exóticas compõem o desenho no interior, enquanto a vegetação suspensa no teto recebe os passageiros na entrada. Além desses espaços, um grande jardim interno conterá paredes de terra batida e cachoeiras, proporcionando um acesso para o espaço de comércio densamente ajardinado.

A área de compras do terminal conectará os portões a um vasto "cinturão florestal" de três pavimentos projetado para criar uma experiência ao ar livre imersiva e relaxante para os passageiros. O cinturão florestal é visível desde todos os espaços internos principais, do portão de desembarque até a área de retirada de bagagem, onde a paleta de materiais é projetada para trabalhar em harmonia com a paisagem natural, seja em tijolo, pedra natural ou bambu artificial. Mais detalhes, Vale o Clique!

Via ArchDaily

sexta-feira, 3 de maio de 2019

CAU/BR aprova renovação de parcerias com organizações de arquitetos nos EUA

O CAU/BR vai propor ao Instituto Americano de Arquitetos (AIA, na sigla em inglês) e ao Conselho Nacional de Acreditação de Arquitetura (NAAB), dos Estados Unidos, a renovação dos acordos de cooperação em execução. A decisão foi tomada pelos conselheiros do CAU/BR durante a 89ª Reunião Plenária Ordinária do CAU/BR, realizada em Brasília nos dias 25 e 26 de abril, e tem como objetivo fortalecer a internacionalização da Arquitetura Brasileira no mundo e promover o intercâmbio de informações profissionais com os Estados Unidos e demais parceiros.

Um dos principais objetos da parceria entre o CAU/BR e o AIA tem sido a realização de um workshop da Equipe de Assistência ao Projeto Urbano/Regional (R/UDAT, na sigla em inglês) como evento preparatório para o Congresso Mundial da UIA em 2020 no Rio de Janeiro. O programa consiste em workshops de assistência técnica ao projeto, com arquitetos que vão até comunidades identificar problemas e potencialidades.

O CAU/BR também colabora com o AIA em iniciativas de compartilhamento de dados, como o Índice Global de Faturamento em Arquitetura (GABI), a Base de Dados, Pesquisas e Informações sobre Construção (BRIK) e a Comunidades do Conhecimento, uma rede social profissional na qual arquitetos se conectam e trocam experiências.

No ano passado, o CAU/BR participou em junho do A’18, Conferência de Arquitetura do AIA, em Nova York, representado pelo presidente Luciano Guimarães (foto acima). Na ocasião, ele foi condecorado com a medalha de Companheiro do AIA (fellow). Houve também o Fórum Internacional de Presidentes, que reúne os dirigentes de associações de arquitetos de todo o mundo. O CAU/BR esteve presente nas discussões sobre projetos na área de saúde, energia, diversidade e inclusão. Mais detalhes, Vale o Clique!

Via CAU-BR

terça-feira, 30 de abril de 2019

Inscrições abertas para o 12º Concurso CBCA para Estudantes de Arquitetura

Fábrica de Ideias e Inovação é o tema que deve ser trabalhado pelos participantes da 12º edição do Concurso para Estudantes de Arquitetura, projeto promovido pelo Centro Brasileiro da Construção em Aço (CBCA) no Brasil. As equipes interessadas devem se inscrever entre os dias 04 de fevereiro e 25 de julho, tendo no mínimo dois e no máximo quatro alunos. O grupo deve ser orientado por um professor da mesma universidade, podendo contar ainda com um coorientador.

Os estudantes devem desenvolver um projeto de um centro de desenvolvimento de ideias que acolha pesquisadores, empreendedores e acadêmicos. O local precisa ter a infraestrutura necessária para abrigar laboratórios e oficinas para que todos os envolvidos possam desenvolver projetos inovadores, contando ainda com as qualificações necessárias para atração de investimento e promoção de projetos locais. O projeto deve ser concebido, pensado e estruturado em aço, considerando as inúmeras possibilidades desse sistema construtivo, dentro das bases técnicas especificadas pelo regulamento do Concurso.

O prêmio para o primeiro lugar será de R$ 8 mil distribuídos entre os alunos responsáveis pelo projeto vencedor e o professor orientador, que receberão ainda diversas publicações sobre construção em aço, assinatura da revista Arquitetura & Aço e vouchers para cursos online oferecidos pela entidade que representa o setor da construção industrializada em aço. O resultado será anunciado no site do CBCA em 04 de setembro.

O Concurso do CBCA - que em 2018 teve 333 equipes de 180 universidades inscritas, com representantes de 24 estados brasileiros - já é considerado o mais importante concurso para estudantes de arquitetura do Brasil. A competição é a etapa nacional do Concurso Alacero de Diseño en Acero para Estudiantes de Arquitectura, organizado pela Associação Latino-Americana do Aço (Alacero).

Dois representantes da equipe vencedora viajarão para Buenos Aires, Argentina, onde representarão o País na fase internacional da competição, concorrendo com equipes argentinas, chilenas, colombianas - entre outras - pelos prêmios US$ 6.000 (1º colocado), US$ 3.000 (2º colocado) e US$ 1.000 (3º colocado).

Participar do Concurso para Estudantes de Arquitetura do CBCA é uma oportunidade para alunos e professores desenvolverem seus potenciais criativos através de projetos utilizando o aço como o principal componente de sistemas construtivos.

Para mais informações sobre a competição, Vale o Clique!

Via ArchDaily

segunda-feira, 29 de abril de 2019

Maior parque solar do mundo será construído em Piauí no Brasil

Será no Brasil que irá nascer o maior parque solar do mundo! Este parque solar irá nascer através da maior empresa privada do setor energético brasileiro.

A ENEL Green Power tem em carteira vários projetos de produção e exploração de energias renováveis na região de Piauí, e nos municípios de São Gonçalo do Gurguéia e Lagoa do Barro! O investimento que irá levar a empresa para a dianteira das energias renováveis solares é de 1 bilhão de reais!

Lucile Moura, atual assessora dos assuntos estratégicos do Governo brasileiro, diz que a empresa já tem luz verde para avançar, através da licença ambiental, bem como da licença de instalação, bem como local onde irá ser instalada a maior parque solar mundial!

Maior parque solar do mundo – Piauí no Brasil
Este parque solar irá conseguir gerar 476mW de energia. Mas não provem de apenas um local, serão no total 9 subestações de geração de energia. Isto porque a empresa tem uma política de expansão de parques solares em que aproveitam o leilão de energia para expandir a capacidade de geração de eletricidade e consequentemente vender para o mercado.

Assim, no Piauí irão ampliar essa capacidade de geração para 878MW, sendo que 476MW serão para dar resposta ao que foi contratado no leilão de energia e os restantes 402MW serão para vender.

Têm como objetivo produzir mais de 1,3GW de energia através de vários Projetos de Geração de Energia Renovável nas duas cidades, com um investimento total de cerca de 1 bilião de reais.

Lucile afirma que “São Gonçalo do Gurgéia terá assim o maior parque solar do mundo”. Só em São Gonçalo teremos 13 locais de produção de energia, em que 9 são para o contrato decorrente do leilão de energia, que tem data e prazo para entrega, e os restantes 4 serão para comercialização!

Assim e somados os 13 locais que irão gerar eletricidade a partir da energia solar teremos uma produção total de energia de 878MW!

Enel Green Power
A Enel Green Power é uma subsidiária do Grupo ENEL e detém no Brasil uma capacidade instalada de mais de 2,9GW de energia. Potência toda proveniente de fontes renováveis.

Esses 2,9GW subdividem-se a partir das várias fontes de energias renováveis:

842MW provenientes da Energia Eólica
820MW provenientes da Energia Solar Fotovoltaica
1269MW provenientes da Energia Hídrica
Nos próximos anos conta somar mais 1GW a essa capacidade instalada, pois tem vários projetos em execução. Projetos que provieram do leilão de energia de 2017, e quando estiveram finalizados passará a contar com 3,9GW de energia instalada!

Via Portal Energia

domingo, 28 de abril de 2019

Israel lança a maior torre de energia solar do mundo: 240 metros de altura

A usina solar e térmica de Ashalim, no deserto de Negev, em Israel, está em operação. A moderna instalação está equipada com mais de 50.000 heliostatos ou espelhos controlados por computador que pode acompanhar o sol em duas dimensões e refletem a luz solar numa caldeira colocada no topo de uma torre que mede 240 m (787,4 pés). Isso é mais alto do que alguns dos arranha-céus mais altos do mundo e, de longe, a mais alta torre solar já construída.

Como funciona? Todas essas dezenas de milhares de espelhos estão conectadas a um sistema de rastreamento operado por computador para que todos se movam precisamente com a órbita da Terra ao redor do sol durante todo o dia e direcione o calor da luz solar para um lugar na caldeira no topo da torre dentro de 0,0015499969 de uma polegada. A água superaquecida na caldeira produz vapor superaquecido, que é então transportado através de tubos com pressão suficiente para girar um gerador de turbina a vapor em velocidades astronômicas necessárias para produzir eletricidade. O gerador solar pode gerar 300 megawatts de eletricidade limpa todos os dias, ou o suficiente para alimentar cerca de 150 mil residências.

Outra característica do projeto Ashalim é o uso de tecnologia solar térmica que pode armazenar energia para uso noturno, a fim de fornecer uma saída de eletricidade consistente e confiável. Este é um dos maiores projetos de energia renovável do mundo. A instalação cobre uma área de mais de 2 quilômetros quadrados.

O clima de Israel é ideal para a energia solar, especialmente no Negev, que desfruta de mais de 300 dias de sol por ano.

Via Engenharia É

sábado, 27 de abril de 2019

Série de fotos feitas com drone mostra Barcelona do alto

Observar a cidade do alto nos dá a oportunidade de enxergar o mesmo lugar de uma maneira nova. Barcelona, por exemplo, pode ser muito mais geométrica do que se imagina. A prova está em Barcelona from above, série de fotografias de autoria do fotógrafo Márton Mogyorósy, de Budapeste.

Ele usou um drone para capturar cenas da cidade vista de cima, oferecendo uma apreciação detalhada da arquitetura urbana e do litoral. Do clássico Walden 7, construído em 1975 por Ricardo Bofill, ao inconfundível bairro do Eixample, concebido por Ildefons Cerdà, a coletânea destaca as cores vibrantes e as diversas geometrias que compõem o tecido urbano de Barcelona.

Ao lançar mão da fotografia aérea, o fotógrafo revela perfeitamente essa arquitetura, mostrando aos espectadores os detalhes da cidade. “Subindo alto no céu, este instrumento oferece uma perspectiva única do mundo, abrindo uma nova maneira de olhar para qualquer ambiente”, escreve o fotógrafo em seu site.











Via Casa Vogue 


sexta-feira, 26 de abril de 2019

Rozana Montiel é premiada com o Global Award for Sustainable Architecture 2019

A arquiteta mexicana Rozana Montiel venceu o Global Award for Sustainable Architecture 2019, juntamente com Werner Sobek, Ersen Gürsel, Ammar Khammash e Jorge Lobos. A cerimônia de premiação acontecerá no dia 13 de maio deste ano em Paris, França.

O prêmio foi criado pela arquiteta e acadêmica Jana Revedin em 2006 e reconhece anualmente cinco profissionais da arquitetura que contribuíram para um desenvolvimento mais justo e sustentável, oferecendo abordagens inovadoras e participativas para atender às necessidades das sociedades.

Dentro desta linha, o trabalho mais recente do escritório de Rozana Montiel se concentra na mesma participação social que tem sido reconhecida por vários prêmios nacionais e internacionais. Diz a arquiteta:

Nossos projetos propõem espaços para uma gestão social resiliente; a ocorrência desses espaços pode ser o resultado de um "estar junto" ou não. O que importa em uma proposta arquitetônica que pretende criar lugares é oferecer espaços para o livre gerenciamento, produzir horizontes de interação que permitam aos participantes negociar abertamente seus próprios limites naquele espaço comum. A ativação do espaço público torna mais fácil para um grupo reconhecer o que eles "são juntos" e o que não são, construir a comunidade fornecendo fóruns para a discussão aberta dos problemas existentes. O bem de uma comunidade pode ou não depender de "estar juntos", mas o ponto de partida para o diálogo é sempre um espaço em comum.

Via ArchDaily

quinta-feira, 25 de abril de 2019

Arranha-céu mais alto da Europa Ocidental será construído em vila rural da Dinamarca

Um novo arranha-céu está prestes a mudar a paisagem de Brande, cidade na zona rural da Dinamarca. O projeto, executado pelo escritório Dorte Mandrup, ficará localizado bem no meio de um vilarejo com aproximadamente sete mil habitantes e será a sede da empresa Bestseller, uma das principais do país.

A escolha do local não foi à toa: a cidade é a terra natal de Anders Holch Povlsen, um dos empresários mais ricos da Dinamarca e dono da Bestseller. Com mais de 300 metros de altura, o arranha-céu ainda terá lojas, escritórios e um hotel distribuídos entre os 45 andares da construção.

Para efeitos de comparação, o arranha-céu terá aproximadamente a mesma altura da Torre Eiffel, em Paris. "Será um marco que colocará Brande no mapa", comemorou Anders.

O projeto acaba de ser aprovado pela prefeitura de Brande e tem inauguração prevista para 2023. As obras terão início ainda esse ano. Mais detalhes, Vale o Clique!

Via Casa Vogue

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Eduardo Souto de Moura é reconhecido com Prêmio Memorial Arnold W. Brunner 2019

O arquiteto português Eduardo Souto de Moura foi reconhecido esta semana com o Prêmio Memorial Arnold W. Brunner 2019, premiação concedida anualmente pela Academia Americana de Artes e Letras a uma arquiteta ou arquiteto de qualquer nacionalidade que tenha realizado contribuições significativas à "arquitetura enquanto uma arte".

Escolhido dentre 33 concorrentes, Souto de Moura foi elogiado pela "qualidade atemporal e profundamente humanista" da sua obra, que apresenta um "[sentimento] de inevitabilidade" e é marcada por um "distinto sentido de materialidade", disse a arquiteta Annabelle Selldorf, presidente do júri, composto por Henry N. Cobb, Kenneth Frampton, Steven Holl, Thom Mayne, Laurie Olin, James Polshek, Billie Tsien, e Tod Williams.

Da extensa obra de Souto de Moura, a Academia destacou os projetos para o Estádio Municipal de Braga (2003), a Torre Burgo, no Porto (2007), e a Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais (2009).

A Academia concedeu também o Prêmio Artes e Letras a outros profissionais da arquitetura, entre eles Hernan Diaz Alonso, diretor do Instituto de Arquitetura do Sul da Califórnia (Sci-Arc), Mario Gooden e Mabel O. Wilson, co-diretores do Global Africa Lab na Escola de Arquitectura da Universidade Columbia, Eric Höweler Meejin Yoon, do escritório Höweler + Yoon, e Anne Rieselbach, diretora do programa Architectural League of New York.

Entre os profissionais já reconhecidos com o Prêmio Memorial Arnold W. Brunner estão Phyllis Lambert, Sheila O'Donnell e John Tuomey, Alberto Campo Baeza, Kathryn Gustafson, Diébédo Francis Kéré e Smiljan Radić. O prêmio de 2019 será entregue em uma cerimônia oficial que acontecerá em Nova Iorque em maio deste ano.

Via ArchDaily

terça-feira, 23 de abril de 2019

França anuncia concurso para redesenhar o pináculo de Notre-Dame

O primeiro-ministro da França anunciou um concurso internacional de arquitetura para redesenhar o pináculo e cobertura da Catedral de Notre-Dame, destruídos pelo incêndio desta semana. O primeiro-ministro Édouard Philippe fez o anúncio após uma reunião especial marcada pelo presidente francês Emmanuel Macron sobre a reconstrução da catedral. Philippe disse que o concurso oferecerá à catedral "uma torre adequada às técnicas e desafios do nosso tempo".

O presidente Macron prometeu ao país na noite de terça-feira que a Notre-Dame seria reconstruída - e seria “mais bonita do que antes” - dentro de cinco anos. Notre Dame foi originalmente construída em um período de quase 200 anos, começando em meados do século XII, mas o pináculo de 90 metros só foi adicionado em meados do século XIX, durante um grande projeto de restauração concluído pelo arquiteto Eugène Viollet-le-Duc. "O concurso internacional nos permitirá questionar se devemos recriar a torre como foi concebida por Viollet-le-Duc", disse Philippe a repórteres após uma reunião de gabinete dedicada ao incêndio. “Ou, como é frequentemente o caso na evolução do patrimônio, se devemos dar à Notre-Dame uma nova torre. Este é obviamente um enorme desafio, uma responsabilidade histórica.”

O incêndio em Paris nesta semana destruiu a cobertura de Notre-Dame, levando com ela o pináculo de 90 metros de altura. Um porta-voz do serviço de bombeiros disse que não há perigo imediato de que a estrutura principal desmorone. Mas ainda não foi considerada segura o suficiente para os investigadores entrarem e começarem a examinar a fonte do incêndio, informou o gabinete do promotor. A atenção também se voltará para a recuperação e avaliação de obras de arte preciosas dentro da catedral. Acredita-se que grandes pinturas dentro da catedral tenham sofrido danos causados por fumaça, embora estejam praticamente intactas, segundo informou o The Guardian.

Stéphane Bern, representante cultural do governo, disse que quase um bilhão de dólares já foram levantados para a restauração até agora, com colaboradores como a Apple, o grupo energético Total e magnatas franceses proprietários de marcas como L'Oréal, Chanel, Dior e Louis Vuitton. Muitos particulares na França e em todo o mundo também doaram.

Via ArchDaily

segunda-feira, 22 de abril de 2019

Inscrições abertas para o 6º Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake AkzoNobel

As inscrições para o 6º Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake AkzoNobel iniciaram (05/04), tendo categorias voltadas para profissionais e estudantes. O objetivo do edital é mapear a produção arquitetônica contemporânea, destacando projetos significativos que levem em conta o comprometimento com o sítio de implantação e a sustentabilidade, bem como a inventividade projetual e construtiva.

A categoria voltada para estudantes possui o tema “Revitalização, Requalificação, Renovação”. Podem participar universitários regularmente matriculados em cursos de arquitetura de nível superior, reconhecidos ou autorizados pelo MEC, brasileiros ou estrangeiros residentes no país há pelo menos dois anos. Serão selecionados até três projetos, que farão parte de exposição no Instituto Tomie Ohtake no ano de 2019, além de serem publicados no catálogo do Prêmio. Um estudante dentre os selecionados será premiado com um estágio em escritório de arquitetura.

Já a categoria voltada para os profissionais se dirige a escritórios e coletivos de arquitetura, arquitetos brasileiros ou estrangeiros residentes no país há pelo menos dois anos a contar da data da inscrição do projeto. Serão selecionadas até dez obras que também farão parte da exposição e serão publicadas no catálogo do Prêmio. Três projetos dentre os selecionados ganharão viagens internacionais para destinos com interesse arquitetônico.

As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas no site do Prêmio até o dia 09 de maio.

Sobre o Prêmio
O Prêmio busca reconhecer as produções arquitetônicas de destaque na cena contemporânea brasileira, valorizando as formas inovadoras de pensar e construir o espaço social, contribuindo, assim, com o desenho do panorama atual da arquitetura nacional nos seus mais variados contextos. Os projetos finalistas participam da exposição na sede do Instituto Tomie Ohtake, registrada em catálogo, e os vencedores, anunciados na inauguração da mostra, são contemplados com viagens internacionais e estágio em escritório de arquitetura. A partir da sexta edição foi introduzida a categoria estudantes. Mais detalhes, Vale o Clique!

Via CAU-BR

quinta-feira, 18 de abril de 2019

Conheça 7 Propostas rejeitadas para a Ópera de Sydney

A mais icônica obra de Jørn Utzon e um das obras de arquitetura mais facilmente reconhecidas do mundo todo, a Opera House de Sidney foi construída depois que o arquiteto dinamarquês venceu o concurso realizado em 1956, o qual atraiu mais de 200 participantes. Desde a sua inauguração em 1973, o edifício fez com que todo o mundo voltasse seus olhos para a emergente potência chamada Austrália. Mais recentemente, no ano passado, a Ópera de Sidney passou a ser completamente neutra em emissões de carbono.

A história por trás da Ópera House de Sidney é tão interessante quanto a própria obra de arquitetura. Em 1956, o governo de Nova Gales do Sul convocou um concurso internacional aberto para o projeto da Ópera House, um espaço capaz de receber óperas e orquestras sinfônicas, tudo na esperança de transformar a cidade de Sidney em uma importante capital cultural do mundo moderno. Como todos sabem, arquiteto dinamarquês Jørn Utzon foi o grande vencedor da competição, ainda que seu projeto fosse feito de apenas alguns esboços até certo ponto, intrigantes.

Mas o que podemos dizer das outras 221 propostas? Em um esforço especulativo sobre o que poderia ter se tornado o principal marco da cidade de Sidney, a Budget Direct Australia firmou uma parceria com o NeoMam Studios para dar vida a sete propostas que bateram na trave no concurso para a Ópera House de Sidney. Abaixo, republicamos estes projetos acompanhados de uma breve descrição do Budget Direct. Para ler o artigo na íntegra, acesse o site da Budget Direct aqui.

Esta é uma parceria que já nos rendeu matérias com boas repercussões anteriormente, a NeoMam, recentemente, nos brindou com imagens impressionantes de como o Central Park de Nova Iorque seria se outro projeto tivesse sido escolhido 160 anos atrás, ou como a volta à vida de seis castelos britânicos em ruínas.

1. Philadelphia Collaborative Group
Budget Direct: O projeto que ficou em segundo lugar no concurso tinha forma de submarino e foi criado por uma equipe improvisada de sete arquitetos da Filadélfia. Assim como o projeto vencedor de Utzon, a estrutura foi inspirada em formas marinhas e conchas, tudo concebido segundo as mais avançadas técnicas para o uso do concreto.


2. Paul Boissevain & Barbara Osmond
Budget Direct: Pelo que se sabe, o júri ficou bastante impressionado com a escala humana desta proposta. As suas proporções cúbicas e a ênfase no espaço da praça inclinada para pedestres nos faz lembrar imediatamente do projeto da Ópera de Oslo, na Noruega, construído cinquenta anos depois deste projeto visionário concebido por Boissevain e Osmond.



3. Sir Eugene Goossens
Budget Direct: Goossens, era o maestro da Orquestra Sinfônica de Sidney, e também foi diretor do Conservatório de Música de Nova Gales do Sul além de uma das principais vozes na demanda por uma nova casa de ópera para a cidade de Sidney.




4. Peter Kollar & Balthazar Korab
Budget Direct: Kollar e Korab eram refugiados do regime comunista na Hungria. A sua participação rendeu a sua mais alta classificação em um concurso público de arquitetura na Austrália. Os juri ressaltou a alta "habilidade e inventividade projetiva" da dupla húngara.




5. S.W. Milburn and Partners
Budget Direct: A proposta de Milburn e Dow é caracterizada por um passeio inclinado sob a laje do edifício além de um enorme heliponto no telhado, presumivelmente caso o maestro estivesse atrasado para a apresentação.






6. Vine and Vine
Budget Direct: A proposta da dupla Vine and Vine era composta por dois auditórios independentes, separados por um restaurante. Como muitos de seus concorrentes, os britânicos previam uma série de espaços ao ar livre - mas neste caso específico, com uma praça rebaixada à beira rio.






7. Kelly and Gruzen
Budget Direct: Esta proposta muito se parece com aquela apresentada por Vine and Vine, também contando com praças rebaixadas. Mas além disso, também há um certo toque monumental à Las Vegas nesta proposta criada pela dupla americana Kelly and Gruzen.


Via ArchDaily







quarta-feira, 17 de abril de 2019

Hotel temático de Game of Thrones é inaugurado na Finlândia

Aqueles fãs de Game of Thrones têm mais uma chance de matar a saudade enquanto a nova – e última – temporada não estreia. Um hotel temático do programa, o Lapland Hotels SnowVillage, está de portas abertas na Finlândia por tempo limitado, até o dia 21 de abril deste ano, 2019.

O lugar escolhido foi a Lapônia, distrito de Kittilä, a uma hora e meia de avião de Helsinki, capital da Finlândia.

O hotel, desenvolvido em parceria com a HBO Nordic, é feito todo de gelo e está repleto de símbolos da franquia. Foram necessários 20 milhões de quilos de neve, 400 mil quilos de gelo e cinco semanas de trabalho para que o lugar fosse construído. Na decoração, esculturas de gelo de elementos importantes do universo criado por George R. R. Martin, como o Trono de Ferro, o Rei da Noite, os dragões e os lobos selvagens faz-se presente.

De acordo com a HBO Nordic, são 24 quartos no total, cada um com um tema. O visitante poderá escolher a unidade de acordo com o personagem, momento ou elemento favorito da série. A temperatura dos quartos ficam em torno de 5ºC negativos e até a cama é feita de gelo. Mas ninguém vira picolé não! O hotel disponibiliza sacos de dormir aquecidos e chá quentinho para espantar o frio. As diárias custam a partir de €320.

Via Engenharia É

terça-feira, 16 de abril de 2019

Arranha-céu em forma de tulipa pode virar próximo ponto turístico de Londres

Um edifício com toques futuristas e formato de tulipa pode ser o novo arranha-céu de Londres em um projeto criado pelo escritório de arquitetura Foster + Partners e financiado pelo Grupo J. Safra.

Nomeado The Tulip, o projeto foi apresentado ao City of London Corporation – responsável pela administração do centro financeiro da capital britânica - na última semana. Caso seja aprovado, o plano deve sair do papel em 2020 e as obras devem ser finalizadas em 2025.

Segundo o escritório, o edifício de 305 metros de altura seria construído ao lado do The Gherkin, outro arranha-céu, e abrigaria espaços culturais.

Uma das principais atividades seria uma instalação de ensino, com 20 000 vagas gratuitas por ano, para as crianças das escolas públicas de Londres.

Além disso, o prédio teria galerias de observação com pontes suspensas, escorregadores de vidro internos e passeios na fachada. Nas fotos, essas estruturas lembram orvalhos.

Complementando a experiência, o grupo planeja um sky bar e restaurantes com vistas de 360 graus da cidade.

Via Casa Vogue