segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

UNESCO concede ao Rio de Janeiro título de 1ª Capital Mundial da Arquitetura

O Rio é Capital Mundial da Arquitetura. O título foi concedido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) na manhã desta sexta, 18 de janeiro, em cerimônia realizada na sede da entidade em Paris e é decorrente da realização do Congresso Mundial de Arquitetos no Rio em 2020. É a primeira vez que uma cidade recebe essa designação – criada no ano passado em parceria entre a UNESCO e a União Internacional dos Arquitetos (UIA). A cerimônia reuniu o subdiretor de Cultura da UNESCO, Ernesto Ottone; a Secretária de Urbanismo, Infraestrutura e Habitação do Rio, Verena Andreatta; o presidente da UIA Thomas Vonier, além do presidente do Comitê Executivo do Congresso Mundial de Arquitetos UIA2020Rio, Sérgio Magalhães, e do presidente do Instituto dos Arquitetos do Brasil, Nivaldo Andrade.

“Capital Mundial da Arquitetura e Congresso Mundial de Arquitetos formam um binômio de extrema importância para a cidade do Rio e para a cultura arquitetônica brasileira. Especialmente porque proporciona um diálogo com a sociedade que deverá criar um novo tempo para o enfrentamento dos desafios das nossas cidades”, afirma o arquiteto e urbanista Sérgio Magalhães.

“Grandes momentos não ocorrem todo o tempo, esse é um deles”, declara o arquiteto e urbanista Luciano Guimarães, presidente do CAU/BR.  “A consagração, ao aliar o ambiente construído e a beleza natural da cidade do Rio de Janeiro, é um reconhecimento do fundamental papel dos arquitetos e urbanistas na qualificação de nossas cidades”. Ele lembra que faz um bom tempo que a UIA busca junto com a UNESCO aprovar para a cidade que hospeda o Congresso Mundial de Arquitetos a cidade como Capital Mundial da Arquitetura. “O sonho hoje é uma realidade e para nossa sorte o Rio de Janeiro – Rio 2020 será a sede da primeira. Nossas congratulações e agradecimentos vão para essas pessoas que estiveram envolvidas no sucesso desse processo a nível nacional e internacional, em particular aqui no Brasil ao IAB e a Prefeitura do Rio de Janeiro”.

A conquista do título não aconteceu à toa. Cidade de grande diversidade urbanística, o Rio tem em seu território situações comuns tanto em grandes centros urbanos de países ricos como em desenvolvimento, o que a torna um caso quase único de interesse para os arquitetos do mundo todo.

“Apesar de relativamente nova, a cidade do Rio já deixou valiosas referências na história da arquitetura. Ao longo de seus poucos séculos, passou por transformações substanciais, de grande magnitude, com técnicas complexas da engenharia e do urbanismo contemporâneos. Poucas cidades tiveram alteração tão expressiva em sua topografia original. Temos uma mescla eclética de estilos arquitetônicos e paisagem urbana reverenciada pelo mundo por suas condições naturais. O título de Capital Mundial da Arquitetura é a justa condecoração desta história”, defende a arquiteta  urbanista Verena Andreatta, Secretária de Urbanismo da cidade.

Além de um reconhecimento ao passado arquitetônico, histórico e cultural da cidade, o título é, acima de tudo, uma grande oportunidade de reflexão sobre o seu futuro urbanístico.

“O Rio, que se tornou referência mundial de arquitetura de qualidade em meados do século passado, e que recentemente teve sua paisagem cultural declarada Patrimônio Cultural pela Unesco, dá agora outro passo importante para o reconhecimento de seus valores arquitetônicos, urbanísticos e paisagísticos. Esperamos que as atividades e debates que acontecerão ao longo de todo o ano de 2020 no Rio, cuja paisagem é formada por contrastes não apenas geográficos mas também sociais, reforcem a compreensão, por parte da sociedade em geral, do papel dos arquitetos e urbanistas na melhoria da qualidade de vida das pessoas, e em especial daquelas que vivem em condições mais precárias”, defende o arquiteto e urbanista Nivaldo Andrade.

Mais detalhes, Vale o Clique!

Via CAU/BR

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são bem vindos.
Desde que não sejam comentários anônimos.