sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Paris baniu todos os carros produzidos antes de 1997







A capital francesa sofre com sérios problemas de poluição por conta da quantidade de carros que movimentam a cidade (praticamente todos movidos a diesel, o pior dos combustíveis em termos de poluição). Por isso, há uma série de esforços para reduzir o uso dos automóveis particulares.

No início do ano a cidade anunciou uma reforma nos principais pontos turísticos para deixá-los ainda mais amigável para pedestres e ciclistas (e assim incentivar deixar o carro um pouco de lado). Agora a medida nova é banir carros produzidos antes de 1997 das ruas, em nome da melhora da poluição do ar local.

Durante a semana, entre oito da manhã e oito da noite, carros mais velhos que 19 anos não poderão entrar na cidade. Por enquanto, finais de semana e horários não comerciais ainda estão liberados (o que acabará em 2020 — e a política será atualizada para carros construídos antes de 2010).

Além disso, carros elegíveis terão que colar adesivos que comprovam a Certificação de Qualidade de Ar, medida ainda em teste no resto do país. O selo tratá também a idade do carro, o que facilitará o monitoramento do cumprimento da lei, que será feito pelos policiais municipais.

Para os carros que forem pegos “quebrando” as novas regras, a multa pode variar de 35 euros a 450, dependendo das características e condições do automóvel. A ideia também é criar vantagens para motoristas de carros elétricos ou de baixo consumo de gasolina.

Outros países como a Holanda e Índia prometem proibir o uso de carros não elétricos até 2025 e 2030, respectivamente.

Via The Greenest Post

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Arquiteto brasileiro vence concurso para uma terma na Itália





Com o objetivo de reabilitar a paisagem nos campos de extração de mármore através de uma intervenção arquitetônica com a implantação de uma terma, na comuna de Carrara, região de Toscana, na Itália, foi promovido pela Rethinking Architectural Competitions o concurso internacional Carrara Thermal Baths, voltado para estudantes de arquitetura e jovens arquitetos.

O resultado da competição foi anunciado e o primeiro lugar foi conquistado pelo arquiteto brasileiro Luiz Eduardo Lupatini, com o projeto “Lost Landscape” (Paisagem Perdida, em português). A proposta se desenvolve através de um eixo principal, onde estão dispostas as áreas de banho, que intercaladas por estadas secas, impõe-se como um caminho a ser percorrido pelo visitante.

O arquiteto de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, procurou expressar a forma através de uma linguagem minimalista, empregando basicamente a matéria prima local para moldar os espaços, estabelecendo um diálogo entre matéria bruta e produção humana.

Além de ocupar os vazios de uma pedreira, Lupatini acredita que “propor a intervenção em um sítio de extração, para além de readequar o espaço para um novo uso, busca-se reforçar o ‘genius loci’ [termo latino que se refere ao ‘espírito do lugar’], colocando em evidência uma atmosfera que induza o visitante à reflexão acerca dos impactos causados pela exploração, representada neste caso, pelo contraste entre a escala humana e a monumentalidade do sítio”.

Em segundo e terceiro lugares, o concurso laureou equipes da Hungria e da França, além de destacar outros dez projetos com menções honrosas.

Confira!

Via Arqbacana

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Edifícios olímpicos serão escolas depois dos jogos Rio 2016



Piscinas olímpicas abandonadas em Atenas, na Grécia; Quadras esburacadas em Sochi, na Rússia… Deixar as estruturas olímpicas a Deus dará depois que o evento esportivo termina (infelizmente) não é novidade.

O Brasil, no entanto, promete fazer diferente. Inspirado pela prefeitura de Londres, que revitalizou sua arena olímpica, o governo da cidade do Rio de Janeiro anunciou que fará o mesmo.

Segundo a prefeitura, assim que acabarem os Jogos Olímpicos, a Arena do Futuro será desmontada e transformada em quatro escolas de educação básica – cada uma delas com capacidade para atender mais de 500 alunos.

Curtiu? Pois ainda tem mais! O espaço que foi erguido para abrigar os mais de 20 mil jornalistas que estão cobrindo as Olimpíadas no Rio de Janeiro também será revitalizado: ele vai virar uma escola de educação secundária.

Bem, no papel, o projeto parece bem bacana. Resta saber agora se ele vai mesmo virar realidade… Afinal, essas Olimpíadas foram medalha de ouro na categoria “Promessas de governo que não se cumpriram”!

Via The Greenest Post

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Inscrições abertas para Concurso Nacional do CAU/RS


As inscrições para o Concurso Público Nacional de Arquitetura de Interiores do Espaço do Arquiteto – CAU/RS estão abertas até o dia 6 de setembro. O Concurso tem a finalidade de selecionar as cinco melhores propostas, sendo que uma será declarada vencedora. A equipe vencedora será contratada para o desenvolvimento dos Projetos Executivos de Arquitetura de Interiores e Complementares para o Espaço do Arquiteto – CAU/RS, localizado no bairro Rio Branco, em Porto Alegre (RS).

Os interessados devem acessar o site oficial do concurso www.iabrs.org.br/concursocaurs, local onde estão disponíveis todas as informações oficiais e onde poderão efetuar as inscrições. Os trabalhos deverão ser entregues até o dia 15 de setembro, por meio eletrônico, conforme informações presentes no edital.

O Concurso Público Nacional de Arquitetura de Interiores do Espaço do Arquiteto – CAU/RS é uma promoção do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul e uma realização do Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Rio Grande do Sul (IAB RS).

Serão distribuídos R$ 40 mil reais em premiações para os 5 melhores classificados, sendo que o vencedor será contratado para elaborar os projetos executivo de arquitetura, com remuneração de R$ 102.681,83 mil, valor formulado a partir da Tabela de Honorários do CAU/RS e detalhado na Minuta de Contrato da empresa vencedora.

Os valores de premiação são:

1º Lugar –  R$ 20 mil
2º Lugar – R$ 10 mil
3º Lugar – R$ 5 mil
4º Lugar – R$ 3 mil
5º Lugar – R$ 2 mil

Para mais detalhes, confira o edital no site oficial do concurso. Vale o Clique!

Via CAU-GO

OMA divulga proposta para Museu de George Lucas, sem lugar definido

Lucas Cultural Arts Museum from Brooklyn Digital Foundry on Vimeo.


Por conta de uma batalha legal com ativistas da cidade de Chicago, no estado americano de Illinois, o cineasta George Lucas resolveu abandonar os planos de construir um museu dedicado ao seu legado às margens do Lago Michigan. Mesmo sem um lugar definido, o criador da saga “Star Wars” disse em comunicado que o projeto do Lucas Museum of Narrative Art será transferido para a Califórnia.

A polêmica, encabeçada pela organização ambientalista Amigos dos Parques, discorre sobre a apropriação indevida de terreno público para o uso de uma instituição privada. O grupo alega que no local, atualmente ocupado por um estacionamento, seria mais vantajosa a revitalização do espaço como um parque para a população do que abrigar um museu.

Diante das negativas, o projeto “montanhoso” – desenvolvido pelo escritório chinês MAD Architects, em parceria com a firma local Studio Gang – parece ter sido descartado temporariamente. Por sua vez, o escritório global OMA divulgou imagens de sua proposta para o museu naquela região que, curiosamente, procura atender um programa e plástica arquitetônica mais integrados com a cidade.

O projeto alternativo busca preservar ao máximo a orla do lago, elevando do solo a maior parte da galeria e dos espaços educacionais, como também descortina um novo espaço permeável e contemplativo na sua cobertura. Diferente do desenho apresentado pelos chineses, que chegou a ter sua área construída reduzida em 25%, o museu do OMA proporcionaria oito vezes mais espaços públicos do que sua área de projeção.

O escritório liderado pelo arquiteto holandês Rem Koolhaas divulgou um vídeo conceitual do futuro museu. Mais detalhes, Confira!

Via Arqbacana

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Concurso - Abrigo de Emergência [Projetar.Org]













De acordo com o National Geographic, desde que as medições climáticas foram iniciadas em 1850, a primeira década do século XXI foi a mais quente da história. O aumento sem precedentes da temperatura global teve como consequência a maior incidência de eventos climáticos extremos em todo o mundo. Para efeito de comparação, na década entre 2001 e 2010 a quantidade de eventos climáticos extremos no Brasil foi 268% maior que entre 1991 e 2000.

Eventos como queimadas, deslizamentos, vendavais e, principalmente, inundações, são responsáveis por milhares de mortes anualmente, além de forçar os residentes das áreas afetadas a se retirarem sem data prevista de retorno. Os chamados campos de abrigo se transformam em cidades por anos até que as pessoas afetadas possam retornar aos seus locais de moradia.

Organizações mundiais como a Agência para Refugiados das Nações Unidas estão preocupados em auxiliar arquitetos e empresas a projetar melhores abrigos de emergência. As preocupações mais recorrentes são gerar conforto para os usuários, assim como pensar em elementos que possam ser modularizados, para facilitar a produção e montagem, que muitas vezes é feita por pessoas que não possuem treinamento adequado.

Para que estas cidades temporárias possam ser utilizadas, diferentes tipos de estruturas devem ser desenvolvidas. Uma mesma estrutura necessita ter diferentes usos como moradia, refeitório, capela, escritórios, dentre outros.

Assim, a proposta do concurso 018 da Projetar.org é que os acadêmicos projetem um abrigo temporário que possa ser utilizado no auxílio de vítimas em casos de emergências como desastres naturais.

A consulta ao edital e início das Inscrições começam dia 22/08. Vale o Clique!

Via Projetar.org

Acessibilidade em Relógio cheio de estilo







Coisas que parecem bastante simples para você, que está lendo este texto, podem ser bem mais complicadas para quem tem alguma deficiência visual. Quem convive com essa situação sabe que até mesmo saber as horas pode não ser tão simples assim… Mas um relógio inovador pode estar prestes a mudar isso!

Conhecido como The Bradley, o relógio de pulso desenvolvido pela empresa Eone, promete permitir que você não apenas veja as horas, mas também as toque. Projetado em titânio sólido, o aparelho mostra as horas através de duas bolinhas: uma delas, localizada na parte superior, indica os minutos, enquanto a outra, localizada na lateral, indica as horas. Um ímã faz com que, mesmo que alguém desloque as duas esferas, elas voltem a mostrar o horário correto.

O nome do relógio é uma homenagem a Brad Snyder, oficial da marinha e detentor de uma medalha de ouro nos jogos paraolímpicos. Brad perdeu sua visão em uma explosão no Afeganistão, mas sempre foi capaz de vencer as dificuldades – e é exatamente isso que o The Bradley propõe.

Mais detalhes, Vale o Clique!

Via Hypeness

domingo, 21 de agosto de 2016

Restaurante Olga Nur - Madeira, Aço e Vidro



Além de um cardápio maravilhoso, o restaurante Olga Nur também promete surpreender com um novo conceito de sofisticação, design e arquitetura. O projeto arquitetônico do restaurante é assinado por Paula Zasnicoff e Carlos Alberto Maciel, sócios do escritório Arquitetos Associados, e preza pela originalidade, oferecendo uma opção diferenciada e aconchegante para que seus clientes possam se divertir ou até mesmo fechar negócios.

A estrutura é composta por poucos materiais: madeira, hastes de aço e vidro, propondo dois ambientes diferentes a quem circula pelo bairro, entre um interior intimista com iluminação especial, e um exterior informal com mesas na calçada e espaços cobertos por uma pérgula de tecido.

Localizado no conhecido “triângulo de Lourdes”, onde se localizam os melhores bares e restaurantes de Belo Horizonte, todos os pratos são assinados pelo chef francês Erick Jacquin, um dos jurados do programa Master Chef Brasil.

O elemento mais impressionante é provavelmente o teto, feito com aproximadamente 80.000 pedaços de madeira pendentes, criando ondas que dão diferentes perspectivas do espaço.

Vale o Clique!

Via Zupi

sábado, 20 de agosto de 2016

Presidente do CAU/BR defende projeto completo em entrevista ao El País









Em matéria divulgada no jornal El País Brasil, em 31/07/16, o presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), Haroldo Pinheiro, destacou a importância do projeto completo em obras públicas. “Licitar uma obra sem um projeto completo é se aventurar. Sem o projeto não se sabe se a obra vai durar um, seis ou 24 meses. Os aditivos aos projetos também acabam virando uma rotina. É um convite para se rasgar dinheiro público”, alertou.

A reportagem, sob o título, “Nova lei das estatais brasileiras abre brechas para escândalos de corrupção”, aborda as críticas aos itens que tratam de obras públicas na recém aprovada Lei das Estatais (13.303/2016).

O CAU/BR é uma das diversas entidades contrárias à legislação, pois ela permite  licitação de obras de mais de 150 estatais da União, 70 dos Estados, nove do Distrito Federal e dezenas ligadas a Municípios , sem projeto de arquitetura ou engenharia, por meio do instrumento da “contratação integrada”. A medida é válida também para as sociedades de economia mista e subsidiárias.

Para mais informações e entrevista na íntegra, Confira!

Via CAU-GO

Exposição "Museu do Louvre Pau-Brazyl"

teaser museu do louvre pau-brazyl from Douglas Ferreira on Vimeo.

Foram reunidos artistas e pesquisadores para pensar formas de expor e de debater a proposta, mesmo que ficcional, de criação de uma sede do Museu do Louvre no Brasil, com todos os efeitos e significados dessa associação. A exposição surge da relação entre os dois Louvres: o museu parisiense e o edifício de Artacho Jurado.

O prédio, localizado na avenida São Luís e projetado nos anos 50, é um ícone da cidade, e um dos primeiros edifícios a comportar apartamentos de diferentes tamanhos e térreo e mezanino abertos para o espaço público, através de galerias comerciais em funcionamento até hoje.

São esses espaços que o Museu do Louvre Pau-Brazyl irá ocupar com instalações, objetos, fotografias, vídeos, ações e performances. Confira o teaser desse interessante projeto. A exposição vai do dia 09 de Setembro de 2016 até 14 de Outubro de 2016. Mais detalhes, Vale o Clique!

Via ArchDaily

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

1º Prêmio Oscar Niemeyer de Arquitetura Latino-americana









As inscrições estão abertas até o dia 9 de setembro. Para mais detalhes, Vale o Clique!







Via CAU-BR

Intervenções urbanas gigantes no Rio em homenagem a atletas olímpicos

Com a proximidade das Olimpíadas do Rio, a cidade já está exalando esporte. Mas o evento também trouxe outro destaque para as ruas cariocas: as obras do artista francês JR. Ele queria fazer algo especial para celebrar os Jogos Olímpicos – e conseguiu, levando intervenções urbanas gigantes à cidade!

Até agora, JR realizou duas instalações, que fazem parte da série que o artista denominou de Inside Out. As duas obras são feitas de andaimes e representam as imagens de atletas na cidade. A primeira delas é do recordista africano de salto de altura Mohamed Younes Idriss, de 27 anos.

“Esse atleta mora e treina em Cologne (Alemanha). Ele se machucou alguns dias antes de uma prova pra se qualificar nas olimpíadas do Rio 2016.“, escreveu ele no Instagram, lembrando que, de alguma forma, o esportista acabou indo às Olimpíadas de qualquer jeito.

A outra intervenção mostra um nadador como se estivesse prestes a realizar um mergulho no oceano. A obra demorou um ano para ser concluída, segundo o Bored Panda. Confira!

Via Hypeness

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Instituto Goethe-SP terá espaço cultural na Vila Itororó






O Instituto Goethe de São Paulo está selecionando dez projetos para o seu espaço de residência Goethe na Vila, localizado na Vila Itororó, no bairro Bela Vista. O Goethe oferecerá apoio financeiro de até 12 mil reais para cada projeto escolhido, que ocupará o espaço de residência durante um mês.

A intenção do instituto cultural alemão é transformar o espaço de residência Goethe na Vila num local para projetos culturais sem fins lucrativos. O objetivo, segundo o instituto, é "potencializar e diversificar a participação de pessoas e coletivos interessados no espaço", com projetos que "se empenhem na dinamização e na experimentação" do local.

Os projetos serão selecionados por um júri e deverão ser executados de fevereiro a dezembro de 2017. Segundo o Instituto Goethe, eles podem abordar "desde as políticas do espaço, a relação centro-periferia, o processo de gentrificação até narrativas singulares e a maneira como o espaço compõe uma dinâmica urbana global e ampla".

A Vila Itororó é um conjunto arquitetônico de 37 edificações construídas nos anos 1920 e tombado pelo patrimônio histórico e cultural de São Paulo. Em 2006, a vila foi decretada área de utilidade pública, tendo sido desapropriada pelo governo do Estado e pela prefeitura para fins culturais.

As inscrições podem ser feitas até 28 de agosto e são livres para qualquer disciplina ou área das artes e da cultura. Regulamento, formulários e mais informações estão disponíveis no site. Vale o Clique!

Via DW

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Aula Magna traz arquiteto do projeto cicloviário da Avenida Paulista

Gianpaolo Santoro Granato, arquiteto e urbanista responsável pelos maiores projetos cicloviários da cidade de São Paulo, será o próximo palestrante da Aula Magna, que acontece em Goiânia e Anápolis, dias 1 e 2 de setembro. No dia 1º, o evento será no Teatro PUC, no campus V da universidade, em Goiânia, às 19h; e no dia 2 no auditório do Senai, em Anápolis, às 9h da manhã.

Graduado pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo e com mestrado na Universidade Politécnica de Catalunha, em Barcelona, Gianpaolo conquistou experiência também na Itália e na Inglaterra, adquirindo conhecimento expressivo com diferentes tipos de edificação, tecnologia aplicada e construção e gestão de projetos. Trabalhou com escritórios renomados como Albert de Pineda, Claudio Silvestrin Architects, Lifshutz Davidson and Sandlands e Design International.

Atualmente o arquiteto trabalha no Studio GGA, em São Paulo, e atuou nos projetos cicloviários da Av. Paulista, Av. Bernardino de Campos e Av. Ricardo Jafet. Designado pelo Instituto DBIKE Brasil, que estimula a evolução dos atuais parâmetros de mobilidade apoiada pelo uso intensivo da bicicleta, Gianpaolo pretende trazer esta perspectiva para a aula, além de expor os projetos.

As vagas são limitadas. Para mais informações e para se inscrever, Vale o Clique!

Via CAU-GO

Sebrae Goiás promove oficina sobre a NBR 15.575

A fim de discutir as vantagens e as dificuldades do uso da Norma de Desempenho pelos pequenos negócios no setor da construção civil, o Sebrae, em parceria com a ABNT, promove na próxima quinta-feira (18) uma oficina sobre as diretrizes da ABNT NBR 15575/2013. O encontro será realizado na própria sede do Sebrae, no setor Bueno, e as inscrições podem ser feitas, gratuitamente, por meio do site ou pela pela Central de Relacionamentos através do 0800-570-0800. A carga horária é de oito horas.

Mais detalhes, Confira!

Via CAU-GO

domingo, 14 de agosto de 2016

sábado, 13 de agosto de 2016

Seminário Nacional Pensar o Projeto, Pensar a Cidade.





Acontece nos dias 21 a 23 de setembro de 2016 o Seminário Nacional Pensando o Projeto Pensando a Cidade, na UFG, Regional Goiânia. 


Maiores informações no sitefacebook e instagram do evento.


Participem!

RMIT University desenvolve tijolo feito com bitucas de cigarro

O lixo de alguns é o material construtivo de outros. Pesquisadores do Royal Melbourne Institute of Technology (RMIT University)  desenvolveram uma técnica para fazer tijolos a partir de uma dos descartes mais comuns do mundo: bitucas de cigarro. Liderada pelo Dr. Abbas Mohajerani, a equipe descobriu que produzir tijolos de argila com apenas 1 porcento de sua massa oriunda de bitucas de cigarro poderia equilibrar a poluição causada pela produção anual de cigarros e, ao mesmo tempo,  produzir tijolos mais leves e eficientes.

Lidar com o descarte de cigarros é um dos maiores dilemas ambientais do mundo: bilhões de cigarros são queimados anualmente, resultando em milhões de toneladas de lixo tóxico -  contendo metais como arsênio, cromo, níquel e cádmio - liberados no solo e cursos fluviais.

Segundo o Dr. Mohajerani, "cerca de 6 trilhões de cigarros são produzidos todos os anos, gerando 1,2 milhões de toneladas de bitucas de cigarro. Estas cifras devem aumentar em mais de 50% até 2025, sobretudo devido ao aumento da população mundial."

A solução? Misturar as bitucas de cigarro na argila dos tijolos antes da queima. Além de benefícios ambientais, a equipe de  Mohajerani  descobriu que acrescentar bitucas reduz o consumo de energia necessário para o processo de queima em até 58%. Os tijolos prontos mantém as mesmas propriedades estruturais dos tijolos normais, mas são mais leves e tê melhores características de isolamento. O processo de queima também mantém os poluentes dentro dos tijolos, impedindo  que se espalhem pelo meio ambiente.

Os tijolos prontos mantém as mesmas propriedades estruturais dos tijolos normais, mas são mais leves e tê melhores características de isolamento. O processo de queima também mantém os poluentes dentro dos tijolos, impedindo  que se espalhem pelo meio ambiente.

Via ArchDaily

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Palestra com a Arquiteta Msc. Daniela Horton, no CREA.







O Crea-GO, por meio do Grupo de Trabalho para Desenvolvimento de Projetos Sustentáveis do Conselho, promove, na próxima terça-feira (16/8), a palestra “Adequação de edificações pré-existentes à sustentabilidade”. 

O evento será realizado no auditório do Conselho, às 14h30min e contará com a presença da Arq. Msc. Daniele Horton (Founder & President of Verdani Partners–USA) como palestrante.



A arquiteta compartilhará sua experiência na elaboração e gestão de programas de sustentabilidade para grandes empreendimentos imobiliários, discutindo as lições aprendidas, as estratégias para superar barreiras técnicas e financeiras e as melhores práticas de gestão implementadas em edifícios pré-existentes sustentáveis. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas no dia do evento.

FONTE CREA GO.

Documentário percorre 4 projetos de habitação social concebidos por Álvaro Siza Vieira







A jornalista Cândida Pinto aproveitou o acontecimento da Bienal de Arquitetura de Veneza para fazer exatamente isso. Mais concretamente para nos fazer pensar sobre quatro projetos de habitação social concebidos por Álvaro Siza Vieira.


A ideia surgiu do convite feito pelos curadores do Pavilhão de Portugal na Bienal de Veneza. Foi assim que nasceu Vizinhos, uma série documental composta por quatro episódios. Ao longo de cada um desses momentos somos levados a conhecer as soluções encontradas por Siza Vieira para os diferentes desafios. São quatro casos, provenientes de quatro tempos e geografias diferentes, mas sempre com o denominador comum de se tratarem de bairros sociais desenhados pelo arquiteto português.

O público da Bienal foi o primeiro a ter acesso a Vizinhos, que entretanto chegou aos espetadores portugueses através do canal de televisão SIC Notícias. Os primeiros dois episódios passaram nos dias 28 e 29 de Maio e os seguintes nos dias 4 e 5 de Junho. Porém, não te preocupes caso tenhas perdido ou venhas a perder alguma das emissões. Os episódios transmitidos já estão acessíveis no site da SIC Notícias, que também irá disponibilizar os seguintes.

Mais detalhes, Vale o Clique!

Via Shifter

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

PODBROU #17 - VOA . Viagem Orientada de Arquitetura.



Num bate papo muito bacana com a Viviane Melo, apresentamos o VOA 2016, com muitas novidades neste ano.
A trilha sonora - sempre da terrinha - fica por conta do Fil Fortes, música boa e papo incrível.

Arrume as malas e se liga aí.


Concurso Internacional – Science Island – Kaunas, Lituânia

O concurso é Internacional, aberto, em uma etapa. Organizado pelo Ministério de Educação e Ciência da Lituânia / Governo Municipal de Kaunas e promovido pela Malcolm Reading Consultants.

Podem participar Arquitetos, sem restrição de nacionalidade, nos termos de habilitação do edital. A entrega dos projetos vai até 14/09/2016.

A premiação é de 15.000 Euros para os três finalistas.
Mais detalhes, Vale o Clique!

Via Concursos de Projeto

Estação desativada em Singapura vira área de lazer











Cingapura é conhecida por ser um ambiente altamente regulado, onde cada pedacinho do espaço urbano, até mesmo as residências, é distribuído pelo poder público segundo critérios que ele mesmo elabora. A estação Tanjong Pagar contrasta com a paisagem local nesse sentido e tem atraído visitantes que buscam passeios mais exploratórios em um lugar que não foi desenhado de maneira a conformar esse tipo de uso.

Sem se preocupar com formalidades, os habitantes da cidade-nação já faziam uso recreativo da estação Tanjong Pagar antes de ela ser incluída nos planos oficiais. Desde fevereiro de 2015, o local,  que passou a ser gerenciado pelo Departamento Territorial de Cingapura, é aberto ao público aos domingos e feriados. A ideia do governo é transformar o lugar em um espaço comunitário multifuncional, preservando sua arquitetura característica. Ali serão instalados uma galeria de arte e um auditório, além de um parque linear que será implantado ao longo dos 24 quilômetros de trilhos.

O contraste da estação com as áreas verdes de Cingapura, que são minuciosamente planejadas e cuidadas, vinha atraindo visitantes desde sua desativação. Muitos moradores aproveitam os feriados para caminhar por onde passavam os trilhos e explorar um espaço que foi, por anos, deixado de lado pelas autoridades locais.

Só nos últimos dois anos, 92 mil pessoas visitaram a Tanjong Pagar. O local tem um significado especial: inaugurada em 1932, quando Cingapura ainda era uma colônia britânica, continuou sendo território malaio mesmo após o fim do curto período no qual a cidade-nação fez parte da Federação da Malásia.  Depois de 46 anos de independência, em 2011, a estação passou a ser propriedade de Cingapura. A maior parte dos trilhos voltou para terras malaias, assim como o sultão de Johor, que assumiu os controles e partiu no último trem antes da desativação.

Mais detalhes, Confira!

Via Outra Cidade

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Bookmark Light

Marcadores de livro são figurinhas carimbadas aqui no blog, mas este realmente chama atenção. Se não tanto pelo design, muito pelo diferencial único. Isto porque o Bookmark Light, criação de Kouichi Okamoto, é feito em um tipo especial de filme e impresso com tinta prateada que possui nanopartículas condutoras de eletricidade. Desta forma, e com o uso de uma fina bateria de lítio, ao dobrá-lo ele se transforma em um marcador de livros-lanterninha. O Bookmark Light é despachado para qualquer parte do mundo, com todas as taxas e impostos, claro, e sem adicionais custa o equivalente a R$ 55,00.

                                                                                      Mais detalhes, Confira!

Via Bem Legaus

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Casa é feita em impressora 3D em apenas 1 dia

A Shangai, empresa chinesa de construções, desenvolveu uma tecnologia capaz de criar casas sustentáveis e de baixo custo. A companhia usa uma impressora 3D e concreto reciclado para construir as residências em apenas um dia.

As impressoras 3D têm sido aliados importantes em projetos sustentáveis. Além de facilitarem e tornarem mais acessível a criação de itens que por muito tempo foram apenas conceito, elas também permitem o uso de diversos tipos de matéria-prima com impacto ambiental reduzido.

Este é o caso da pequena vila de abrigos sustentáveis criada pela Shangai. No lugar do plástico, a impressora 3D libera “fatias” de placas em concreto reciclado, feito de resíduos de construção, resíduos industriais e outros rejeitos. Mais detalhes, Vale o Clique!

Via Ciclo Vivo

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Casa pré-fabricada produz sua própria energia e custa US$ 75 mil

Com os altos preços cobrados pela energia, a tendência é de que, no futuro, todas as casas sejam capazes de gerar sua própria eletricidade de maneira limpa. Mas, não é necessário esperar muito por isso. A popularização das tecnologias permite que isso já seja possível hoje. O negócio é tão promissor, que a empresa norte-americana Deltec se especializou na construção de casas pré-fabricadas autossustentáveis energeticamente.

A linha, chamada de Renew Collection, se diferencia também por seu preço. Mesmo sendo construída dentro de padrões da arquitetura bioclimática e equipada com tecnologias de produção individual de energia renovável, ela não custa mais do que os modelos tradicionais. Pelo contrário. A companhia tem modelos que custam menos de US$ 100 mil, totalmente prontas para morar.

Outro benefício é a rapidez com que as casas são construídas. Após o cliente escolher entre os nove modelos disponíveis, são necessários apenas alguns dias para que a casa seja entregue. O padrão ainda tem pouca quantidade de resíduos de obra descartados e possui baixo impacto ambiental.

Mais detalhes, Vale o Clique!

Via Ciclo Vivo

domingo, 7 de agosto de 2016

Google Design Sprint - O que é e como aplicar.

A Design Sprint é um processo de design “express” onde um grupo de pessoas se reúne por 5 dias para responder questões críticas de negócios através de design, prototipagem e teste das ideias com os usuários.

Os caras do Google Ventures lançaram uma série de vídeos que explica como funciona o Design Sprint, dia após dia. Os vídeos são muito didáticos, e Jake e John (do time do Google Ventures) explicam passo-a-passo como preparar cada a dia. Ah, e dá pra ativar o Closed Caption no player pra ajudar com o inglês.

Para saber mais sobre o funcionamento e como aplicar o Design Sprint em seus projetos, confira os vídeos. Vale o Clique!

Via Arquitetura da Informação

sábado, 6 de agosto de 2016

Moscou prevê entrega da expansão do metrô 2 anos antes do prazo

O pior trânsito do mundo. Não é um título muito agradável de se carregar, e Moscou tinha de conviver com isso até dois anos atrás. A capital russa ficou na ponta do Índice de Tráfego Tom Tom, um ranking anual de cidades mais engarrafadas, em 2013 e 14, mas ficou em quarto lugar em 2015 e quinto neste ano. E talvez caia ainda mais e mais rapidamente em breve. Afinal, os moscovitas estão vendo um caso raro de obras de metrô que estão na frente do prazo.

No final da década passada, a prefeitura anunciou um plano de enorme incremento da rede metroviária da capital russa. A partir de 2013, cinco linhas seriam criadas e algumas já existentes teriam expansão. No total, estavam previstas 79 estações novas – equivalentes a 158 km – até 2020, um aumento de 40% em relação ao número no início do projeto.

A maior parte das obras, porém, está em ritmo acelerado e deve ser entregue já em 2018. As autoridades não explicaram o que ocorreu – Antecipação de etapas? Perfurações mais fáceis que o imaginado? Cronograma inicial excessivamente conservador? – para que os trabalhos ficassem tão à frente do programado, mas chega a ser surpreendente considerando que, em março, os trabalhadores entraram em greve após o atraso de cinco meses no pagamento dos salários.

Qualquer antecipação de entrega de infraestrutura é positivo, mas seria particularmente benéfico nesse caso. Se o novo prazo for cumprido, boa parte da expansão estaria disponível aos moscovitas e aos turistas para a Copa do Mundo de 2018, que será realizada na Rússia e terá dois estádios na capital do país (ambos distantes do centro, tendo o metrô como principal meio de acesso).

Um dos principais elementos da nova rede seria um terceiro anel metroviário, ligando os bairros sem entrar no centro. A expectativa das autoridades é que ele diminua o fluxo de pessoas – e de carros – pela região central de Moscou, aliviando substancialmente o trânsito da capital russa. “É mais difícil desenvolver o tráfego veicular que construir estações de metrô, embora o metrô seja mais caro”, comentou Anatoly Fedorenko, professor de logística da Escola Superior de Economia, uma das principais universidades da Rússia, em entrevista ao jornal Moscow Times.

Mais detalhes, Vale o Clique!

Via Outra Cidade

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

12 princípios para cidades mais habitáveis

A migração do campo para a cidade promovida pelo governo chinês nos últimos anos é parte de um plano maior que pretende deslocar cerca de 250 milhões de pessoas no país. Embora os números estimados sugiram a dimensão do plano,  ainda sim é difícil imaginar o que ele representa.

Apesar disso, se forem tomadas como referência as estatísticas de população urbana da ONU, publicadas em 2010, é possível reconhecer que 250 milhões de pessoas equivalem à população de Boston, Chicago, Filadélfia, Los Angeles, Nova Iorque, Miami e Seattle, apenas nos Estados Unidos.

A estas cidades pode-se somar, ainda, os habitantes de outras 19 cidades de outros continentes, entre as quais encontram-se  Paris, Londres, Roma, Milão, Berlin, Atenas, Cidade do México, Buenos Aires, Manila, Tóquio e São Paulo, para nomear algumas ( é possível acessar a lista completa aqui).

O impacto nas cidades chinesas diante do aumento populacional é um ponto que se junta a outros desafios que as autoridades pretendem abordar, como a contaminação atmosférica, a habitabilidade e os efeitos das mudanças climáticas.

É por este motivo que o Banco de Desenvolvimento da China, em colaboração com a Fundação de Energia da China, elaborou 12 princípios que buscam guiar o planejamento das cidades chinesas, orientando o desenho urbano em direção à sustentabilidade, classificados em "Forma Urbana", "Transporte", "Energia" e "Recursos". Além disso, a ideia é que estes conselhos sejam uma ferramenta para as autoridades de outras partes do mundo.

Para conferir os princípios e desafios, Vale o Clique!

Via ArchDaily

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Aeroporto Internacional de Bangcoc e vãos de até 126m







Gigantescas estruturas em aço do Aeroporto Internacional de Bangcoc, na Tailândia, impressionam e parecem flutuar ao vencerem vãos de até 126 m.

Decifrar com precisão o design do Aeroporto Internacional de Suvarnabhumi, em Bangcoc, na Tailândia, é um desafio tão grande quanto a tarefa de entender a arquitetura multifacetada da cidade, que mistura elementos do passado, como suntuosos templos budistas banhados a ouro, a modernos arranha-céus urbanos; e no aeroporto projetado por um consórcio liderado pela JAHN Architecture em 1995, esta ambiguidade é evidente. Tal como a cidade, a construção idealizada a partir de gigantescos elementos em aço faz, em duas frentes, alusão às grandiosas edificações e, também, às embarcações que atravessam os canais, parecendo flutuar a partir de suas estruturas em balanço.

Segundo o arquiteto Helmut Jahn, do escritório que assina o projeto, a estrutura da cobertura do Suvarnabhumi mede 567 x 210 m e é composta – em grande escala – por placas de aço soldadas, que formam oito vigas supertruss (supertreliçadas) e vencem um vão central de 126 m na face norte do Aeroporto. Nos dois extremos do complexo, 16 supercolunas – também em aço – auxiliam na sustentação das estruturas metálicas da cobertura – cada uma delas com 42 m de balanço.

Já nos terminais de passageiros, o aço está presente nos cabeamentos e estruturas que sustentam as superfícies em vidro. A escolha dos materiais foi motivada pela leveza que conferem às fachadas e, ainda, por questões sustentáveis, como garantir um melhor aproveitamento da iluminação natural e reduzir o consumo energético do Aeroporto. "Com o aço, minimizamos os elementos de apoio, possibilitando aumentar a transparência e garantindo, inclusive, a presença de uma iluminação natural constante", conta Carl D’Silva, vice-presidente e arquiteto da JAHN Architecture.

Mais detalhes, Vale o Clique!

Via CBCA

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Seu café da manhã poderá carregar uma bateria de celular

Uma dupla de estudantes desenvolveu um aparelho que captura o calor de objetos cotidianos, transforma em energia e a estoca para que você carregue a bateria desses mesmos objetos. Pense em um laptop em cima de uma mesa. Ele emana calor para o ambiente o tempo todo – com o Heat Harvest (Colheita de Calor em tradução livre), esse calor é transferido para um gerador termoelétrico e, assim que a bateria do laptop acabar, você usa a energia que ele mesmo emitiu para carregá-lo, em uma espécie de reciclagem energética.

O laptop foi utilizado como exemplo, mas coisas ainda mais improváveis podem ser utilizadas, como o café ou os ovos mexidos que você preparou no café da manhã – afinal, só de existir, eles também produzem bastante calor. O funcionamento seria bastante simples: o Heat Harvest é um dispositivo que deve ser colocado em cima da mesa em que os objetos quentes normalmente são dispostos – sua escrivaninha ou a mesa da cozinha, por exemplo – e o resto do trabalho ele mesmo faz, baseado no princípio da reciclagem termoelétrica.

Para carregar o aparelho que for, basta colocá-lo em cima do dispositivo, como mostra a foto acima. Além de transformar o topo da sua mesa em uma pequena estação energética, você pode colocar o Heat Harvest diretamente embaixo de aparelhos que você usa bastante, como televisores ou videogames. Mais detalhes, Confira!

Via Revista Galileu

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Relógio de Sol feito com impressora 3D



A empresa Mojoptix uniu o antigo com o moderno e criou um relógio moderno com a leitura a partir da posição solar. Trata-se do Digital Sundial, um aparelho feito com materiais de uma impressora 3D.

O relógio possui vários buracos e quando calcula o ângulo do Sol no céu, mostra o horário com as sombras dos furos, parecendo número de um aparelho digital.

O Digital Sundial está disponível por US$ 109 (R$ 431). No site oficial, a marca ensina como fazer o produto em casa. Confira!

Via Revista Galileu

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Acessibilidade - Condomínios projetados para idosos no Brasil




Ao longo da vida, temos diversas ambições, e uma delas é chegar à terceira idade vivendo com dignidade, saúde e bem-estar. Só que isso nem sempre é possível para muitos idosos, que por falta de oportunidades, apoio da família e/ou situação financeira, acabam morando em casas inseguras ou até mesmo indo parar em asilos em condições precárias.

Existem conjuntos residenciais exclusivos para idosos em todo o mundo, com estruturas fenomenais, atividades físicas e cuidadores à disposição 24 horas por dia para os senhores e senhoras. No entanto, viver nestes locais tem um custo elevadíssimo — alguns aqui no Brasil chegam a ter mensalidades de mais de R$ 10.000.

Mas, então, o que fazer para resolver essa situação e proporcionar qualidade de vida também aos idosos com menor poder aquisitivo? Foi pensando nisso que alguns governos e organizações brasileiras construíram condomínios acessíveis voltados para idosos em diferentes estados do país.

A Cidade Madura é um exemplo dessa iniciativa. Inaugurado em 2014 na cidade de João Pessoa, o programa Cidade Madura é uma iniciativa do governo da Paraíba destinada a idosos de baixa renda. Possui mais duas unidades — uma em Campina Grande e outra em Cajazeiras — e cada uma conta com 40 casas adaptadas de 54 m².

O condomínio oferece posto de saúde, academia ao ar livre, horta comunitária, pista de caminhada, centro de convivência com salão, salas de aula, de TV e de fisioterapia, copa, banheiros acessíveis e até um redário, e o investimento total do governo paraibano foi de R$12 milhões nas três unidades.

Para saber mais sobre a Vila Madura e conhecer outros exemplos, Vale o Clique!

Via Hemeroteka

domingo, 31 de julho de 2016

Documentário conta a trajetória dos Irmãos Campana

Irmãos Campana por Fernando e Humberto from gabriela bernd on Vimeo.

Filme sobre a vida e a obra da dupla mais influente do design brasileiro será exibido em outubro. A infância em Brotas, a chegada a São Paulo, os bastidores das principais criações e outras curiosidades sobre a vida e a obra dos Irmãos Campana já têm data certa para se transformarem em documentário.

A trajetória de mais de 30 anos de Fernando e Humberto, que serão curadores da Casa Vogue de agosto, edição que também divulgará o resultado da campanha Procura-se, em busca de novos talentos, é uma realização do Instituto Campana com intuito educativo. Mais detalhes, Confira!

Via Casa Vogue

sábado, 30 de julho de 2016

Por que você deveria usar lâmpadas LED no jardim da sua casa


Se você já conhece as luzes LED, sabe como elas são vantajosas em relação aos outros modelos de lâmpadas no mercado. Apesar do investimento ser maior ao comprá-las, o retorno vem na durabilidade; enquanto lâmpadas incandescentes funcionam por aproximadamente 1.200 horas, um LED pode chegar a 50 mil horas de vida útil.

Além disso, os LEDs são uma opção mais interessante para o meio ambiente e para sua casa, pois não possuem mercúrio em sua composição e já existem modelos com conexão via WiFi e bluetooth para luminárias e outros dispositivos.

Pois é, se você já conhece as lâmpadas LED, provavelmente já sabia de tudo isso. Mas o que provavelmente não sabia é que elas também podem ajudar as suas plantas a crescerem de forma mais rápida e saudável.

A eficiência das lâmpadas LED para o cultivo de plantas já foi comprovada pela NASA. Em 2012, um grupo de biólogos do Laboratório de Ciências Espaciais da NASA, nos Estados Unidos, comparou a reação de legumes expostos a lâmpadas fluorescentes e LED para testar as melhores formas de armazenar a comida dos astronautas em longas missões.

Mais detalhes, Vale o Clique!

Via Hemeroteka

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Terreno sem valor vira casa vencedora de prêmio mundial




No interior de Brisbane, na Austrália, havia uma faixa de terra sem valor algum. Uma casa pequena e em desuso, que antigamente acomodava o zelador de um salão de dança abandonado, fazia o lugar parecer ainda mais desolado.

Quando o terreno foi a leilão, ninguém se interessou, mesmo com preço irrisório. Exceto um casal que levantou a mão e deu o lance para arrematá-lo: eram os jovens arquitetos Casey e Rebekah Vallance, com planos de resgatar aquela paisagem.

Eles tinham uma crença, que foi tomando corpo ao saírem da faculdade: o desafio poderia fortalecer seu lado espiritual, ao reinterpretar as formas de viver da família. Dentro desse pacote estavam também a vontade de projetar e construir uma residência superando obstáculos – a sensação de conquista, para a dupla, seria infinitamente superior a qualquer outra experiência.

A casinha de três metros ganhou uma extensão paralela ao salão de dança, que continua lá. Sua fachada foi trabalhada com arte: recortes com aberturas altas e baixas permitem avistar a rua e ser visto. A privacidade é mantida por grandes chapas de aço, perfuradas irregularmente para filtrar a entrada da luz – elas podem ser abertas ou fechadas de acordo com o clima ou a vontade dos moradores.

Esta casa tem influenciado projetos como o Centro de Saúde Oral da Universidade de Queensland, em um pedaço de terra na sobra de um parque, que se transformou completamente”, dizem Casey e Rebekah, orgulhosos. Como se não bastasse isso, a obra recebeu o prêmio máximo do Festival Mundial de Arquitetura, na categoria Casa do ano. É certamente algo a se orgulhar.

Mais detalhes, Vale o Clique!

Via Casa Vogue

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Mapa interativo - evolução do Rio de Janeiro desde 1500

O Rio de Janeiro é "uma cidade de camadas múltiplas e contraditórias, ao mesmo tempo expostas e ocultas por suas belezas e complexa topografia", comenta Sandra Jovchelovitch, professora da London School of Economics and Political Science. Exibindo alguns dos monumentos naturais e construídos mais emblemáticos do mundo e, simultaneamente, um mar de favelas que ocupa a geografia acidentada da cidade, o Rio de Janeiro é, sem dúvida uma "cidade maravilhosa" repleta de contradições e desigualdades.

Mas como ela se tornou o que é hoje? É isto que o novo projeto de cartografia da Rice University tenta elucidar. "A plataforma imagineRio é um atlas interativo que ilustra a evolução social e urbana do Rio de Janeiro ao longo de toda a história da cidade, como existiu e como foi frequentemente imaginada", afirma a descrição do projeto.

O projeto consiste em um mapa sobre o qual vemos as alterações sofridas na geografia da cidade entre os anos de 1500 e 2016, incorporando projetos urbanos, masterplans e desenhos arquitetônicos da cidade e seus diversos componentes que foram criados ao longo de sua história. Vale o Clique!

Via ArchDaily

quarta-feira, 27 de julho de 2016

O cruzamento mais lotado do mundo - Shibuya, Tokyo

Bem vindo ao Shibuya Crossing, o cruzamento mais movimentado do mundo. Centenas de pessoas aparentam brotar do chão em segundos.

O tumulto ocorre em função das cinco ruas que se encontram, dos 8 semáforos que fecham ao mesmo tempo e devido às estações de trem e metrô que ficam em frente ao cruzamento. São essas as estações mais movimentadas de Tóquio. A cada 3 minutos centenas de pessoas desembarcam e recomeça o vai-vem de gente para todos os lados. A estimativa é que 3 milhões de pessoas passem pelo cruzamento por dia.

Via Dicas da Cabrita

terça-feira, 26 de julho de 2016

Edital de Seleção do Mestrado Projeto e Cidade - UFG - 2017.






O Programa de Pós-Graduação Projeto e Cidade abre o edital de seleção do mestrado PROJETO E CIDADE 2017.

O edital já pode ser acessado com as informações de requisitos e cronogramas das etapas a serem realizadas.

Participem!

Curso de Arquitetura Sustentável e Gratuito.

Recebi uma indicação de um curso de arquitetura sustentável. Entrei no link e verifiquei o conteúdo do curso, mas para isso fiz o cadastro como aluno.
O curso é interessante, dividido em 12 etapas, inclui referência bibliográfica e uma introdução ao assunto. O conteúdo parece ser interessante, há um atrativo, pois o curso disponibiliza uma certificação, e ao que tudo indica, autorizada pelo MEC.

Então se seu objetivo é aprender um pouco mais sobre sustentabilidade e arquitetura, penso que vale a oportunidade, e pode ainda ter um certificado de um curso.

Confira!


Via Dandara Costa Souto.

Fracasso urbano - cidade fantasma na China

Plano dos anos 2000 para criar uma "Dubai chinesa" dá errado e centenas de obras futuristas ficam desabitadas. Parece impossível, em pleno séc. 21, uma cidade recém-construída na nação mais populosa do mundo estar completamente deserta. Apesar da incoerência dos fatos, essa é a realidade de Ordos. Idealizada pelo governo chinês no início dos anos 2000 como a "nova Dubai", a região acabou se transformando uma verdadeira cidade fantasma, repleta de obras arquitetônicas monumentais. As imagens capturadas pelo fotógrafo francês Raphael Olivier no final de 2015 mostram o grande fracasso desse plano urbano.

Raphael soube da existência de Ordos oito anos atrás, antes mesmo de se mudar para a China. Na época, a cidade estampava manchetes de vários veículos de imprensa de todo o mundo por estar sendo construída do zero de forma assustadoramente rápida. Mais detalhes, Confira!

Via Casa Vogue

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Concurso Nacional – Unidades Habitacionais Coletivas – Sobradinho, DF




Concurso promovido e organizado pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (CODHAB/DF). O concurso é Nacional, aberto, em uma etapa, envio em meio eletrônico, voltado para Profissionais legalmente habilitados, nos termos do edital. Inscrições até 05/08/2016.

Mais detalhes, Vale o Clique!


Via Concursos de Projeto

domingo, 24 de julho de 2016

8 belas cidades submersas


Ainda que não tenham encontrado rastros da mítica e tão procurada Atlântida, algumas cidades que realmente existiram na antiguidade hoje estão debaixo d’água. No entanto, não estão lá porque tinham incríveis seres aquáticos ou tesouros escondidos, mas sim porque algum desastre natural as colocou nesse lugar. Para conhecê-las, Vale o Clique!

Via Batanga

sábado, 23 de julho de 2016

Concurso Internacional de Ideias – Green Academy – Itália

Young Architects Competition promove o Concurso Internacional de Ideias Green Academy. O objetivo do concurso é selecionar e premiar as melhores propostas de transformação de uma antiga fábrica de papel em Bolonha, na Itália, em um centro de excelência de formação, inspirado nos princípios da Green Economy e do desenvolvimento sustentável.

Concurso é Internacional, de ideias, aberto, em uma etapa. Voltado para Estudantes e profissionais, com pelo menos um dos membros da equipe entre 18 e 35 anos. Inscrições até 01/08/2016.

Mais detalhes, Vale o Clique!

Via Concursos de Projeto

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Arte com barbantes, por Zenyk Palagniuk



Para este projeto foi usado 24 quilômetros de linha, 13 mil pregos e 200 horas de tempo de trabalho. Vídeo por Vova Zagranovsky Pintado por Zenyk Palagniuk.  Vale o Clique!


Via 4ED

EXPODERIVA 2016 - CAMINHO DO SOL - Analu Guimarães Arantes


"As cidades têm a capacidade a prover algo para cada um de seus habitantes, apenas porque, e somente quando, eles são criados para todos" Jane Jacobs

A deriva fotográfica é uma grande oportunidade para sentirmos e observarmos a cidade de cada um, e ao mesmo tempo refletirmos: será que é criada realmente para todos?

 Analu Arantes



quinta-feira, 21 de julho de 2016

Escola do Samba - Concurso 17 [Projetar.Org]

No ano que marca a comemoração do centenário do samba, o concurso 017 da Projetar.org propõe aos estudantes criar um espaço social e cultural dedicado à este estilo musical na região do centro histórico do Rio de Janeiro, objetivando sua perpetuação por meio do ensino e a apresentação deste que é o estilo musical mais característico do Brasil.

Assim como outros concursos da Projetar.org, trata-se de uma iniciativa independente, movida pela pergunta "e se?". Como exercício acadêmico, que visa estimular a criatividade dos alunos, o pavilhão não tem qualquer intenção de ser efetivamente realizado e construído. O objetivo é oferecer aos alunos tanto uma vitrine para que possam mostrar sua capacidade projetual quanto a possibilidade de observar suas formas de resolver problemas de projeto em relação às de outros alunos.

A Escola do samba, objeto deste concurso, necessitará de infraestrutura de ensino e de apresentação teórica e prática. Deverá servir de reduto para o aprendizado das novas gerações, assim como local de apresentação. Será um local onde pessoas irão se encontrar para socializar e para aprender. Espera-se que este seja um edifício icônico para o Rio de Janeiro, atraindo a população de todo o país. Para mais detalhes, Vale o Clique!

Via Projetar.Org

EXPODERIVA 2016 - CAMINHO DO SOL - Ítalo Augusto




"Sempre gostei de olhar a cidade colorida e imaginar como ela seria em preto&branco; e há pouco tempo tenho feito várias fotos pensando nessa estética, no grafismo quase que publicitário que a cidade proporciona, nos contrastes, nos habitantes, e nos questionamentos quase que existencialistas de quem eu sou perante a esse local - na primeira edição que tive a oportunidade de participar - essa última - enquanto percorria 'o caminho do sol' pude contemplar uma Goiânia diferente das que enquanto arquiteto e urbanista e eterno estudante sempre contemplei - a Goiânia dos encontros - fossem eles com os amigos, com as pessoas que não vemos há tempos e até mesmo dos encontros consigo mesmo - e consegui abstrair um pouco da identidade, da própria cidade em mim - vi muito da Goiânia em meu peito e que tenho orgulho de carregar pelo meu olhar. Vi a Goiânia que carrego tatuada em minha pele e escrita por Drummond certa vez - 'só as cidades que já sofreram adquirem um rosto'."
 Ítalo Augusto