sexta-feira, 28 de abril de 2017

Deriva do Bem 2017 - Campinas

No início do século XX, a vinda de padres redentoristas à região, como um deles Padre Pelágio Sauter, inicia uma época de mudanças no povoado de Campininha. Além do desenvolvimento tecnológico trazido por eles, os padres tinham grande influência na formação religiosa e social da população. O campineiro, conhecido por seus costumes e tradições típicas de um habitante de cidades interioranas, muitas vezes caracterizado de forma pejorativa como caipira, organizava sua vida em torno do campo, da religião e do convívio social. Assim, a vida na vila, nas ruas, passaram a ser elementos importantes na construção da identidade de Campinas.

[TG: Roteiro Memorial Campineiro - Rodolpho Furtado]

Itália abre inscrições de bolsas de estudo para brasileiros

 Que tal uma temporada de estudos na Itália? Em parceria com centros de pesquisa, universidades e centros de formação artística, o governo italiano vai disponibilizar bolsas de estudos para estrangeiros e italianos que não vivem no país, para o período letivo de  2017/2018.

O objetivo é favorecer a cooperação cultural internacional, difundir a cultura e a língua italiana e projetar o sistema econômico e tecnológico do país para o mundo.

As vagas são para cursos universitários de especialização, mestrados, doutorados, ou aulas em escolas de especialização. Também tem curso de língua e cultura italiana, reciclagem e formação para professores de língua italiana, entre outros. As inscrições podem ser feitas até 10 de maio de 2017. Para mais informações, Vale o Clique!

Via Nômades Digitais

Livro - O visível e o invisível na arquitetura brasileira

O livro “O visível e o invisível na arquitetura” faz uma análise da Arquitetura Moderna Brasileira usando 16 obras projetadas por diferentes arquitetos em diferentes regiões do Brasil, entre as décadas de 1930 e 1960, que são tombadas ou estão em processo de tombamento.

Escrito pelo filósofo e professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (FAU-SP), José Tavares Correia de Lira, com ensaios fotográficos produzidos por Leonardo Finotti e organizado pelo pesquisador Reinaldo Botelho, o livro associa as obras à acontecimentos da sociedade, da cultura e da arquitetura, mostrando suas projeções simbólicas, políticas e disciplinares, a fim de representa-las no tempo e na memória, por escrito e visualmente.

No livro, o leitor encontrará uma análise do estado de conservação das obras ao longo dos anos no olhar do fotógrafo Finotti e o filósofo Lira.

Via Zupi

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Plano Diretor da cidade de São Paulo vence prêmio de agência da ONU

Após analisar 146 candidaturas de 16 países, o comitê de avaliação da Convocação Pública de Práticas Inovadoras da Nova Agenda Urbana selecionou quatro projetos vencedores do Brasil, Costa Rica, Equador e Porto Rico.

O concurso é uma iniciativa conjunta de ONU-Habitat, rede Marcociudades, Federação Latino-Americana de Cidades, Municípios e Associações Municipalistas (FLACMA), governo da Espanha e Fórum Ibero-Americano de Melhores Práticas.

“Foi complexo avaliar os projetos de acordo com todos os indicadores. Alguns pontuavam bastante, por exemplo, em legislação urbana, mas não incluíam temas transversais, como gênero ou juventude”, disse o coordenador da campanha Cidades Seguras para as Mulheres da organização ActionAid, Marcelo Montenegro.

Os países que enviaram mais candidaturas foram Brasil, México e Colômbia. Como parte do processo de convocação, um comitê técnico composto por membros de diferentes organizações e especialistas em diversas temáticas da região latino-americana selecionaram quatro projetos.

O Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo, apresentado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, foi uma das quatro iniciativas premiadas.

Segundo o ONU-Habitat, o plano foi contemplado por seu propósito de “tornar a cidade mais humana, moderna e equilibrada, através do emprego e da moradia, para enfrentar as desigualdades socioterritoriais”. Para isso, a iniciativa defende um projeto mais democrático e inclusivo de cidade, além de ambientalmente responsável, produtivo e, sobretudo, com vistas a melhorar a qualidade de vida das pessoas, segundo o programa da ONU.

“Foi interessante ver de maneira concreta a diversidade de temas e pontos de vista para abordar diferentes objetivos do desenvolvimento urbano no nível local apresentados pelos projetos”, disse a Coordenadora do Programa de Melhores Práticas para América Latina e Caribe, Carolina Guimarães.

O projeto Fideicomiso de la Tierra del Caño Martín Peña, de San Juan, Porto Rico, também foi premiado. A iniciativa busca recuperar um corpo de água degradado por meio do desenvolvimento integral e equitativo de oito comunidades (30 mil pessoas), em assentamentos informais, a partir da participação cidadã e alianças público-privadas. O projeto também busca regularizar a terra assegurando moradia adequada e o não deslocamento pelo aumento do valor da terra.

O Plano de Melhoramento Integral de Bairros Periféricos de Cuenca, apresentado pelo Governo Autônomo Descentralizado Municipal de Cuenca, no Equador, também foi premiado. O projeto tem como objetivo melhorar o habitat de dez bairros vulneráveis e periféricos priorizados da cidade de Cuenca, realizado mediante processo participativo com a população; através de um modelo integral de atuação baseado na Nova Agenda Urbana, que busca ser replicável em outros entornos.

Já os Espaços de Dulzura, do município de Curridabat, na Costa Rica, tem como objetivo estabelecer a conservação natural como atividade urbana por meio da criação de redes de centralidades nos bairros que integram a natureza na vida das comunidades. O projeto contempla a renovação de espaços públicos existentes e o desenho e construção de áreas e redes complementares novas a partir do trabalho de equipes multidisciplinares e processos participativos com as comunidades beneficiadas.

Outros quatro projetos receberam menção honrosa pela organização. O programa de moradia Desenvolvimento Social Comunitário nos Lares de Soacha (Colômbia); Construção de Comunidades para o Cumprimento do Direito ao Projeto Integrado, de Cochabamba (Bolívia); Reciclando Lares Urbanos com Alugueis Tutelados, de Buenos Aires (Argentina) e o Parque Linear Rachel de Queiroz, de Fortaleza (Brasil).

Segundo o ONU-Habitat, todos se destacam pela inovação com alto potencial de transferência de renda e perspectiva de gênero, como o caso dos aluguéis subsidiados em áreas centrais da cidade ou os parques lineares em áreas vulneráveis. “Ambos criam ambientes mais inclusivos e dignos. Esses projetos são exemplos claros do trabalho para o direito à cidade para todas e todos”, disse o programa da ONU.

Via ArchDaily

Deriva do Bem 2017 - Campinas


Fundada em 1810 por Joaquim Gomes da Silva Gerais. O povoado se instalou às margens do córrego Cascavel para lavoura e pecuária, e compunha de seu população pessoas vindas de vilas como Santa Luzia (hoje Luziânia), Bonfim (hoje Silvânia), Vila Boa (Cidade de Goiás), São Paulo e Minas, com uma população de 45 pessoas em 1824, constituindo 11 casas, 3 engenhos, 34 roças, uma fazenda de gado e uma capela (SILVA E GALLI, 2010). O crescimento do povoado se deu lentamente, devido ao seu afastamento de estradas e de outras vilas mais desenvolvidas, como Vila Boa. Apenas em 1885 começaram a surgir pequenos estabelecimentos comerciais, as conhecidas vendinhas.

[TG: Roteiro Memorial Campineiro - Rodolpho Furtado]

App Euclidea

Euclidea é um aplicativo gratuito que traz de uma maneira divertida e desafiadora um jogo para construções euclidianas!

O jogo possui 120 Níveis, 11 Tutoriais, recursos para arrastar e dar Zoom, entre outros recursos. É um jogo matemático, que se apropria da lógica e estimula o raciocínio. Disponível para Android e iOS.

Para conhecer mais e instalar para apreciar, Vale o Clique!

Via Google Play

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Deriva do Bem 2017 - Campinas










Vem aí a Deriva do Bem 2017!
Aguardem!

Passagens do bairro paulistano Jardim Ângela são tema de concurso

O Instituto Cidade em Movimento (IVM - Institut pour la ville em Mouviment) – com sede na França e escritórios na China, Argentina e Brasil – lançou o concurso “Passagens Jardim Ângela”, que propõe um novo olhar para a região da zona sul de São Paulo.

Já realizado em cidades como Barcelona, Xangai, Toronto e Buenos Aires, o programa Passagens chega ao bairro da periferia paulistana. Com cerca de 300 mil habitantes e centenas de escadarias, rampas e vielas, o Jardim Ângela está instalado em área de mananciais, tem ocupações irregulares e a alta demanda por transporte.

Assim, o objetivo do certame é a revitalização de três passagens do bairro, a fim de melhorar a qualidade da mobilidade local, de pessoas e bens, e sua integração com a Estrada do M’Boi Mirim, principal eixo de comércio, serviços e conexão com a rede de transportes públicos. Entre os critérios do concurso será levado em conta alternativas inclusivas e replicáveis que provoquem o maior impacto urbano e social com a menor intervenção possível.

Podem participar jovens arquitetos, ativistas, coletivos, ONGs, profissionais e estudantes de todas as carreiras que tenham interesse em problemáticas urbanas, sociais e ambientais.

Os projetos – para uma, duas ou as três passagens – devem ser inscritos até 10 de maio pelo site onde também é possível consultar o edital do concurso. Em maio, o instituto anunciará os projetos finalistas e os autores participarão de um workshop internacional no bairro, no início de junho, com organizações locais. Os vencedores serão conhecidos no dia 10 de junho. Vale o Clique!

Via ArcoWeb

Professor japonês surpreende diariamente seus alunos









Já imaginou chegar todo dia na sala de aula e encontrar uma verdadeira obra de arte desenhada no quadro negro? Um professor japonês chamado Hirotaka Hamasaki, também conhecido na internet como Hamacream, é um professor de arte japonês e que adora fazer surpresas artísticas com todo o seu talento. Com apenas giz, ele cria desenhos surreais gigantes, e em alguns casos, até reproduz as artes de nomes como Leonardo da Vinci e Pablo Picaso. A ideia está tomando conta das redes sociais por conta da qualidade artística do professor na hora de desenhar com giz. Nesse post separamos algumas artes dele. Confira!











Via Criatives

terça-feira, 25 de abril de 2017

CAU/BR lança “Carta dos Cem Dias – Por um Pacto pelo Direito à Cidade” endereçada aos prefeitos







O fomento na administração municipal de inovações a partir da cultura do compartilhamento e da solidariedade é o eixo da “Carta dos Cem Dias – Por um Pacto pelo Direito à Cidade” lançada pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), dirigida aos prefeitos que estão que estão em meio ao quarto mês de seus mandatos.

O documento propõe uma aliança “pela qualidade e usufruto digno e democrático da cidade, baseado em instrumentos políticos de gestão pública transparentes e inclusivos”. O objetivo é promover um desenvolvimento urbano e territorial sustentável nas dimensões social, econômica e ambiental, como proposto na Nova Agenda Urbana definida na conferência HABITAT III das Nações Unidas realizada em 2016 em Quito, no Equador.

A Carta do CAU/BR reconhece a diversidade das cidades brasileiras, mas acentua que independentemente de tamanho ou perfil econômico, elas têm um problema comum: “são vítimas do desmantelamento do planejamento urbano ocorrido no Brasil nas últimas décadas nas três esferas administrativas”. Em oposição a esse cenário, o CAU/BR defende “uma agenda urbana transformadora do destino das cidades e dos cidadãos brasileiros”.

Para as metrópoles, a Carta sugere um avanço na implementação da Governança Interfederativa das Metrópoles, previsto no Estatuto da Metrópole, com compartilhamento de responsabilidades e ações entre Municípios e Estado em termos de organização, planejamento e execução de funções públicas de interesse comum.  A Governança Interfederativa “não tira, ao contrário, amplia o poder político-administrativo dos prefeitos”, segundo o documento, além de garantir a conquista para os munícipes da cidadania metropolitana e outros ganhos. “O Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado (PDUI) facilitará ações como integração do transporte público intermunicipal, racionalização de serviços de saneamento básico, proteção ambiental e programas habitacionais articulados com mobilidade, infraestrutura e locais de trabalho”.

No extremo oposto, para as pequenas cidades, a Carta sugere “fomentar na administração municipal inovações a partir da cultura do compartilhamento e da solidariedade. Além da troca de informações sobre boas práticas, é preciso pensar em soluções para superar a fragilidade fiscal das pequenas cidades, como consórcios de gestão para custear a elaboração de planos e projetos que viabilizem o acesso a recursos orçamentários, financiamentos e inclusive programas subsidiados por organismos internacionais”.

A Carta é resultado do IV Seminário de Política Urbana e Ambiental-Desafios do Projeto Cidade realizado nos dias 4 e 5 de abril em Brasília sob o tema “A Gestão Urbana Inserida no Compromisso com a Nova Agenda Urbana”. O documento igualmente propõe a criação de redes de cidades integradas a outras redes da sociedade que possam contribuir com a informação e a divulgação de boas práticas de gestão visando a inclusão social, o crescimento econômico sustentado e a proteção do meio ambiente.

O documento aborda ainda a necessidade dos gestores públicos se envolverem com discussões no Congresso de matérias que afetam nossas cidades, como a Medida Provisória da Regularização Fundiária Urbana (759/2016), à revisão da Lei de Licitações (Projeto de Lei 6.814/2017) que podem comprometer o planejamento, a gestão e a qualidade dos espaços e equipamentos públicos dos municípios brasileiros. Pede também “um efetivo empenho do Governo Federal e das Prefeituras na aplicação da Lei de Assistência Técnica Pública e Gratuita para o projeto e a construção de habitações de interesse social."

Leia, a seguir, a carta na íntegra:

O insustentável modelo de crescimento que colapsou as cidades brasileiras representa um desafio enorme para os gestores municipais recém empossados. É a eles especialmente, reafirmando sua posição política na Sociedade, que o CAU/BR – Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil se dirige no marco de 100 dias de suas administrações.

Senhoras e Senhores Gestores das cidades brasileiras:

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil – CAU/BR, autarquia federal que reúne os 145 mil arquitetos e urbanistas na ativa no país, assumiu um compromisso perante as Nações Unidas para contribuir com a implementação no Brasil das diretrizes da Nova Agenda Urbana definida na conferência HABITAT III realizada em Quito, no Equador, em 2016. O objetivo é promover um desenvolvimento urbano e territorial sustentável nas dimensões social, econômica e ambiental. Ou, como diz o documento, um lugar onde “ninguém seja deixado para trás”.

Por meio desta Carta, o CAU propõe aos novos gestores municipais uma aliança por uma agenda urbana transformadora do destino das cidades e dos cidadãos brasileiros. Trazemos a proposta de um Pacto pelo Direito à Cidade.  

Conforme dados da Confederação Nacional dos Municípios, 4.911 dos 5.568 municípios brasileiros (88,2%) possuem até 50 mil habitantes, com um orçamento anual médio de R$ 36 milhões. Apenas 17 municípios (0,3%) têm acima de um milhão de moradores e, na média, um orçamento anual de R$ 9,4 bilhões. Tal realidade diversa das cidades brasileiras, em termos de escala territorial e vida econômica, exige que as políticas públicas urbanas no país separem as questões específicas das metrópoles, das cidades médias e das cidades pequenas.

Um ponto, contudo, elas têm em comum: são vítimas do desmantelamento do planejamento urbano ocorrido no Brasil nas últimas décadas nas três esferas administrativas. Em oposição a esse cenário, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil defende um pacto pela qualidade e usufruto digno e democrático da cidade, baseado em instrumentos políticos de gestão pública transparentes e inclusivos.            

O Pacto pelo Direito à Cidade é baseado em três grandes premissas expressas inicialmente na “Carta Aberta aos Candidatos a Prefeitos e Vereadores – Qual a cidade que precisamos? Um pacto pela qualidade das cidades”, divulgada em agosto de 2016: a governança, o planejamento urbano e o monitoramento cidadão.

O Brasil conta hoje com uma legislação urbanística avançada mas pouco conhecida e institucionalizada. Os gestores das cidades metropolitanas, médias ou pequenas devem assumir o compromisso político de implantar os instrumentos de planejamento que garantam a sustentabilidade de suas comunidades previstos no Estatuto da Cidade e no Estatuto da Metrópole.

A participação direta do cidadão na concepção do planejamento, nas consequentes discussões nas Câmaras Municipais e no acompanhamento de sua implementação materializa o princípio constitucional da função social da cidade.  

Sob a ótica do momento, os participantes do IV Seminário de Política Urbana e Ambiental – “A Gestão Urbana Inserida no Compromisso com a Nova Agenda Urbana”, realizado pelo CAU/BR em Brasília nos dias 4 e 5 de abril de 2017, concluíram serem os seguintes os desafios mais importantes no processo de gestão urbana do país:

A sensibilização do Congresso Nacional em relação à Medida Provisória da Regularização Fundiária Urbana (759/2016) e à revisão da Lei de Licitações (Projeto de Lei 6.814/2017) que podem comprometer o planejamento, a gestão e a qualidade dos espaços e equipamentos públicos dos municípios brasileiros;

Um efetivo empenho do Governo Federal e das Prefeituras na aplicação da Lei de Assistência Técnica Pública e Gratuita para o projeto e a construção de habitações de interesse social (11.888/2008);

Avançar na implementação da Governança Interfederativa das Metrópoles, previsto no Estatuto da Metrópole, com compartilhamento de responsabilidades e ações entre Municípios e Estado em termos de organização, planejamento e execução de funções públicas de interesse comum. A Governança Interfederativa, se construída como um modelo de gestão baseado não em um poder centralizado vertical, mas em acordos, concessões e decisões multilaterais, não tira, ao contrário, amplia o poder político-administrativo dos prefeitos. A Governança Interfederativa permitirá que os gestores urbanos conquistem para seus munícipes a cidadania metropolitana – o Direito à Metrópole – e inúmeros ganhos. O Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado (PDUI) facilitará ações como integração do transporte público intermunicipal, racionalização de serviços de saneamento básico, proteção ambiental e programas habitacionais articulados com mobilidade, infraestrutura e locais de trabalho;
Fomentar na administração municipal inovações a partir da cultura do compartilhamento e da solidariedade. Além da troca de informações sobre boas práticas, é preciso pensar em soluções para superar a fragilidade fiscal das pequenas cidades, como consórcios de gestão para custear a elaboração de planos e projetos que viabilizem o acesso a recursos orçamentários, financiamentos e inclusive programas subsidiados por organismos internacionais;

Integrar, com metas claras, a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável nos planos dos governos locais e metropolitanos;

Valorizar o aspecto educacional das ações de sustentabilidade, à medida em que forem implementadas, contribuindo para formar melhores cidadãos para atuarem nas cidades;
Utilizar o ordenamento jurídico ambiental como instrumento de gestão urbana para assegurar a proteção das encostas íngremes, fundos de vale e mananciais, de maneira a evitar deslizamentos, desmoronamentos, assoreamentos, enchentes, desabastecimentos e uma diversidade de problemas relativos à saúde pública;

Evitar a reprodução na cidade do modelo patrimonialista que permeia a sociedade brasileira. É preciso, por exemplo, abandonar o modelo de implantação de habitação para população de baixa renda em áreas periféricas, enquanto há vazios nas áreas centrais com infraestrutura subutilizada. Da mesma forma, os recursos destinados à mobilidade urbana devem privilegiar investimentos em transporte público ao invés da expansão de vias expressas para carros.
Estimular o uso de dados para construção das ferramentas de planejamento e gestão;
Criação de redes de cidades integradas a um conjunto de outras redes e instâncias que possam contribuir com a informação e a divulgação de boas práticas de gestão e planejamento que possibilitem a inclusão social, o crescimento econômico sustentado e a proteção do meio ambiente.
A cidade é para as pessoas! Em favor delas, nesse momento cabe a vocês, Prefeitas e Prefeitos, o protagonismo da abordagem e implementação do Pacto pelo Direito à Cidade.

Os arquitetos e urbanistas do Brasil estão prontos para cumprir sua parte, levando Arquitetura e Urbanismo para Todos, missão estratégica do CAU.

Vale o Clique!

Via  ArchDaily

Arquiteto constrói casa em caverna de mais de 700 anos




Alguns arquitetos estão procurando os lugares mais inusitados possíveis para realizar os trabalhos e suas obras. Um desses criativos, resolveu desenvolver o projeto de um edifício chamado Cave House of The Rockhouse, uma verdadeira casa na caverna.

Criada sozinha pelo arquiteto Angelo Mastropietro, a Rockhouse foi projetada em uma caverna de mais de 700 anos na Floresta de Wyre, em Worcestershire, na Inglaterra.
O Arquiteto conta que se baseou na casa dos Flintstones para desenvolver seu projeto, que conta com piso aquecido, iluminação inteligente para armonizar com o ambiente atual, e até mesmo sinal de Wi-Fi.

Angelo conta que comprou a fenda de rocha por 62 Mil Libras em 2010, após isso, trabalhou mais de 1000 horas esculpindo a rocha para ter o formato certo para criar a estrutura da casa, retirando mais de 80 toneladas de entulho a mão. Isso que é vontade :)

O mais legal é que a caverna Rockhouse está disponível no Airbnb, podendo receber sua visita quando você for para a Inglaterra pelo preço de R$ 1.080.

Para assistir ao vídeo, Vale o Clique!





Via Criatives


segunda-feira, 24 de abril de 2017

Alejandro Aravena recebe o Prêmio de Gotemburgo

O arquiteto chileno e Pritzker 2016 Alejandro Aravena recebeu nesta sexta-feira, 21 de abril de 2017 o Prêmio de Gotemburgo para o Desenvolvimento Sustentável, prêmio internacional que reconhece os esforços relacionados à sustentabilidade em todo o mundo.

De acordo com os jurados ", Aravena é um arquiteto inovador que, juntamente com seus colegas do escritório Elemental, aplica uma filosofia de design envolvendo os moradores como parte da solução e não apenas parte do problema, construindo pontes de confiança entre as pessoas, empresas e o governo".

Leia os comentários do jurado abaixo:

Trabalhar para um futuro sustentável é uma tarefa complexa e difícil, onde o desenho é uma ferramenta poderosa. O projeto não só afeta a escolha do material, mas também como materializa-se e é incorporada no entorno construído; como os produtos e serviços são utilizados; e como as pessoas convivem juntas. Isso raramente é associado com a melhor solução técnica, mas sim como uma abordagem integrada para melhorar a qualidade da vida humana.

Espera-se que em algumas décadas seis bilhões de pessoas vivam em cidades; destas, dois bilhões viverão abaixo da linha de pobreza. A necessidade de gerar espaços sociais acessíveis e adequados é imensa, tanto para o presente quanto para o futuro. O projeto inovador das cidades do futuro serão cruciais para o desenvolvimento sustentável.

Alejandro Aravena é um arquiteto inovador que, juntamente com seus colegas do Elemental, aplicam uma filosofia de projeto que envolve os usuários como parte da solução e não apenas parte do problema, construir pontes de confiança entre pessoas, empresas e governo. As três dimensões do desenvolvimento social, ambiental e economicamente sustentável são equilibradas em um processo baseado na participação.

Alejandro Aravena e seus colegas do Elemental argumentam que, com bom projeto, a sustentabilidade é simplesmente o usar do bom senso. Os resultados são soluções simples para problemas complexos.

O prêmio foi concedido pela primeira vez em 2000, sob o nome de 'Prêmio Internacional do Meio de Ambiente Gotemburgo', honrando seus laureados anualmente com um milhão de coroas. Aravena e sua equipe receberão o prêmio no próximo 22 de novembro de 2017, em Gotemburgo.

Via ArchDaily

IAB lança Concurso Estande para UIA2017 Seul

O Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) lança nesta terça-feira (28) concurso nacional de ideias do estande do Brasil para o 26º Congresso Mundial de Arquitetos, que ocorrerá em Seul, Coreia do Sul, de 3 a 10 de setembro – como parte do Conselho da União Internacional de Arquitetos (UIA) 2017.

Organizado pelo IAB-RJ, com patrocínio do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro (CAU/RJ), o concurso ocorrerá em uma única etapa. Os concorrentes deverão apresentar soluções criativas e versáteis para o estande que apresentará o Brasil na próxima edição do congresso.

A competição é aberta a arquitetos, designers, comunicadores visuais e publicitários. Os interessados podem se inscrever de 29 de março a 2 de maio, pelo site do concurso.

O certame é mais uma etapa rumo ao 27º Congresso Mundial de Arquitetos – UIA2020RIO. Com o tema “Todos os Mundos. Um só Mundo. Arquitetura 21”, o encontro será o maior evento do Rio de Janeiro após as Olimpíadas e está previsto para acontecer em julho de 2020, reunindo entre 15 e 20 mil arquitetos de todo o mundo. Vale o Clique!

Via ArcoWeb

Novo tablet da Sony resgata escrita à mão





Com o excesso de tecnologia em todos os lugares e itens, parece que o mercado está cada vez mais sensato quanto aos movimentos e objetos tradicionais da cultura. Depois de Yves Béhar desenvolver um toca discos portátil, é a vez da Sony apresentar o DPT-RP1, um tablet com função e-ink, que permite o usuário a escrever à mão suas anotações e observações. A tela de 13.3 polegadas ainda garante uma leitura em HD muito mais confortável aos olhos.

O lançamento do novo produto foi anunciado no Japão como nova alternativa para empresários, marcas e pessoas que usem o dispositivo como acessório de apresentações, contabilidade, estudos e/ou correção. A tela grande tem sensibilidade ao toque dos dedos e também da caneta, que transforma a experiência em uma lousa eletrônica. O design, por sua vez, lembra uma folha sulfite, fino e leva, com apenas 350 gramas.

O DPT-RP1 lê apenas arquivos em pdf, contudo possui uma aplicativo conversor. Sua criação substitui o modelo anterior, DPT-S1 com apenas 4GB, e traz mais espaço para armazenamento, com 16GB. O preço sugerido no mercado é de cerca de US$ 720 dólares e está ainda disponível apenas no mercado japonês.


Via Casa Vogue

domingo, 23 de abril de 2017

Os cliques inusitados de Harry Benson

 Chegado nos Estados Unidos em 1964, junto com os Beatles, o fotógrafo escocês Harry Benson (http://www.harrybenson.com/) mostrou seu talento para os cliques mais inusitados. Entre os anos 1970 e 2000, ele trabalhou para a revista Life. Suas fotos já foram vistas nas principais publicações do mundo, incluindo Time, Vice, Vanity Fair e Newsweek. Mas o que o torna tão especial?

A dedicação do fotógrafo ao mundo dos famosos e sua capacidade em capturar momentos singelos em que até mesmo um presidente dos Estados Unidos se transforma em uma pessoa comum fazem dele um ícone do fotojornalismo. Os presidentes, por sinal, eram um de seus assuntos preferidos e ele fotografou praticamente todos os homens que ocuparam o principal assento da Casa Branca nos últimos anos.

Sua câmera também aponta para músicos, atores, diretores de cinema e personalidades em geral. Confira alguns dos mais famosos retratos registrados por ele. Vale o Clique!


Via Hypeness

sábado, 22 de abril de 2017

Muito antes das câmeras frontais, Vivian Maier elaborava "selfies" incríveis




A fotógrafa Vivian Maier é uma daquelas personalidades intrigantes, cujo trabalho foi ignorado em vida. Por muito tempo ela trabalhou como babá, embora andasse sempre acompanhada de sua câmera Rolleiflex. Durante seus passeios, Vivian registrava a vida em Chicago, onde vivia, secretamente e aproveitava para tirar muitas selfies usando reflexos de vitrines, espelhos e até mesmo sua sombra.


O trabalho da artista só passou a ser conhecido em 2009, ano de sua morte, quando o agente imobiliário John Maloof encontrou os filmes de suas fotografias ainda não reveladas em um antiquário de Chicago. Ele buscava fotografias para ilustrar um livro sobre a história da cidade – e os registros de Vivian eram perfeitos para esta proposta.

Suas fotografias logo foram exibidas mundialmente e conquistaram o público com seu talento quase inocente. Em 2013, a trajetória da fotógrafa se transformou em um documentário sobre sua vida, que ganhou o nome de Finding Vivian Maier – conhecido no Brasil como “A Fotografia Oculta de Vivian Maier“.






Via Hypeness


sexta-feira, 21 de abril de 2017

Exposição Fotometrópolis, por Zé César





No próximo dia 25 de Abril, às 19h, será realizada a abertura da Exposição individual do ZèCésar  - Prof. José César Teatini de Souza Clímaco. A exposição trará trabalhos inéditos do professor e estará aberta a visitação do dia 26 de Abril ao dia 05 de Junho na Vila Cultural Cora Coralina.

Mais informações e endereço, Confira a Foto divulgação.

27 projetos brasileiros premiados no iF Design Award 2017






Neste ano o iF Design Award premiou 27 projetos brasileiros dos 81 inscritos, sendo que um deles recebeu o iF Gold Award que é o prêmio máximo da competição. O prêmio, um dos mais conceituados do mundo, foi criado em 1953 na cidade de Hannover, na Alemanha, país berço do design moderno.

Com a participação de 59 países e 5575 inscritos nas categorias produto, embalagem, comunicação, arquitetura de interiores, design de serviços, arquitetura e conceito profissional, os 58 jurados internacionais, entre eles o designer brasileiro Levi Girardi do escritório Questto|Nó, avaliaram os projetos numa verdadeira maratona de quatro dias para definirem os vencedores. Como critérios de avaliação foram considerados: inovação, funcionalidade, estética, responsabilidade, posicionamento e valorizados alguns fatores como qualidade, custo, efeitos ambientais e uso amigável.

A cerimônia de premiação aconteceu no Museu da BMW em Munique, na Alemanha. Todas as empresas e profissionais premiados adquirem o direito de usar o selo iF em seus produtos e projetos e passam a participar da plataforma digital de referência iF World Design Guide.

As empresas e designers brasileiros premiados na categoria comunicação foram: saad branding+design, Interbrand, Blackbird Branding, Oeste, Vetor Zero, Itaú Unibanco, Casa Rex, Greco Design, Bel Andrade Lima e David Alfonso Suárez, Pharus Bright Design;

na categoria produto: FCA Design Center LATAM, Oppa Design (Mara Louisa Koeber), Em2 Design, Jader Almeida design&arquitetura, Ronald Sasson, Tramontina Teec Design Team (Carlos Barbosa), Lumini (Fernando Prado), Studio Arthur Casas, Foster Designer, Questto|Nó, Mônica Monteiro e Luciano Monteiro / Fernando Ramos Arquitetura, Phonak Suíça;

na categoria arquitetura: Estudio Guto Requena; e na categoria conceito profissional: Estudio Guto Requena e D3.

Mais detalhes sobre as premiações e os produtos premiados, Vale o Clique!

Via Design Culture

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Museu Marítimo do Brasil integrará o circuito cultural da orla, RJ






O novo Museu ocupará o atual Espaço Cultural da Marinha, que será inteiramente revitalizado para se adequar aos novos usos.

No dia 5 de abril, às 11h, o almirante José Carlos Mathias, diretor do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha, os arquitetos Bernardo e Paulo Jacobsen, e a museóloga Margareth de Moraes apresentam o Museu Marítimo do Brasil, a ser construído no atual Espaço Cultural da Marinha, que será inteiramente revitalizado para se adequar aos novos usos. O novo Museu se integrará ao patrimônio histórico, natural e urbano de seu entorno, onde estão a Ilha Fiscal, a Igreja da Candelária, a Casa França-Brasil, o CCBB, o Museu Naval, o Museu Histórico Nacional, o Museu de Arte do Rio e o Museu do Amanhã.


Com finalidade mais abrangente do que museus navais – de conteúdo militar – ou museus oceanográficos – que se atêm à vida biológica de oceanos e áreas costeiras – o Museu Marítimo tratará do vasto universo ligado ao mar, com foco no território brasileiro. “A navegação, as pesquisas científicas, as variadas manifestações místicas e religiosas, a presença humana, portos, faróis, a indústria da pesca, a indústria naval, tudo o que for relativo ao mar e aos rios brasileiros será objeto de interesse de exposições no Museu Marítimo”, afirma o diretor do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha, órgão que está à frente do desenvolvimento da nova instituição.

O Museu Marítimo do Brasil se agrega à reurbanização da área portuária do Rio de Janeiro, que devolveu à cidade sua vocação de estar voltada para o mar, elo de ligação com o resto do país e com o mundo.

Mais detalhes, Vale o Clique!

Via ArchDaily 



quarta-feira, 19 de abril de 2017

Inscrições para prêmio Tomie Ohtake vão até 30 de abril

A quarta edição do Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake AkzoNobel, que busca mapear a produção arquitetônica contemporânea ao destacar projetos significativos construídos no Brasil, está com inscrições abertas até o próximo dia 30. Segundo a divulgação dos organizadores, a relação urbana e o comprometimento com o sítio de implantação e a sustentabilidade, bem como a inventividade projetual e construtiva, são critérios fundamentais para a seleção.

Aos interessados, o cadastro deve ser feito online pelo site do Instituto Tomie Ohtake. No portal, há informações sobre a premiação, o edital e a plataforma de inscrição, entre outras.

O júri, formado pelos arquitetos Carla Juaçaba, Gustavo Penna, Nabil Bonduki e Priscyla Gomes, selecionará os dez trabalhos finalistas que participarão de uma exposição na sede do Instituto Tomie Ohtake, que estará aberta ao público de 10 de agosto a 17 de setembro de 2017. Na inauguração do evento, serão anunciados os vencedores. Os arquitetos responsáveis pelos três projetos premiados receberão viagens internacionais.

Uma mostra de filmes sobre arquitetura, projetada na fachada do edifício que abriga o Instituto Tomie Ohtake, faz parte da programação paralela, assim como ações educativas para o público jovem, que têm por objetivo promover uma discussão sobre a relação das pessoas com a Arquitetura e o Urbanismo nos espaços que habitam.

O Prêmio Instituto Tomie Ohtake AkzoNobel desde a sua primeira edição (2014), recebeu 334 projetos inscritos, provenientes de 18 Estados e do Distrito Federal. Na edição 2016, o primeiro lugar ficou com Pedro Tuma (Terra e Tuma Arquitetos Associados) com o projeto Casa Vila Matilde, enquanto Nathalia Cantergiani (cantergiani+kunze Arquitetos) foi a segunda colocada, com o Edifício Península, e Alexandre Brasil Garcia (Arquitetos Associados) foi o terceiro, com a Galeria Maxita Yano Claudia Andujar. Já Fabio Riff (Vapor 324) recebeu uma menção honrosa pelo Tuju Restaurante.

Requisitos
O Prêmio é exclusivamente destinado a arquitetos brasileiros ou estrangeiros que vivam no Brasil há pelo menos dois anos, com até 45 anos de idade (nascidos a partir de 1º de janeiro de 1972), e projetos construídos durante os últimos dez anos. Arquitetos, escritórios de arquitetura ou coletivos de arquitetos podem se inscrever com mais de um projeto.

Mais informações, Vale o Clique!

Via CAU-GO 

terça-feira, 18 de abril de 2017

Solar Carve Tower, novo edifício no High Line de Nova Iorque






Foram divulgadas novas imagens do novo projeto do Studio Gang, a Solar Carve Tower, situada na décima avenida ao longo do parque High Line. Inicialmente concebida pelo escritório em 2012, a torre foi apresentada ao Conselho de Normalização e Apelações de Nova Iorque em quatro ocasiões antes de finalmente receber a aprovação em novembro de 2015. Nas novas imagens, os interiores do edifício e o terraço são vistos pela primeira vez, bem como a sua relação com o parque Pier 55, proposto ao longo da orla do Rio Hudson e projetado por Heatherwick Studio.

O Solar Carve Tower foi projetado para uma interferência mínima no High Line - esculpindo o volume do edifício, atinge-se a quantidade máxima de luz solar capaz de alcançar o parque elevado abaixo.

"Em um projeto como o Solar Carve Tower no High Line, estamos comentando sobre a importância primordial do espaço público, mesmo quando esse espaço está no meio da quadra e não protegido por um zoneamento típico de recuos", explicou Jeanne Gang em uma entrevista para Vladimir Belogolovsky em novembro passado.

"Notamos que os edifícios novos em torno de nosso terreno estavam começando a barrar o sol para o parque e que se nós seguíssemos exigências tradicionais do zoneamento estaríamos contribuindo a esse tipo da destruição da esfera pública. Então, nós esculpimos o nosso edifício usando os ângulos solares... Tratamos o High Line como espaço público a ser protegido ao não bloquear sua luz solar. "

O edifício de escritórios terá um total de 12.900 metros quadrados, incluindo um terraço de 929 metros na cobertura e um espaço exterior de 750 metros quadrados ao nível do High Line. De acordo com o New York Post, todos os pavimentos de escritórios, exceto o 7º andar, também terão terraços privados. O edifício foi concebido para atingir os padrões LEED Silver.

Solar Carve Tower é esperado para ser inaugurado no início de 2019.






Via ArchDaily


segunda-feira, 17 de abril de 2017

Autodraw - Inteligência artificial da Google que "corrige" desenhos



Se você, assim como eu, só sabe desenhar homens-palito, vai ver o seu talento mudar com essa nova ferramenta lançado pelo Google Creative Lab.

O Autodraw funciona diretamente no navegador, corrigindo automaticamente os seus rabiscos em desenhos minimamente inteligíveis.

Você pode desenhar no desktop ou celular, inclusive permitindo que a inteligência artificial aprenda com a sua arte e ofereça melhores sugestões no futuro.

O Autodraw foi desenvolvido a partir do Quick Draw, outro experimento com rede neural do Google, que tentava adivinhar o significado dos seus rabiscos. Vale o Clique!

Via B9

domingo, 16 de abril de 2017

Revitalização do centro de São Paulo por Jaime Lerner

O prefeito de São Paulo João Doria declarou que o urbanista Jaime Lerner foi contratado para o projeto de requalificação do centro da cidade. Financiada pelo Sindicato da Habitação (Secovi-SP), a vinda de Lerner é mais uma das ações da prefeitura que compõe a iniciativa "Cidade Linda".

O arquiteto deve trabalhar no desenvolvimento de projetos que vão desde as áreas de habitação até parques, praças, construções históricos e até mesmo o Minhocão, um dos principais focos do urbanista e que, segundo Doria, não será demolido mas passará por uma "requalificação", até mesmo no que diz respeito ao paisagismo.

Jaime Lerner foi três vezes prefeito de curitiba, duas vezes governador do Paraná e é reconhecido internacionalmente pelas soluções que levaram Curitiba a ser considerada "cidade modelo" na década de 1990, especialmente nas áres de transporte e meio ambiente.

Via Casa Vogue

sábado, 15 de abril de 2017

Deriva do Bem 2017 - Goiânia





Um doce para quem descobrir qual bairro de Goiânia será o palco do nosso encontro.

Encontro para compartilhar olhares e descaminhos pelas ruas. Um grande encontro de pensar e compartilhar a cidade, emergindo pro asfalto questões fundamentais como: Onde vivemos? Como vivemos? Como gostaríamos de viver em nossa cidade? Como podemos ser agentes na construção desta cidade?

Película de vidro flexível que produz cinco vezes mais energia solar

Sediada na cidade de Burtonsville, nos Estados Unidos, a SolarWindow é pioneira em pesquisa e desenvolvimento em geração de energia elétrica em superfícies translúcidas. Sua atividade principal trata da aplicação de resinas líquidas sobre vidros e painéis, que posteriormente se solidificam e formam uma camada geradora de energia solar com eficiência cinco vezes maior que tecnologias atuais.

A empresa anunciou seus planos de expansão no setor de geração de energia limpa: cientistas aplicaram camadas de resina líquida em vidros flexíveis de tecnologia Corning Willow e laminaram em condições de alta pressão e temperatura, como nos processos industriais. O resultado? Foi criada a primeira película de vidro flexível, com espessura de um cartão de crédito, produtora de eletricidade a partir de luz solar.

Com esta nova descoberta, torna-se tangível e muito mais prática a utilização desta tecnologia em nossa realidade. A variedade de aplicações do produto é extensa: estas películas podem revestir vidros de arranha-céus, tornando prédios inteiros em geradores de energia, ajudando a reduzir as emissões de carbono na região. E mais: podem cobrir quaisquer superfícies de carros, caminhões, ônibus, aviões e barcos para gerar energia elétrica operacional.

Meios para comercialização do produto estão sendo amplamente estudados. Uma vez que, além da aplicação ser prática, a manufatura é muito rápida: os vidros são feitos em bobinas superiores a 400 metros quadrados, maximizando o volume de produção e reduzindo custos. Como último atrativo, testes e estimativas indicam que este investimento tem prazo de retorno de 1 ano, considerado interessante se comparado a tempos convencionais de 10 anos ou mais.

Via The Greenest Post

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Agenda Deriva do Bem 2017







A Deriva do Bem 2017 está chegando!
Pelo terceiro ano, faremos uma edição no primeiro semestre em Goiânia e uma edição na Cidade de Goiás. Fiquem ligados que em breve teremos mais informações aqui.

A equipe Deriva do Bem está animada e ansiosa para reencontrar você e juntos redescobrirmos nossas cidades.

Primeira fotojornalista japonesa está com 102 anos e segue fotografando

Tsuneko Sasamoto é uma renomada fotógrafa japonesa que nasceu em 1 de setembro de 1914, ou seja, ela tem 102 anos de idade! Considerada a primeira fotojornalista do país, ela começou a fotografar aos 25 anos e precisou romper diversos tabus sociais para seguir a carreira.

“Quando eu era jovem, geralmente me falavam ‘você é só uma mulher, como você pode pensar em ser uma fotógrafa?’ Mas depois vi a fotografia de Margaret Bourke White e soube que poderia ser como ela algum dia”, contou a fotógrafa ao Artscape Japan.

Com quase 80 anos de profissão, Tsuneko registrou momentos históricos e políticos, documentou o Japão pré e pós-guerra e sempre amou fotografar a força e as conquistas das mulheres japonesas.

“Até depois da Segunda Guerra Mundial, as mulheres japonesas encararam discriminação e não tinham poder. Elas não tinham o direto de votar, e eram tratadas como crianças. Mas, ainda assim, havia mulheres que tinham empregos e estavam criando famílias. Eu tenho tanto respeito por elas e retratá-las se tornou uma obsessão”, contou Sasamoto à NHK World.

Atualmente, mesmo após quebrar as duas pernas e a mão esquerda em 2014, ela continua a fotografar.

Seu mais recente projeto, “Hana Akari” (Brilho das flores), é uma homenagem a seus amigos falecidos. “A meu modo, eu acredito que o homem e as flores estão profundamente correlacionados … Quando penso nos meus queridos amigos, quero relacionar cada um deles com flores e deixar que as flores entreguem meu apreço e impressão …”, disse ao site de notícias japonês NHK Online. Para conhecer mais do trabalho dela, Vale o Clique!

Via Hypeness

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Em Salvador, quem pedala até o trabalho ganha dias de folga

A conta é simples: 15 dias usando a bike como meio de transporte para ir ao trabalho = 1 dia de folga no mês.

Depois de Pernambuco lançar a moda, a matemática passou a fazer parte também da vida dos funcionários que atuam na Secretaria da Cidade Sustentável e Inovação de Salvador.

Publicada na portaria 003/2017, que visa beneficiar aqueles que abrem mão do carro para ir trabalhar, a medida funciona na base da fiscalização (e de certa burocracia).

Para ganhar o benefício, os funcionários devem juntar (no mês!) 15 atestados, assinados por fiscal regulamentado, que comprovam que foram ao escritório de bike. Os documentos devem então ser encaminhados à Coordenadoria Administrativa da Secretaria até o quinto dia útil do mês seguinte. Se a papelada estiver ok, o abono é autorizado e combinado com o chefe direto do colaborador.

A ideia é incentivar que cada vez mais pessoas optem pela bike como meio de transporte diário e deixem seus carros em casa, garantindo menos trânsito e poluição na cidade. Para tanto, Salvador está investindo também em infraestrutura: nos últimos quatro anos, a cidade construiu mais de 130 quilômetros de ciclofaixas, ciclorotas e ciclovias e implementou o programa Vai de Bike, que espalhou estações de bikes compartilhadas por diversos pontos da capital baiana.

Via The Greenest Post

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Israel testa ônibus elétrico capaz de se recarregar sozinho em movimento



Em fase de teste no Reino Unido, já existe uma estrada que é capaz de abastecer veículos elétricos enquanto andam em uma faixa específica. Agora a startup israelense Electroad está trabalhando para aprimorar a tecnologia e viabilizá-la de maneira escalável para que contemple todo o transporte público de sua capital, Jerusalém.

A novidade permitiria reduzir a quantidade de emissões de gases de efeito estufa de maneira mais eficiente e ainda transformaria o transporte público em uma alternativa ainda mais sustentável para os cidadãos.

Com base em indução eletromagnética – o mesmo princípio usado, por exemplo, para recarregar smartphones sem a utilização de fios –, a startup criou uma tecnologia flexível (diferente das já existentes), que só precisa de cobre e borracha como matéria-prima para funcionar. “Você consegue implementar em uma rua já existente da noite para o dia”, explica Oren Ezer, CEO da companhia.

Para aplicar a nova tecnologia em ruas existentes, é preciso cavar o asfalto em oito centímetros de profundidade e adicionar o dispositivo de carregamento sem fio. Depois, é só cobrir novamente com asfalto.  Inversores inteligentes com comunicação em tempo real são então instalados em ambos os lados das ruas – e a radiação é minimizada para proteção dos motoristas e passageiros.

Segundo os envolvidos, após cinco meses de testes bem sucedidos em Tel Aviv, com 20 metros de rua adaptados fora de seus laboratórios, os ônibus públicos começarão a ser testados em breve em grande escala.

Via The Greenest Post

terça-feira, 11 de abril de 2017

Um incrível restaurante nas Florestas da Nova Zelândia

Ter uma casa na árvore é o sonho de toda criança, que com um pouco de imaginação e entusiasmo transforma qualquer par de tábuas em um verdadeiro castelo. Inspirados pelos contos de fada, fantasias e sonhos de infância, os arquitetos do Pacific Environment construíram em uma grande árvore, nas florestas de Auckland, na Nova Zelândia, um restaurante que fica a nada menos que 40 metros do chão. E se a altura já não bastasse para chamar a atenção, o visual da estrutura é uma beleza à parte!

O restaurante, feito de madeira e aço, foi construído em volta de uma grande árvore e tem um formato que lembra um balão – ideia que é acentuada à noite, quando as luzes são acesas, iluminando toda a construção. Para chegar até a entrada da estrutura, é preciso andar por uma incrível ponte de 60 metros de comprimento. E embora não seja muito grande, o espaço de 9 metros quadrados é suficiente para acomodar cerca de 20 pessoas, além de uma equipe de garçons e de um bar. A cozinha e o banheiro ficam no andar de baixo.

Inicialmente construído para servir de cenário para um comercial da empresa Yellow Pages, o espaço hoje funciona sob o nome de The Redwoods Treehouse e recebe eventos como casamentos e aniversários.

Via Hypeness

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Curso de irrigação de jardins e gramados - Goiânia








O curso será realizado em Goiânia. A nova edição acontecerá nos dias 05 a 07 de Maio com objetivo de informar e capacitar alunos e profissionais atuantes na área de paisagismo sobre o planejamento e projeto de sistemas de irrigação em jardins e gramados.

Confira o conteúdo programático do curso:

1) Introdução

2) Emissores, controladores / válvulas e acessórios para irrigação de jardins.

3) Conceitos básicos: lâmina de irrigação / vazão / pressão / evapotranspiração entre outros.

4) Projeto / dimensionamento Residencial / empresarial / campos esportivos

5) práticas ( dimensionamento, escolha de materiais, regularem de ângulo de aspersores, regularem de raio, manuseio de controladores hunter e Rain Bird,  catálogos, tubos, bombas, e etc

Mais informações e contatos no banner.

domingo, 9 de abril de 2017

Fita de Lego



Que Lego é legal, ninguém duvida, mas imagine uma fita adesiva que transforma quase qualquer coisa compatível com os bloquinhos?! Pois foi essa ideia genial batizada de Nimuno Loops que surgiu e simplesmente arrebatou os entusiastas do brinquedo. Flexível, ajustável, fácil de usar, pode ser recortada com tesoura como qualquer fita e permitindo que a maioria dos brinquedos passe a interagir com as clássicas pecinhas de encaixar, a tal fita levou a brincadeira com Lego a outros níveis. Não a toa que faltando um mês para acabar o tempo do projeto de arrecadação de fundos no Indiegogo, a Nimuno Loops estourou a banca! Já conseguiu impressionantes U$ 944.562,00 de 25.944 colaboradores, alcançando 11.807% do valor inicial solicitado que era de U$ 8.000,00. Agora é aguardar para ver a fita nas lojas.

sábado, 8 de abril de 2017

História através das mãos - Um ensaio revelador

Há quem diga que pode ler o futuro de uma pessoa através das mãos, mas Omar Reda, um fotógrafo libanês, pode contar o passado de alguém pelas suas mãos (e isso faz mais sentido).

Ele viajou por vários lugares do mundo fotografando as mãos das pessoas para, de forma poética, nos contar a história de vida delas. É interessante notar como o modo que vivemos deixa marcas em nós, ainda mais nas mãos, membros que usamos a todo momento e com uma frequência assustadora.

Segundo Omar: A mão, como os olhos, revela o que está escondido por baixo da superfície. Ela foi essencial para nossa evolução e sobrevivência. Nossos ancestrais usavam a mão para acender o fogo, caçar, lutar e outras ações de sobrevivência.

O nome do projeto é The Story of Life (“Mãos: a história da vida”) e mostram claramente que nem sempre nossa identidade está nas nossas digitais. Faça um exercício: tente não olhar a legenda e descubra qual a profissão de cada pessoa. Você vai se surpreender. Vale o Clique!

Via Verena Fotografia

A inspiração por trás do Novo Logo do Instagram

A New Look for Instagram from Instagram on Vimeo.

O que deu em Mark para criar este novo logo do instagram? Já se perguntou isso?

Toda vez que grandes projetos mudam algo em sua identidade visual, há uma reação automática das pessoas em rejeitarem (a maioria) ou aceitarem como algo legal.

Desta vez quem “causou” foi o a equipe de Mark que decidiram criar um novo logo do instagram. Como de esperar a maioria das pessoas fizeram piadas, inclusive é possível encontrar vários memes circulando nas redes sociais.

Como no próprio vídeo que o Instagram publicou, o novo logo foi inspirado na frase “The amazing things you do”, que pode se traduzida como “as coisas legais que você faz” ou “as coisas surpreendentes que você faz. Mais detalhes, Confira!

Via Canal do Design

sexta-feira, 7 de abril de 2017

As cores da Namíbia, por Frank Lanting



Com sede em Santa Cruz, Califórnia, fotógrafo Frank Lanting foi para a Namíbia a trabalho pela revista National Geographic. Através de seus diálogos, a série retrata a natureza. Para essa missão, ele conta com seu colaborador Chris Eckstrom, na qual possuem o slogan “promova a compreensão da maravilha do mundo.” Vale o Clique!


Via Zupi

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Projeto convida 96 artistas para retratar os 96 distritos de São Paulo



São Paulo é mesmo gigante: a megalópole é composta por mais de 400 bairros, divididos entre 96 distritos. Uma cidade tão grande dá origem à diversidade cultural, e, para mostrar como a arte se manifesta de vários formas ao redor da capital paulista, um projeto convidou 96 artistas para retratarem suas regiões.

Estamos falando do Entrelinhas Urbanas, que está prestes a virar livro, editado pela Sê-lo, e exposição, que será aberta na Praça das Artes, no centro, hoje, dia 6 de abril. A pré-venda do livro está sendo feita através do site da editora, e a equipe recomenda que os interessados se apressem, pois a tiragem é pequena.

Mariana Jorge, designer e idealizadora do projeto, acha que conversou com mais de mil pessoas até fechar o time que mapearia São Paulo através da arte. Mariana considera o Entrelinhas Urbanas importante para apresentar a diversidade cultural e geográfica, já que muita gente nem faz ideia de que haja tantos distritos.

Confira o vídeo de divulgação do projeto e algumas das imagens que fazem parte do livro e da exposição. Mais detalhes, Vale o Clique!

Via Hypeness

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Edifício em formato de U promete ser o mais longo do mundo

Em Nova York, assim como diversos lugares do mundo, existe um limite estabelecido para a altura dos arranha-céus. O World Trade Center, por exemplo, tem 541,3 m. Parece muito, mas o Oiio Studio, um escritório de arquitetura local, propôs uma ideia ainda mais ousada, visando quase dobrar este valor sem infringir as leis. Eles elaboraram um projeto onde o edifício, de aproximadamente 1,2 km, é disposto no formato de um U.

Big Bend é o nome do projeto pensado para a Billionaires' Row, região da rua 57 próxima ao Central Park e que já é conhecida pelos prédios altíssimos. Para se ter uma ideia, seu tamanho é ainda maior que o Burj Khalifa, em Dubai, considerado o maior prédio do mundo com seus 828 metros.

"Se conseguimos dobrar a nossa estrutura em vez de dobrar as regras de zoneamento de Nova York, seríamos capazes de criar um dos edifícios mais prestigiados em Manhattan. O edifício mais longo do mundo. O Big Bend pode se tornar uma modesta solução arquitetônica para as limitações de altura de Manhattan", descrevem os arquitetos.

Além do formato ousado, o escritório ainda lidaria com outro dilema: criar um elevador que, além de se mover verticalmente, precisariam também trabalhar na horinzontal. Por enquanto, a ideia ainda segue no papel - os arquitetos buscam um investidor para tal empreitada superlativa.

Via Casa Vogue

terça-feira, 4 de abril de 2017

Primeiro projeto de Santiago Calatrava em Londres é orçado em um bilhão de euros

Santiago Calatrava divulgou planos de construir um projeto de uso misto orçado em £1 bilhão em Greenwich Peninsula, Londres. Nomeado Peninsula Place, o edifício de 130 mil metros quadrados ocupará um terreno adjacente à Arena O2, projetada por Roger Stirk Harbour + Partners. A proposta incluirá uma nova estação de metrô e ônibus, um cinema, um espaço para apresentações, bares, estabelecimentos comerciais e um centro de bem estar localizados na base do edifício, ao passo que três torres abrigarão escritórios, hotéis e apartamentos. O projeto será acessado por uma passarela para pedestres, também projetada por Calatrava.

A proposta foi projetada para a empreiteira Knight Dragon como parte de um projeto de regeneração de £8,4 bilhões da Greenwich Peninsula, o maior projeto de regeneração em Londres. Outras empresas empregadas pela Knight Dragon para desenvolver a área incluem SOM, Marks Barfield, DSDHA, Alison Brooks e Duggan Morris, cujos projetos acrescentarão um total de 15.720 novas moradias na região, além de uma série de serviços públicos.

Concebido como uma "porta de entrada" para esta nova área de Londres, no centro do projeto há um "jardim de inverno" de 24 metros de altura que recepciona os passageiros da nova estação de metrô.

"É uma honra projetar este pedaço do tecido de Londres, uma cidade que eu amo", disse Santiago Calatrava. "Ao conceber esta proposta, busquei inspiração no rico patrimônio arquitetônico de Londres e na geografia muito especial da Península. Será um projeto que reflete isso e a ambição da Knight Dragon para a Península de Greenwich". Confira!

Via ArchDaily